FIA admite que teto de gastos na F1 torna reviravoltas mais raras

Diretor de monopostos do órgão, Nicholas Tombazis falou sobre linha tênue entre desenvolvimento de um carro e o lado esportivo

Start action

Start action

Red Bull Content Pool

O teto de gastos da Fórmula 1 pode ter ajudado a diminuir as diferenças no grid, acredita a FIA, mas houve uma desvantagem nisso, impedindo que equipes com problemas se recuperassem rapidamente.

Desde 2021, as equipes de F1 tiveram que operar sob um limite orçamentário que foi introduzido para colocar a categoria em uma plataforma financeira mais estável.

Leia também:

A evidência dos últimos anos é que o grid está mais próximo, especialmente porque as grandes ‘gastadoras’ não tiveram o luxo de investir mais dinheiro em um desempenho adicional para os ajudar a sair de uma situação ruim.

Mas embora um grid mais próximo tenha sido positivo, uma das consequências não intencionais foi que as equipes estão agora mais limitadas em reparar erros nos seus carros – já que já não têm poder de compra para investir em renovações extensas.

Isto foi especialmente destacado este ano, quando tanto a Mercedes como a Ferrari sabiam que os seus conceitos de carro para 2023 não eram páreo para a dominante Red Bull, mas foram incapazes de fazer o tipo de revisões que teriam sido possíveis sob regras de gastos abertas.

Refletindo sobre o impacto do limite de custos, o diretor de monopostos da FIA, Nicholas Tombazis disse que os ganhos que obteve não foram isentos de algumas desvantagens.

“O problema com as regulamentações financeiras é que, por um lado, elas significam que alguém não pode gastar três vezes mais do que outro, o que é bom”, disse ele.

“Mas, por outro lado, também significa que, se você está atrás de alguém, não pode simplesmente apostar tudo e fazer um upgrade.

“Antigamente, algumas equipes ocasionalmente começavam uma temporada e ficavam em uma situação muito ruim, porque talvez tivessem bagunçado o projeto ou conceito ou algo assim. Eles chegam e são humilhados nas primeiras corridas.

“Eu estive envolvido em tal situação, mas então você simplesmente faz um enorme pacote de atualização para Barcelona para o Canadá ou algo assim, e você praticamente redesenha todo o carro como um louco por três ou quatro meses e então venceria corridas durante o ano.

“As regulamentações financeiras [atuais] limitam a quantidade de atualizações que você pode fazer. Então, se alguém estiver mais atrás, a recuperação pode ser bastante longa e dolorosa.”

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, leads Fernando Alonso, Aston Martin AMR23

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, leads Fernando Alonso, Aston Martin AMR23

A imposição de um limite de gastos, o que significa que os gastos das equipes nunca podem ficar fora de controle, desencadeou algumas reflexões nos últimos meses, permitindo que outras regras da F1 fossem relaxadas.

Pois sem risco de haver uma guerra de gastos se as equipes tivessem maior liberdade com regras técnicas, acredita-se que a F1 ganharia em ter uma maior variedade de soluções.

Tombazis está ciente dos prós e contras de tal situação, com a FIA empenhada nos últimos anos em tornar os regulamentos cada vez mais rígidos.

Questionado se a filosofia das regras era algo a se reconsiderar para a nova era a partir de 2026, Tombazis disse: “Há uma linha ténue entre limitações demasiadas – e claramente este é um esporte tecnológico e tem de continuar a ser.

“Mas desse lado, com muita liberdade, há potencialmente grandes diferenças entre os carros, e essa é uma linha muito difícil de seguir.

“Claramente, se você perguntar a um engenheiro de uma equipe, ele dirá que é muita limitação. Eu também sou engenheiro, adoraria se todos os carros fossem uma batalha tecnológica completa. Mas precisamos considerar que há outros fatores em jogo que são importantes para o esporte.

“Além disso, em comparação com antigamente, quando talvez houvesse um pouco mais de liberdade, temos regulamentos financeiros e temos também de tentar limitar algumas das atividades que acontecem. Caso contrário, você poderia ter equipes construindo alguma vantagem por meio de algum tipo de projeto de desenvolvimento e, então, tendo uma vantagem por muito, muito tempo, sem chance de outras equipes alcançarem.

“Então, existe uma linha entre a liberdade e ter um campeonato competitivo. Então, não acho que haja uma resposta perfeita.”

Podcast #261 - Show de Casagrande, ascensão de Massa e o futuro da Stock

 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Horner dá aviso importante a Pérez sobre contrato para 2025 na Red Bull
Próximo artigo Vettel reafirma idolatria por Schumacher com acidente de esqui prestes a completar 10 anos

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil