Fórmula 1
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado

Mercedes revela que "não teve radiadores grandes o suficiente" na Áustria

compartilhar
comentários
Mercedes revela que "não teve radiadores grandes o suficiente" na Áustria
Por:
3 de jul de 2019 20:31

Equipe revelou que problemas de resfriamento que fizeram o GP da Áustria “doloroso” foram um legado do design fundamental de seu carro de Fórmula 1 sendo muito “otimista”

Valtteri Bottas terminou o GP da Áustria em terceiro lugar, enquanto o líder do campeonato, Lewis Hamilton, terminou fora do pódio pela primeira vez nesta temporada, em quinto. O chefe da Mercedes, Toto Wolff, se referiu ao resfriamento do carro como "calcanhar de Aquiles" depois da corrida e admitiu que o time estava "carregando o problema" desde o início de 2019.

Em vídeo produzido pela Mercedes, o diretor de engenharia, Andrew Shovlin, descreveu como a busca por um pacote mais agressivo levou o W09 a ter um sistema de resfriamento que “não entregou resultados” nas temperaturas mais altas.

Leia também:

"Fundamentalmente, o carro não teve radiadores grandes o suficiente", disse Shovlin. “Estava abaixo do esperado para o que esperávamos conseguir, e isso significa que estamos carregando essa questão em que nas corridas muito quentes estaremos lutando para manter tudo bem o suficiente, principalmente para manter a unidade de potência boa o suficiente para que cause danos.”

Equipes implantam várias alterações na carenagem em GPs com temperaturas mais altas para tentar manter o resfriamento sob controle.

“Você pode aumentar a quantidade de resfriamento que sai do carro abrindo as saídas na carroceria”, explicou Shovlin. “Na Áustria, eram 35 graus, o que realmente nos colocava no topo do que poderíamos enfrentar. Então, nós estávamos no limite. Quando você chega a esse ponto, você está realmente limitado em suas opções.”

Bottas e Hamilton foram derrotados pelas Ferraris e a Red Bull de Max Verstappen. Eles foram incapazes de atacar à medida em que tentavam controlar as temperaturas.

Shovlin disse que eles estavam levantando o pé do acelerador “cerca de 400 metros por volta”, quase 10% do layout do Red Bull Ring.

"É por isso que eles estavam tão comprometidos com o desempenho", acrescentou Shovlin. "Você também pode desligar o motor um pouco, então ele gera menos calor, mas você tem menos energia e fica mais lento nas retas. Então, foi definitivamente uma limitação significativa na Áustria.”

Depois da corrida, Wolff disse que a Mercedes estava correndo para resolver o problema o mais rápido possível, indicando que, apesar de a causa estar ligada a um elemento fundamental de design do carro, ele não precisa ser uma característica permanente.

Shovlin acrescentou: “Estávamos trabalhando neles antes da Áustria, para tentar melhorar esse problema e deveríamos estar em uma posição melhor.”

"Mas, tudo se resume ao design fundamental do carro, onde, no esforço por carenagens muito apertadas, acabamos ficando com menos resfriamento no geral."

Próximo artigo
Chefe diz que Alonso e Vandoorne merecem muitos créditos por desempenho atual da McLaren

Artigo anterior

Chefe diz que Alonso e Vandoorne merecem muitos créditos por desempenho atual da McLaren

Próximo artigo

Como 'fenômeno Verstappen' fez dele o atleta mais popular da Holanda, que 'esquece' o futebol

Como 'fenômeno Verstappen' fez dele o atleta mais popular da Holanda, que 'esquece' o futebol
Carregar comentários