Grosjean: "F1 está de volta ao lugar em que deve estar"

Romain Grosjean diz que Fórmula 1 em 2017, permitindo aos pilotos andarem rápido por mais tempo, é o que categoria deveria ser

Grosjean: "F1 está de volta ao lugar em que deve estar"
Carregar reprodutor de áudio

A Fórmula 1 parte para a segunda etapa da temporada 2017 neste final de semana, com o GP da China. Neste ano, o regulamento mudou e os carros estão mais largos, com pneus também mais largos e com menor nível de desgaste.

Com isso, os pilotos podem acelerar por mais tempo. Um dos que celebrou os novos carros foi Romain Grosjean, piloto da Haas. Para o francês, que não completou o GP da Austrália, os carros novos proporcionam diversão.

“Os carros de 2017 são ótimos de guiar", disse Grosjean ao Motorsport.com. "É divertido acelerar e ainda encontrar o limite. Entrando na curva 1 na Austrália, perdi o ponto de freada e cheguei a pensar que não contornaria a curva, mas passei pelo ponto dois décimos mais rápido. Isso é bem interessante!"

“Precisamos ver mais nas corridas. Completei apenas 15 voltas em Melbourne, mas em linhas gerais os carros parecem muito bons. A F1 está de volta ao lugar em que deve estar, mais pé embaixo, mais rápida. Sempre há espaço para melhorias, mas este é o carro de F1 mais rápido que já vi, o que é bastante empolgante", afirmou.

“Além disso, você precisa forçar o carro. Na Austrália, você pôde ver que os pilotos experientes estavam na frente e os inexperientes mais atrás, o que prova que estes são carros de verdade", acrescentou.

Ultrapassagens: próximas etapas podem melhorar

Embora tenha surgido preocupação sobre o aumento da dificuldade de ultrapassar com os novos carros, Grosjean crê que é errado julgar a categoria tão cedo em relação às ultrapassagens.

“Vamos ver como as coisas acontecem na China. Temos algumas curvas bem velozes, então teremos altos índices de força 'G' - mas é disso que gostamos", explicou.

“Ultrapassar é mais complicado, especialmente em uma pista como a de Melbourne. A China deve ser algo diferente. Os carros têm mais arrasto, então nas retas o vácuo será melhor, além do DRS. Teremos boas chances", disse.

“Creio que precisamos esperar pelo menos quatro ou cinco GPs antes de julgar qualquer coisa. Se você reage já após o GP da Austrália, que é a quarta pista mais complicada de se ultrapassar durante a temporada, não faz sentido", completou.

compartilhar
comentários
McLaren pede plano de contingência para F1 em caso de chuva
Artigo anterior

McLaren pede plano de contingência para F1 em caso de chuva

Próximo artigo

Momentos marcantes que farão o GP da Malásia deixar saudade

Momentos marcantes que farão o GP da Malásia deixar saudade