Fórmula 1
06 mai
Próximo evento em
59 dias
20 mai
Próximo evento em
73 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
87 dias
10 jun
Próximo evento em
94 dias
24 jun
Próximo evento em
108 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
115 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
129 dias
29 jul
Próximo evento em
143 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
171 dias
02 set
Próximo evento em
178 dias
09 set
Próximo evento em
185 dias
23 set
Próximo evento em
199 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
206 dias
07 out
Próximo evento em
213 dias
21 out
Próximo evento em
227 dias
28 out
Próximo evento em
234 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
270 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
279 dias

FIA elogia protocolos de Covid da F1: "Podemos correr onde quisermos"

Coordenador de protocolos de Covid da FIA elogiou trabalho feito pela F1, afirmando que o único empecilho para o futuro são as restrições dos países

compartilhar
comentários
FIA elogia protocolos de Covid da F1: "Podemos correr onde quisermos"

Após um intenso esforço da Federação Internacional de Automobilismo e a Liberty Media, dona da Fórmula 1, a categoria conseguiu montar um calendário completo em meio a pandemia. E, para a FIA, os protocolos determinados são tão bem sucedidos que a F1 pode se sentir confortável para correr em qualquer lugar, desde que os governos locais permitam.

Com a inclusão de rodadas triplas e o retorno de pistas que não figuravam no calendário há alguns anos, a F1 conseguiu montar um calendário com 17 etapas, número tradicional de corridas nas temporadas ao longo dos anos 2000.

Leia também:

Junto com o desafio logístico para a realização do GP da Rússia, com uma viagem maior do que as feitas até então, criou-se a confiança de que os procedimentos realizados permitem que a F1 volte a correr ao redor do mundo agora.

Bruno Famin, diretor de operações da FIA, que coordena os protocolos de Covid da instituição, tem fé que o esporte pode retomar suas atividades normais ao redor do mundo, desde que os governos e as normas permitam a realização de uma corrida de F1.

"Para mim, o único problema são as restrições de viagem dos governos", disse ao Motorsport.com. "Já corremos em países e regiões onde a situação da Covid não era das melhores, e deu certo".

"Acho que isso nos dá evidências suficientes de que o protocolo funciona em todas as circunstâncias. Os únicos problemas são questões legais, as restrições de viagem, se temos que fazer quarentena ou não e se a organização honrou a autorização para o evento".

"Acredito que, com esse protocolo, podemos correr onde quisermos. Mas tudo depende da autorização e da possibilidade de correr naquele local".

A F1 espera montar um calendário mais normal para 2021, apesar de ainda ser incerto quantos dos eventos regulares poderão ser realizados em meio a dúvidas sobre a possibilidade da vacina da Covid surgir nos próximos meses.

Famin disse que, em termos de planejamento de novas etapas para o futuro, a FIA precisa de seis semanas para viabilizar as operações.

"Sempre precisamos de quatro a seis semanas de preparação para um evento, tendo um primeiro contato com a organização local junto com a FOM. Organizamos processos com as autoridades locais. Temos que saber como vamos trabalhar com o laboratório de testes".

"Temos também que lidar com zonas de alta e baixa densidade, áreas vermelhas e amarelas. E saber qual é o limite, onde cada um pode ir, como podemos checar temperaturas. São detalhes do tipo e depois na pista, processo de testes".

Apesar de um crescimento no número de casos positivos nas últimas semanas, principalmente envolvendo pessoas de montagem, sem relação com a F1, FIA ou equipes, Famin está feliz com o andamento das coisas.

"Desde o início da temporada, depois do cancelamento de Melbourne, até o nosso reinício na Áustria, o desafio não era evitar casos positivos. Sim, queríamos evitar ao máximo. Mas o principal era ter um processo que nos permitisse correr, mesmo com casos positivos, sem gerar uma disseminação interna ou na população local. Esse era o desafio".

"Ter casos positivos é normal. O desafio é como gerenciar isso, identificar, ter aquele contato próximo, isolar quem este em contato, evitar a disseminação sem criar mais problemas. Esse é o desafio para todos os eventos no futuro".

Os detalhes da carta de Chase Carey sobre GP do Brasil e o que falta para o Rio ser confirmado na F1

PODCAST – A Fórmula 1 perde força com a saída da Honda?

 

McLaren trabalha para corrigir sensibilidade do carro ao vento

Artigo anterior

McLaren trabalha para corrigir sensibilidade do carro ao vento

Próximo artigo

Vitórias, poles, corridas: confira quais recordes da Fórmula 1 ainda pertencem à Ferrari

Vitórias, poles, corridas: confira quais recordes da Fórmula 1 ainda pertencem à Ferrari
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble