F1: Mercedes toma medidas para evitar erro de boxes e isenta Hamilton de culpa por punição

James Vowles, estrategista-chefe da equipe, afirmou que a equipe deve desenvolver um novo software para evitar o mesmo erro no futuro

F1: Mercedes toma medidas para evitar erro de boxes e isenta Hamilton de culpa por punição

A Mercedes tomou medidas para garantir que não repita o erro de perder a mensagem de fechamento do pit stop nas telas de cronometragem da FIA. Lewis Hamilton foi para os boxes no GP da Itália logo após o fechamento dos mesmos depois que o safety car foi à pista para permitir a recuperação da Haas encalhada de Kevin Magnussen, que estava estacionada entre a curva final e a entrada dos boxes.

A decisão de fechar os boxes foi emitida pela FIA 11 segundos depois que o safety car saiu, mas a Mercedes não conseguiu identificar e Hamilton entrou nos boxes cerca de 10 segundos depois disso.

Leia também:

Hamilton, posteriormente, recebeu um stop-and-go de 10 segundos que lhe custou uma provável vitória, enquanto Antonio Giovinazzi, da Alfa Romeo, recebeu a mesma penalidade por uma transgressão idêntica.

A Mercedes está criando um novo software que garantirá que seus engenheiros recebam a notificação da mensagem de fechamento dos boxes, tendo até então contado com alguém percebendo isso nas telas de cronometragem.

“Em termos de sequência, havia duas informações para nos dizer que a entrada do pitlane havia sido fechada”, disse o estrategista-chefe da Mercedes, James Vowles, em um vídeo da equipe.

“A primeira era que havia placas ao redor da pista com uma cruz, uma cruz vermelha indicando que esse é o estado, e quando o piloto vê isso, ele sabe que deve ficar na pista".

“A segunda informação é que temos telas de TV diante de nós. Uma delas é chamada de página três e contém uma série de mensagens que a FIA deseja nos enviar. Isso poderia ser uma bandeira amarela ou um safety car implantado, e um deles foi que a entrada do pitlane foi fechada”.

Vowles admitiu que ele, o chefe de engenharia Andrew Shovlin, o diretor esportivo Ron Meadows e outros estavam se concentrando no pit stop iminente e, portanto, perderam a mensagem.

“Esse foi um ponto chave na corrida em que todo o campo teria entrado no pitlane”, disse Vowles. “Lewis veio pedir um jogo diferente de pneus, estávamos revendo se tínhamos tempo ou não, se era a decisão certa ou não”.

“Todas essas conversas duraram apenas alguns segundos, mas todas se somam. O que você não está fazendo particularmente é procurar uma única linha na tela para indicar que a entrada do pitlane foi fechada”.

“Tanto Shov quanto eu passamos por situações semelhantes, 2016 foi a última vez que isso aconteceu no Brasil, aconteceu duas vezes lá, mas estava claro que a entrada do pitlane seria fechada então. Houve um acidente e quase uma grande quantidade de destroços, você não gostaria de entrar no pitlane nessa fase”.

“Isso foi diferente, realmente não nos levou a necessariamente olhar para a tela e procurar por uma única linha que estava escondida entre outras informações e a perdemos. Não demorou muito para percebermos”.

Mesmo assim, a equipe viu a mensagem a tempo de dizer a Valtteri Bottas para ficar na pista. Vowles insistiu que os rivais também demoraram para perceber, mas como seus carros estavam mais para trás, eles foram capazes de dar a seus pilotos as instruções apropriadas.

“Ainda fomos capazes de manter Valtteri fora e, para referência, podemos ouvir do rádio de outra equipe que eles levaram cerca de 10 segundos para perceber isso também e que 10 segundos foi o período crucial em que Lewis estava tão longe na liderança da corrida que ele conseguiu entrar”.

“Com todos os benefícios da visão retrospectiva, sabemos o que faríamos de forma diferente agora. Podemos implementar sistemas em softwares que nos permitirão encontrar e garantir que vejamos essas mensagens críticas em apenas alguns segundos”.

Vowles diz que a equipe não culpa Hamilton por perder os sinais da cruz vermelha no caminho. “Ele estava entrando na Parabolica naquele ponto, ainda em alta velocidade”.

“O piloto está tentando controlar o veículo e justamente naquele ponto também estava baixando para o tempo delta correto para o safety car e se preparando para a parada porque já o havíamos chamado para entrar no pitlane”.

“Havia muita coisa acontecendo para ele, e normalmente não é para olhar para uma placa que está no lado esquerdo da pista”.

“Havia duas placas. A primeira teria sido muito difícil para ele ver, uma estava do lado esquerdo, mas como eu disse, ele estava no controle do veículo olhando para o painel e não a viu”.

“Conforme você se aproxima da entrada do pitlane, se olhar a bordo com Lewis, não há realmente nenhuma indicação naquele ponto de que o pitlane esteja fechado. Não há mais placas, não há luz, não há mais nada para dizer a ele que estaria fechado”.

“Então, da perspectiva dele, teria sido uma decisão muito difícil, apenas uma questão de segundos para olhar para cima, olhar no lugar correto e fazer uma avaliação”.

RETA FINAL: Polêmica com Hamilton, bronca de Norris ‘em’ Stroll e notícias de Gasly, Ferrari e cia

PODCAST: Vitória de Gasly prova que F1 é ambiente 'onde os fracos não têm vez'?

 

compartilhar
comentários
F1: Chefe da Ferrari volta a negar 'crise' apesar de abandono duplo em Monza

Artigo anterior

F1: Chefe da Ferrari volta a negar 'crise' apesar de abandono duplo em Monza

Próximo artigo

F1: Racing Point confirma Vettel como piloto da Aston Martin em 2021

F1: Racing Point confirma Vettel como piloto da Aston Martin em 2021
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Adam Cooper