Liberty abre portas e Canadá vê F1 ainda mais descontraída

Com mais liberdade, Fórmula 1 toma iniciativas e segue expandindo interação e ações para agradar ao público, aproximando gradativamente a categoria em direção aos fãs

Liberty abre portas e Canadá vê F1 ainda mais descontraída

Orientação do Liberty, novo dono da Fórmula 1? Ordem direta? Não é possível cravar, mas fato é que a categoria está mais livre, mais leve e mais solta. Se o GP da Espanha já havia trazido novidades como a entrevista pós-classificação dentro da pista, em frente às arquibancadas, o GP do Canadá apresentou novos episódios dessa F1 mais descontraída e mais aberta.

Um dos pontos que mais chamou a atenção do público foi a veiculação de imagens da reunião dos pilotos no GP de Mônaco.

Pela primeira vez em décadas, o público pôde ver detalhes do encontro, no qual os pilotos discutem questões da prova anterior, o GP da Espanha, e da pista de Monte Carlo. Entretanto, a categoria já anunciou que não deve repetir a dose tão cedo, embora não descarte uma nova tentativa no futuro.

 

Outro retorno visto em Montreal foi o da corrida aquática entre membros das equipes. Curiosamente, foi a McLaren - que vive um calvário desde que retomou a parceria com a Honda - quem venceu a prova, que teve até a participação de Ross Brawn, diretor esportivo da nova administração da F1.

 
 

No sábado, durante a entrevista pós-classificação em Montreal, Lewis Hamilton - que acabara de igualar a marca de 65 poles de Ayrton Senna - recebeu em frente ao público um presente especial: um capacete do brasileiro, de quem o britânico é fã declarado. Hamilton não escondeu a emoção no momento e deixou as lágrimas escaparem.

 

Durante a corrida, a iniciativa surpreendente partiu de Fernando Alonso. Após abandonar a prova ao sofrer com mais uma falha da McLaren, o asturiano subiu para a arquibancada e retribuiu o carinho dos fãs, jogando as luvas para o público.

 

Já na entrevista no pódio, a descontração veio com a dupla Daniel Ricciardo e Sir Patrick Stewart - o Professor Xavier da primeira safra de filmes dos 'X-Men'. Convidado pelo australiano para provar o 'shoey', Stewart não se fez de rogado e tomou um belo gole de champagne diretamente da sapatilha do piloto da Red Bull.

 

O que mais a F1 vai aprontar em 2017? Só o tempo dirá, mas o campeonato está mais agradável de se ver, dentro e fora das pistas.

compartilhar
comentários
Renault diz que Kubica pode retornar à F1: "ritmo ele tem"
Artigo anterior

Renault diz que Kubica pode retornar à F1: "ritmo ele tem"

Próximo artigo

Coluna do Massa: GP do Canadá e vontade de seguir na F1

Coluna do Massa: GP do Canadá e vontade de seguir na F1
Carregar comentários