Últimas notícias

Haas não vê problemas em ter polêmica dupla Hulkenberg/ Magnussen

Chefe da equipe deixou claro que quaisquer problemas anteriores que os pilotos tenham tido é algo que diz respeito apenas a eles e não ao time

Nico Hulkenberg, Renault F1 Team, in the garage

O chefe de equipe da Haas, Gunther Steiner, disse que não vê problemas em uma potencial dupla formada por Nico Hulkenberg e Kevin Magnussen na próxima temporada da Fórmula 1, apesar do histórico de conflitos entre os dois.

Leia também:

Hulkenberg é o favorito da equipe para substituir Romain Grosjean ao lado de Magnussen em 2020. No entanto, a dupla protagonizou momentos tensos quando estiveram juntos na Renault e não se dá muito bem.

O incidente mais marcante é provavelmente a fala do dinamarquês em 2017, durante uma entrevista para a TV após o GP da Hungria, em que disse: “Chupe minhas bolas” para Hulkenberg.

A rivalidade entre eles também foi tema de um dos capítulos da série da Netflix “Drive to Survide”, que cobriu a temporada de 2018, mas Steiner diz que não está preocupado com a história do par.

“Nós já temos dois pilotos disputando entre si mesmo sem uma história”, disse ele. “Nós lidaríamos com isso. Não penso sobre essa questão, não é sobre eles, é sobre a equipe. Nós somos todos adultos, e isto é um negócio”.

“Tenho certeza que todos tem colegas com quem não gostam de trabalhar em suas áreas. É um negócio, vejo as coisas desta forma. Você precisa ser prático com esses assuntos. Mas isso não é algo que vá influenciar no que estamos fazendo. É problema deles, não nosso”, finalizou Steiner.

Hulkenberg indicou que ficaria feliz em ser parceiro de Magnussen, sugerindo que não precisam ser amigos para correrem juntos.

“Eu adoraria ver isso”, disse o alemão com um sorriso. “Honestamente, o companheiro é o companheiro. Você precisa aceitar eles. Você se pode se dar bem com alguns deles, mas não precisa ser assim. Talvez seja melhor, eu não sei. Não acho que não seria um fator para romper contratos”.

Magnussen também deu pouca importância à rivalidade, enfatizando que houve apenas um confronto isolado na pista.

“Isso foi dramatizado demais, foi realmente cansativo esse assunto”, disse ele. “Entre mim e Nico houve realmente apenas um incidente na Hungria dois anos atrás. É incrível que ainda estejamos falando sobre isso”.

“Quero dizer, não há muitos pilotos que são amigos na pista. Nós dizemos ‘olá’ uns ao outro quando nos vemos, mas não há problemas entre nós”.

Magnussen disse que prefere ter um parceiro competitivo, seja Grosjean ou outro piloto.

“Obviamente não há decisão sobre isso ainda”, disse o dinamarquês. “Mas estarei feliz independente do escolhido, estou contente com meu companheiro agora, e vou estar com qualquer um na verdade”.

“Acho que quando você está no meio do pelotão, você precisa de um companheiro forte, alguém competitivo, bem avaliado, porque é a melhor forma de destacar a si mesmo”.

“E se você não está ganhando corridas e campeonatos, você precisa de alguém forte ao seu lado para mostrar o que pode fazer, porque é difícil mostrar seu potencial sem uma referência. Mas eu sinto que já tenho isso. Então não vou reclamar”

Haas vive momento ruim e coleciona episódios bizarros

Entre as confusões da escuderia, tem de tudo: roda solta, piloto rodando sozinho no box e patrocinador barbudo fã de Exterminador do Futuro. Confira na galeria especial do Motorsport.com abaixo:

A 'pataquada' mais marcante da Haas aconteceu no GP da Austrália do ano passado
A equipe errou no pit stop de seus dois pilotos, que abandonaram em virtude da roda solta, um após o outro. O primeiro deles foi Magnussen
Logo depois do dinamarquês, a equipe repetiu o erro com Grosjean
Foi uma grande frustração para a equipe norte-americana, uma das mais focadas pela série da F1 na Netflix
Para lamentação do chefe de equipe Gunther Steiner, o duplo abandono tirou os dois pilotos da zona de pontos
Em 2019, o erro se repetiu com Grosjean
Pelo segundo ano consecutivo, o francês teve que abandonar por uma roda solta na abertura da temporada
A Espanha também viu uma leve pataquada, com o toque entre os companheiros em Barcelona. Para sorte da equipe, não houve grandes consequências. Não por muito tempo
No GP do Canadá, Magnussen estava descontente e reclamou com a equipe. O chefe Steiner, então, mandou o piloto calar a boca.
Magnussen concordou, mas ficou feio. E o pior estava por vir na atual temporada da F1
No GP da França, mais dificuldades: os dois pilotos foram mal na classificação e Grosjean abandonou a prova
Mais uma decepção para o piloto da casa, que vive má fase e reclama muito da equipe desde o ano passado. Já Steiner disse que a etapa francesa foi a pior da história da Haas
No GP da Áustria, a vergonha foi tal que Magnussen chegou a ficar atrás da Williams de George Russell. Na foto, o dinamarquês disputa com Kubica e toma volta de Leclerc
O vexame da Haas no Red Bull Ring foi tamanha que fez o CEO da patrocinadora da equipe, a Rich Energy, optar quebrar o contrato (explicamos essa história nos próximos slides)
Antes, porém, vamos ao GP da Grã-Bretanha. A etapa já começou vergonhosa para a equipe, que viu Grosjean rodar sozinho na saída dos boxes durante treino livre
A asa do piloto francês ficou pelo caminho. Depois, ele ainda rodou no circuito de Silverstone
Grosjean abandona o GP da Grã-Bretanha
Magnussen também abandonou, com danos no outro lado do carro, o esquerdo, como  se vê na foto
Steiner classificou o toque como
Como se não bastassem as tretas na pista, ainda há polêmica fora dela, em razão de problemas da patrocinadora
A primeira delas até que foi tranquila: a Rich Energy foi processada por plágio no logotipo e teve que mudar a identidade visual, além de prestar contas na Inglaterra
Depois do vexatório GP da Áustria, o CEO da empresa de energéticos anunciou que deixaria de patrocinar a Haas
Logo depois, os acionistas da marca disseram que o CEO não tinha autoridade para quebrar o contrato e se movimentaram para manter a parceria com a equipe
Foi aí que William Storey, portentoso de chamativa barba, disse que estava sofrendo um golpe
Apesar dos protestos, o barbudo CEO acabou saindo do comando da empresa, mas citou o Exterminador do Futuro ao deixar recado:
No mais recente capítulo das polêmicas da Rich Energy, que mudou de nome para Lightning Volt, a empresa está sendo processada pela Red Bull por plágio pelo slogan
Agora, surgem rumores da saída de Grosjean. Os apontados como possíveis substitutos são Esteban Ocon, Sergio Pérez e o brasileiro Pietro Fittipaldi, piloto de testes da Haas
Na largada do GP da Grã-Bretanha, Grosjean e Magnussen se tocaram novamente, o que danificou os carros dos dois pilotos.
Ambos abandonaram a prova algumas voltas depois, por problemas decorrentes da pancada.
29

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 reintroduz bandeira de aviso como 'cartão amarelo' para pilotos
Próximo artigo 'Anônimo' em Mônaco, Leclerc tem tudo para se tornar o 'queridinho' da Ferrari

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil