Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
49 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
56 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
70 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
84 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
98 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
105 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
119 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
133 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
140 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
154 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
161 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
175 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
189 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
217 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
224 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
238 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
245 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
259 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
273 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
280 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
294 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
308 dias

Honda vê apenas vantagens em voltar a fornecer motores para duas equipes na F1

compartilhar
comentários
Honda vê apenas vantagens em voltar a fornecer motores para duas equipes na F1
Por:
5 de jan de 2019 16:35

Fabricante japonesa terá experiência em trabalhar com dois times novamente depois de retorno ao grid da F1

A Red Bull está mudando para os motores Honda em 2019, depois da primeira temporada de sucesso na Toro Rosso com o fabricante japonês em 2018.

Como as duas equipes utilizarão os motores Honda, eles compartilharão a asas traseira completa, incluindo suspensão, além de algumas peças da suspensão dianteira.

"Acho que é uma grande vantagem", disse o diretor técnico da Honda, Toyoharu Tanabe, ao Motorsport.com. “Não precisamos nos comunicar entre uma equipe e outra, ou eles nos perguntarem de maneira separada.”

"Não temos essa situação. É claro que eles têm um design ligeiramente diferente e precisamos nos adaptar a cada equipe, mas não é uma grande mudança na especificação.”

A Honda não fornece duas equipes desde o retorno ao grid da F1 em 2015.

A fabricante poderia ter servido dois times em 2018, com a Toro Rosso substituindo a McLaren como foco principal e a Sauber cancelou um acordo planejado em favor de uma parceria com a Ferrari.

Isso significa que esta temporada será a primeira que a Honda vai fornecer motores pra duas equipes desde 2008, quando teve uma equipe de fábrica e o time B na Super Aguri.

"Teoricamente, temos o dobro dos dados", brincou Tanabe sobre os benefícios.

“Não só na questão da pista, mas no lado do desenvolvimento. Temos uma equipe diferente [na Red Bull], uma filosofia de carro diferente, uma maneira diferente de trabalhar, especialmente na pista.

“Podemos obter mais informações e mais conhecimento de uma nova equipe. Isso é um grande benefício para nós.”

Quando a perspectiva de uma aliança entre a Red Bull e a Honda se tornou séria no começo de 2018, foi sugerido que Tanabe assumisse um papel abrangente e dois diretores técnicos independentes seriam designados para as duas equipes.

O chefe de automobilismo da Honda, Masashi Yamamoto, disse que a principal prioridade no final de 2018 era simplesmente reforçar sua força de trabalho.

"Estamos aumentando o número de pessoas na fábrica, é claro", disse ele ao Motorsport.com. E a outra coisa é na pista, nós temos que ter o dobro de pessoas neste ano. Temos que ter outra equipe de montagem para os motores de corrida.”

“Talvez para determinados trabalhos possamos compartilhar entre as duas equipes, mas ter mais pessoas é uma ideia sensata”.

Daniil Kvyat, Scuderia Toro Rosso STR13

Daniil Kvyat, Scuderia Toro Rosso STR13

Photo by: Mark Sutton / Sutton Images

Próximo artigo
Mercedes estabelece meta para permanência de Bottas em 2020

Artigo anterior

Mercedes estabelece meta para permanência de Bottas em 2020

Próximo artigo

Stroll diz que aprimorou consistência, apesar das dificuldades da Williams

Stroll diz que aprimorou consistência, apesar das dificuldades da Williams
Carregar comentários