Fórmula 1
19 set
-
22 set
Evento encerrado
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
14 nov
-
17 nov
Corrida em
17 Horas
:
51 Minutos
:
44 Segundos
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
11 dias

Os motivos do fenômeno Ayrton Senna ter dado tão certo no Brasil

compartilhar
comentários
Os motivos do fenômeno Ayrton Senna ter dado tão certo no Brasil
Por:
, Repórter
1 de mai de 2019 11:22

Conjunturas política e esportiva do País impulsionaram popularidade de um ídolo que orgulhosamente se afirmava brasileiro mundo afora

Ayrton Senna é um dos maiores ídolos da história do Brasil. O piloto já foi considerado o maior herói do esporte nacional em algumas pesquisas e é cultuado mesmo muito tempo depois de sua morte, que completa 25 anos hoje.

A idolatria é tamanha que alcança até quem não acompanha o esporte a motor. A prova foi seu cortejo fúnebre, acompanhado por multidões nas ruas e milhões pela TV. O funeral teve honrarias de chefe de Estado e comoveu fãs de todo o mundo. Ícones da Fórmula 1, como o eterno rival Alain Prost e o amigo Gerhard Berger, fizeram questão de comparecer.

Leia também:

Mas o que elevou Ayrton ao olimpo do esporte brasileiro (além, é claro, de suas proezas na pista, que o transformaram em tricampeão mundial da categoria máxima do automobilismo mundial)? O que fez com que ele fosse elevado ao status de herói nacional de maneira tão indiscutível, mesmo tantos anos depois de seu falecimento? O Motorsport.com Brasil cita três fatores que contribuíram para esse processo. Confira:

Sem concorrência do futebol

Bandeira brasileira

Bandeira brasileira

Photo by: XPB Images

O Brasil é conhecido mundialmente, entre outros aspectos, como o país do futebol. Como todos sabem, o esporte foi inventado na Inglaterra, mas a seleção brasileira passou a ser referência desde a conquista da Copa do Mundo de 1970. Com grandes nomes como Pelé, Garrincha e companhia, o futebol nacional era sinônimo de beleza, plasticidade e sucesso pelo mundo afora.

Entretanto, na época em que Senna emergiu como personalidade do esporte no País, a seleção canarinha estava em baixa. O piloto estreou na F1 em 1984, dois anos depois de uma grande decepção na Copa do Mundo de 1982. Nos dois mundiais seguintes, o time brasileiro fez campanhas ruins e desagradou os torcedores. E no ano em que o tricampeão morreu, as expectativas não eram as melhores para o torneio que seria disputado nos Estados Unidos.

Todos esses aspectos contribuíram pra a consolidação de Senna como ícone do esporte nacional. Ainda mais numa época em que a F1 tinha grande projeção, em virtude dos sucessos anteriores de Emerson Fittipaldi e Nelson Piquet. Tudo isso tornou a morte de Ayrton um grande choque para o povo brasileiro. Meses depois, porém, contra muitas apostas, o Brasil foi tetracampeão, vencendo a Itália nos pênaltis na final da Copa do Mundo. O título foi dedicado ao piloto, em mais uma prova de sua importância para toda a nação.

Tensão político-social

Fernando Collor de Mello

Fernando Collor de Mello

Photo by: Reprodução

Outro aspecto fundamental para entender o status alcançado por Senna é o cenário político em que o Brasil se encontrava nos anos em que ele se tornou famoso. Em seu ano de estreia na F1, 1984, o País vivia a expectativa por uma reabertura democrática, após 21 anos de ditadura militar. A campanha pelas Diretas Já animara grande parte da sociedade, mas o que se viu logo após foi motivo de decepção para o povo brasileiro.

Tancredo Neves morreu, dando lugar a José Sarney na Presidência da República. O político do Maranhão teve um mandato difícil, principalmente no plano econômico. Suas reformas não deram certo. Os mais pobres foram os mais afetados, claro. Mas a situação pioraria com o governante seguinte.

Fernando Collor venceu as eleições diretas de 1989, ano em que Senna defendia seu título contra Prost. O alagoano assumiu o cargo em 1990 e implementou uma série de medidas polêmicas, que desagradaram a opinião pública. Para piorar, um escândalo abateu seu ainda recente governo, culminando no processo de impeachment em 1992.

Durante todo este tempo, Senna e Prost travavam batalhas homéricas na F1, atraindo a atenção de boa parte do público. Em 1990 e 1991, Senna conquistou seus últimos dois títulos mundiais e foi motivo de alegria para muitos brasileiros. A situação do País melhoraria um pouco nos anos seguintes, ao contrário da do piloto. Mas ele já se tornara um ídolo incontestável e a torcida era por alguma proeza frente aos dominantes carros da Williams.

Brasileiro, com muito orgulho, com muito amor

Race winner Ayrton Senna, McLaren MP4/8 Ford

Race winner Ayrton Senna, McLaren MP4/8 Ford

Photo by: LAT Images

Por último, mas não menos importante, está o fato de que Ayrton Senna sempre fez questão de afirmar, em alto e bom som, que era brasileiro. Onde quer que estivesse, o piloto citava seu país de origem com orgulho. Com ele, sempre havia uma bandeira do Brasil, que tantas vezes esvoaçou em suas mãos após alguma vitória com a McLaren.

Senna certamente sabia da baixa auto-estima nacional, mas era inegável o amor que o piloto sentia por seu país. E, independentemente de qual fossem as suas intenções, ele foi um símbolo positivo do Brasil durante anos em que a nação não tinha muito do que se gabar, seja no esporte ou em outras áreas pouco relacionadas, como política, educação, saúde e por aí vai.

O fato é que o tricampeão exerceu um importante papel de herói nacional em tempos difíceis para a sociedade brasileira. Com pouco o que comemorar, o povo ia ao delírio com as ultrapassagens, vitórias e conquistas de Ayrton. E, goste ou não, é inegável que o piloto obteve um sucesso inigualável. E aqui não estamos falando só de esporte. Estamos falando de carisma, compaixão, sensibilidade.

E dedicação: afinal, quem não lembra da memorável vitória de Senna no GP do Brasil de 1991? Com três marchas a menos, ele arrastou a si e sua McLaren até cruzar a linha de chegada, conquistando o triunfo que faltava. Em casa, na frente de seu povo, no circuito de sua cidade. Mesmo paralisado após o fim da corrida, ele fez questão de levantar o troféu em frente à delirante torcida. Precisava mostrar que tinha conseguido o que queria. Vencer no Brasil, finalmente.

Pódio: vencedor da corrida, Ayrton Senna, da McLaren

Pódio: vencedor da corrida, Ayrton Senna, da McLaren

Photo by: Sutton Images

Fenômeno retratado

Confira na galeria abaixo todas as vitórias de Ayrton Senna na F1 em ordem cronológica, o que ajudou a criar o mito que é reverenciado até hoje. 

Galeria
Lista

1 - GP de Portugal, 1985, Estoril

1 - GP de Portugal, 1985, Estoril
1/81

Foto de: LAT Images

Depois da temporada de estreia na F1 pela Toleman em 1984, Senna foi para a Lotus no ano seguinte. Logo na segunda etapa do campeonato, o brasileiro, então com 25 anos, conquistou sua primeira vitória na categoria máxima do automobilismo. Também foi nesta corrida que ele largou da pole position pela primeira vez.

1 - GP de Portugal, 1985, Estoril

1 - GP de Portugal, 1985, Estoril
2/81

Foto de: LAT Images

Na corrida disputada sob chuva em Portugal, Senna mostrou todo o seu talento sobre pista molhada. Ele dominou a prova de ponta à ponta e ganhou com tranquilidade, terminando a uma volta de distância de todos, menos Michele Alboreto.

1 - GP de Portugal, 1985, Estoril

1 - GP de Portugal, 1985, Estoril
3/81

Foto de: LAT Images

O italiano da Ferrari terminou em segundo, seguido pelo francês Patrick Tambay, da Renault. Apenas nove pilotos terminaram oficialmente a prova. Alain Prost, que largara em segundo, rodou na volta 30. Ele conquistaria seu primeiro título naquele ano. Keke Rosberg, terceiro, também abandonou por erro. Niki Lauda e Nelson Piquet tiveram problemas em seus carros.

2 - GP da Bélgica, 1985, Spa-Francorchamps

2 - GP da Bélgica, 1985, Spa-Francorchamps
4/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

O segundo triunfo de Senna na F1 foi seu primeiro na mítica pista belga, na qual ele conquistaria mais quatro vitórias ao longo da carreira. Na chuva, ele largou em segundo para superar o pole Prost por 28 segundos. O francês terminou apenas em terceiro com a McLaren. Entre eles, chegou Nigel Mansell, a bordo da Williams.

3 - GP da Espanha, 1986, Jerez de la Frontera

3 - GP da Espanha, 1986, Jerez de la Frontera
5/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A vitória em Jerez foi a primeira de Senna no seco, já em 1986. A corrida foi bastante disputada. O brasileiro largou da pole, seguido por Piquet, que saíra da Brabham para a Williams, e seu companheiro britânico Nigel Mansell. Piquet, porém, abandonou com problemas no motor Honda.

3 - GP da Espanha, 1986, Jerez de la Frontera

3 - GP da Espanha, 1986, Jerez de la Frontera
6/81

Foto de: XPB Images

A chegada foi emocionante: Senna bateu Mansell por apenas 0s014, como mostra a foto acima. É a 12ª menor diferença da história do automobilismo mundial. Prost completou o pódio em terceiro. A etapa espanhola foi a segunda da temporada, após o GP do Brasil. Prost foi o campeão.

4 - GP de Detroit, 1986, Detroit (EUA)

4 - GP de Detroit, 1986, Detroit (EUA)
7/81

Foto de: LAT Images

Na pista de rua norte-americana, Senna foi soberano. Ele largou da pole, seguido por Mansell e Piquet. Uma vez mais, o brasileiro da Williams abandonaria a prova, que bateu quando liderava.

4 - GP de Detroit, 1986, Detroit (EUA)

4 - GP de Detroit, 1986, Detroit (EUA)
8/81

Foto de: LAT Images

Sem a concorrência de Piquet, que fez a volta mais rápida da prova, Senna pôde vencer com tranquilidade com a Lotus. Ele terminou 31s à frente do segundo colocado Jacques Lafitte, da Ligier. Prost completou o pódio em terceiro, bem próximo do conterrâneo.

5 - GP de Mônaco, 1987, Monte Carlo

5 - GP de Mônaco, 1987, Monte Carlo
9/81

Foto de: LAT Images

Com a Lotus amarela, Senna venceu o primeiro de seus seis GPs de Mônaco em 1987. E o brasileiro contou com quebra do pole e líder Mansell para triunfar. Porém, méritos para Senna, que terminou bem à frente do restante do pelotão, com 33s de vantagem.

5 - GP de Mônaco, 1987, Monte Carlo

5 - GP de Mônaco, 1987, Monte Carlo
10/81

Foto de: LAT Images

Quem terminou em segundo foi Piquet, que aparece ao fundo desta foto entre Senna e Michele Alboreto, que herdou a terceira posição com a Ferrari após quebra da McLaren de Prost, fechando o pódio no Principado. A quinta vitória de Senna chegou justamente em seu GP de nº 50 na F1.

6 - GP de Detroit, 1987, Detroit (EUA)

6 - GP de Detroit, 1987, Detroit (EUA)
11/81

Foto de: LAT Images

Após a vitória em Mônaco, Senna emendou sua primeira sequência de triunfos, em Detroit. O circuito de rua norte-americano foi um dos mais positivos para Senna. Lá, o brasileiro venceu três vezes. Em 1987, Mansell largou da pole, mas teve problemas a bordo da Williams.

6 - GP de Detroit, 1987, Detroit (EUA)

6 - GP de Detroit, 1987, Detroit (EUA)
12/81

Foto de: LAT Images

Com o caminho aberto, Senna liderou com tranquilidade e venceu a prova com uma vantagem de mais de 33s para o segundo colocado Piquet, que conquistaria seu terceiro título mundial naquela temporada. O carioca largara em terceiro, logo atrás do vencedor e de Mansell. Prost completou o pódio. A vitória de Senna foi a última de uma equipe com nome Lotus na F1 até Kimi Raikkonen vencer em Abu Dhabi, em 2012.

7 - GP de San Marino, 1988, Imola

7 - GP de San Marino, 1988, Imola
13/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna também teve sucesso na pista em que faleceria seis anos depois. O brasileiro venceu o GP de San Marino três vezes. A vitória inaugural foi em 1988, em sua primeira temporada na McLaren. A etapa foi a segunda daquele campeonato, após o GP do Brasil, desastroso para Senna.

7 - GP de San Marino, 1988, Imola

7 - GP de San Marino, 1988, Imola
14/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em Imola, porém, deu tudo certo para o brasileiro. Ele largou da pole e liderou toda a corrida, administrando bem a vantagem para o agora companheiro Prost, que largara em segundo e terminou a somente 2s do líder. Piquet, que trocara a Williams pela Lotus, completou o pódio.

8 - GP do Canadá, 1988, Montreal

8 - GP do Canadá, 1988, Montreal
15/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na quinta etapa da temporada 1988, Senna também foi dominante. Ele saiu da pole e foi ultrapassado por Prost, mas recuperou a liderança na volta 19 e não saiu mais da primeira posição, vencendo importante batalha interna.

8 - GP do Canadá, 1988, Montreal

8 - GP do Canadá, 1988, Montreal
16/81

Foto de: Tom Haapanen

Senna comemora a vitória erguendo seu troféu. Prost aparece cabisbaixo em segundo, apesar de ter subido ao pódio pela 60ª vez em sua carreira na F1. Oculto na foto, está o belga Thierry Boutsen, terceiro com a Benetton.

9 - GP de Detroit, 1988, Detroit (EUA)

9 - GP de Detroit, 1988, Detroit (EUA)
17/81

Foto de: LAT Images

Em 1988, Senna venceu consecutivamente pela segunda vez. Em Detroit, foi seu terceiro e último triunfo na carreira. E a corrida norte-americana foi amplamente dominada pelo brasileiro. Ele largou da pole position e dominou de ponta à ponta, vencendo com vantagem de mais de 38s.

9 - GP de Detroit, 1988, Detroit (EUA)

9 - GP de Detroit, 1988, Detroit (EUA)
18/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Nesta foto, Senna é visto em detalhe a bordo da mítica McLaren MP4/4. Com o mesmo carro, Alain Prost foi o segundo em Detroit, após largar em quarto. Boutsen foi o terceiro novamente, de modo que o pódio da etapa dos Estados Unidos foi idêntico ao da corrida anterior, no Canadá.

10 - GP da Grã-Bretanha, 1988, Silverstone

10 - GP da Grã-Bretanha, 1988, Silverstone
19/81

Foto de: LAT Images

Na oitava etapa daquela temporada, Senna venceu sua única corrida no histórico circuito de Silverstone. A prova foi a primeira disputada sob chuva desde o GP da Bélgica de 1985, vencido pelo brasileiro. Na Inglaterra, ele saiu do terceiro posto do grid para subir no lugar mais alto do pódio.

10 - GP da Grã-Bretanha, 1988, Silverstone

10 - GP da Grã-Bretanha, 1988, Silverstone
20/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Logo no começo da prova, Senna ultrapassou as Ferraris de Alboreto e Gerhard Berger, que liderou a dobradinha do time de Maranello no treino classificatório. Daí em diante, o brasileiro rumou tranquilo para a vitória, com vantagem de 23s para Mansell, segundo colocado com a Williams. O italiano Alessando Nannini foi o terceiro com a Benetton, em seu primeiro pódio na F1.

11 - GP da Alemanha, 1988, Hockenheim

11 - GP da Alemanha, 1988, Hockenheim
21/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

No rápido circuito de Hockenheim, Senna saiu da pole position para vencer com tranquilidade na chuva, apesar de diferença 'pequena'. O brasileiro cruzou a linha de chegada com mais de 13s de vantagem para Prost.

11 - GP da Alemanha, 1988, Hockenheim

11 - GP da Alemanha, 1988, Hockenheim
22/81

Foto de: XPB Images

Além da dupla da McLaren, que já liderava o Mundial de Construtores com folga, quem subiu ao pódio foi Berger, com a Ferrari. O austríaco chegou a ultrapassar Prost na largada, mas acabou sendo superado pelo francês.

12 - GP da Hungria, 1988, Hungaroring

12 - GP da Hungria, 1988, Hungaroring
23/81

Foto de: XPB Images

A etapa húngara marcou a primeira vez que Senna chegou a três vitórias consecutivas em sua carreira. A corrida também daria ao brasileiro os ponto que o deixariam empatado com Prost na liderança do Mundial.

12 - GP da Hungria, 1988, Hungaroring

12 - GP da Hungria, 1988, Hungaroring
24/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A foto acima mostra Senna na chuva nos treinos, mas a corrida foi disputada no seco. O brasileiro largou da pole e liderou toda a prova, mas teve de se defender de ataques das Williams no meio da corrida. Na parte final, foi atacado por Prost, mas se defendeu bem para vencer por 0s5. Uma vez mais, Boutsen foi o terceiro colocado.

13 - GP da Bélgica, 1988, Spa-Francorchamps

13 - GP da Bélgica, 1988, Spa-Francorchamps
25/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A vitória em Spa foi a quarta consecutiva naquela temporada. Na etapa belga, ele cravou a pole novamente. Na largada, porém, Prost ultrapassou o brasileiro, que logo recuperou a liderança da corrida.

13 - GP da Bélgica, 1988, Spa-Francorchamps

13 - GP da Bélgica, 1988, Spa-Francorchamps
26/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna venceria a prova com tranquilidade. Ele cruzou a linha de chegada com mais de 30s de vantagem para Prost. Sabedor de que o brasileiro vinha copiando seus ajustes no carro, o francês fez alterações de última hora antes do GP, mas sua McLaren piorou e ele não pôde brigar pela vitória.

14 - GP do Japão, 1988, Suzuka

14 - GP do Japão, 1988, Suzuka
27/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A etapa japonesa, penúltima da temporada, confirmaria o primeiro título mundial de Senna. Para variar, ele cravou a pole position, a 0s324 do rival e concorrente Prost, na 11ª dobradinha da McLaren em 1988. Na largada, porém, o brasileiro teve falha do motor, caindo para o meio do grid, em 14º. No tranco, ele conseguiu fazer o MP4/4 funcionar e foi à caça de Prost.

14 - GP do Japão, 1988, Suzuka

14 - GP do Japão, 1988, Suzuka
28/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Depois da dificuldade, Senna fez uma grande corrida de recuperação. Seus primeiros giros foram avassaladores: completou a primeira volta em 8º; a segunda em 6º; a terceira em 5º; a quarta em 4º; e na 11ª já era 3º. Com a quebra de Ivan Capelli no 19º giro, subiu para segundo e colou em Prost. Na 27ª volta, ultrapassou o rival, que ainda tentou espremê-lo na área de escape da mureta dos boxes, em vão. Vitória e 1º título mundial de Senna na F1. Prost ficou em segundo e Boutsen em terceiro, de novo.

15 - GP de San Marino, 1989, Imola

15 - GP de San Marino, 1989, Imola
29/81

Foto de: LAT Images

Após mais uma decepção na abertura da temporada, no Brasil, Senna se reabilitou na etapa seguinte, em Imola, assim como em 1989. O GP de San Marino daquele ano, aliás, teve forte batida de Berger na Tamburello, curva em que Senna morreria em 1994.

15 - GP de San Marino, 1989, Imola

15 - GP de San Marino, 1989, Imola
30/81

Foto de: LAT Images

Senna saiu da pole e se distanciou na ponta, até a corrida ser interrompida pelo acidente de Berger. Na relargada, Prost passou o brasileiro. Senna, porém, recuperou a ponta para vencer pela segunda vez no circuito em que morreria. Nannini foi o terceiro.

16 - GP de Mônaco, 1989, Monte Carlo

16 - GP de Mônaco, 1989, Monte Carlo
31/81

Foto de: LAT Images

Em mais um triunfo no Principado, Senna saiu da pole novamente, seguido por Alain Prost e Boutsen, agora na Williams. O brasileiro abriu grande distância e venceu com mais de 50s de vantagem.

16 - GP de Mônaco, 1989, Monte Carlo

16 - GP de Mônaco, 1989, Monte Carlo
32/81

Foto de: LAT Images

A foto mostra Senna extenuado no pódio. Segundo o brasileiro, sua McLaren perdeu as duas primeiras marchas no fim da prova e ele disfarçou para que Prost não percebesse e fosse em busca da vitória. Stefano Modena, italiano da Brabham, foi o terceiro. O pódio foi o último da história da lendária equipe na Fórmula 1.

17 - GP do México, 1989, Cidade do México

17 - GP do México, 1989, Cidade do México
33/81

Foto de: LAT Images

A vitória no Hermanos Rodríguez foi sua única no México. Mas veio em grande estilo. Uma vez mais, Senna saiu da pole position e dominou toda a corrida. Prost até tentou atacar, mas a McLaren confundiu pneus em um pit stop e o francês acabou ficando para trás, terminando apenas em quinto após largar em segundo.

17 - GP do México, 1989, Cidade do México

17 - GP do México, 1989, Cidade do México
34/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna comemora a vitória no alto do pódio. Completando os três primeiros colocados, vieram os italianos Riccardo Patrese, com a Williams, e Michele Alboreto, na Tyrrell, em seu último top-3.

18 - GP da Alemanha, 1989, Hockenheim

18 - GP da Alemanha, 1989, Hockenheim
35/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna chegou à etapa alemã, nona da temporada, tendo abandonado as quatro últimos. O retrospecto não abalou o brasileiro, que cravou a pole position em Hockenheim. Ele largou bem e manteve a liderança, mas a McLaren errou no pit stop e Prost assumiu a liderança na volta 19.

18 - GP da Alemanha, 1989, Hockenheim

18 - GP da Alemanha, 1989, Hockenheim
36/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

O erro da equipe nos boxes deixou Senna ainda mais determinado a vencer. Ele pisou fundo e foi à caça do rival. Na penúltima volta, o brasileiro fez a ultrapassagem para ganhar o GP. Mansell, que fora para a Ferrari, foi ao seu 30º pódio, 40º da carreira de Senna.

19 - GP da Bélgica, 1989, Spa-Francorchamps

19 - GP da Bélgica, 1989, Spa-Francorchamps
37/81

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

Na etapa da Bélgica, Senna cravou a pole position mais uma vez, à frente de Alain Prost. Na chuva, o brasileiro liderou de ponta à ponta, assim como fizera em 1985, em sua primeira vitória em Spa.

19 - GP da Bélgica, 1989, Spa-Francorchamps

19 - GP da Bélgica, 1989, Spa-Francorchamps
38/81

Foto de: XPB Images

Apesar da vitória, Senna venceu com apenas 1s304 de vantagem para Prost. Mansell fechou o pódio novamente. Na foto, o então presidente da FIA, o francês Jean-Marie Balestre, aparece ao centro.

20 - GP da Espanha, 1989, Jerez de la Frontera

20 - GP da Espanha, 1989, Jerez de la Frontera
39/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A etapa espanhola aconteceu logo após o GP de Portugal, em que Mansell bateu em Senna. O britânico foi suspenso e não correu em Jerez. Uma vez mais, o brasileiro fez a pole, desta vez à frente de Berger. Prost largou em terceiro. Os três primeiros terminaram a corrida nas mesmas posições do grid de largada.

20 - GP da Espanha, 1989, Jerez de la Frontera

20 - GP da Espanha, 1989, Jerez de la Frontera
40/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Os três primeiros terminaram a corrida nas mesmas posições do grid de largada. A vitória foi tranquila para Senna, que terminou a corrida com mais de 27s de vantagem para Prost. O GP da Espanha seria o último concluído pelo francês com a McLaren. Na etapa seguinte, no Japão, ele jogaria sua McLaren sobre a de Senna após a largada para garantir seu terceiro título antes de ir para a Ferrari.

21 - GP dos Estados Unidos, 1990, Phoenix

21 - GP dos Estados Unidos, 1990, Phoenix
41/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na etapa de abertura da temporada 1990, Senna conquistaria sua 21ª vitória na Fórmula 1. Desta vez, porém, ele não largou da pole. O brasileiro saiu da quinta posição do grid, que tinha Berger como pole position, agora ao lado de Senna com a McLaren.

21 - GP dos Estados Unidos, 1990, Phoenix

21 - GP dos Estados Unidos, 1990, Phoenix
42/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Berger teve problemas e acabou abandonando. O líder era Jean Alesi, que tinha feito ótima largada com a Tyrrell. Senna tinha ganhado posições e foi ao ataque do francês, ultrapassando-o na volta 35. Boutsen fechou o top-3 na Williams. O pódio foi o primeiro da carreira de Alesi, que estreara na F1 em 1989.

22 - GP de Mônaco, 1990, Monte Carlo

22 - GP de Mônaco, 1990, Monte Carlo
43/81

Foto de: LAT Images

Em sua terceira vitória no Principado, Senna foi absoluto. Fez a pole position, liderou do início ao fim e fez a volta mais rápida da prova, aumentando seu reinado no mítico circuito de rua monegasco.

22 - GP de Mônaco, 1990, Monte Carlo

22 - GP de Mônaco, 1990, Monte Carlo
44/81

Foto de: LAT Images

Senna venceu a corrida com pouco mais de 1s de vantagem para Alesi. Companheiro do brasileiro na McLaren, Berger fechou o pódio em terceiro. Prost, que largou em segundo com a Ferrari, abandonou na volta 30 em virtude de problema com a bateria.

23 - GP do Canadá, 1990, Montreal

23 - GP do Canadá, 1990, Montreal
45/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na sua segunda e última vitória em Montreal, Senna liderou dobradinha da McLaren no treino classificatório, à frente de Berger. No começo do GP, o brasileiro manteve o primeiro posto, mas o austríaco tomou punição de 1min por queimar largada. Senna, então, deixou Berger passar para que o companheiro tentasse compensar o tempo adicionado.

23 - GP do Canadá, 1990, Montreal

23 - GP do Canadá, 1990, Montreal
46/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A estratégia funcionou e Berger terminou em primeiro, mas foi para quarto com a adição do minuto. Senna ficou com o lugar mais alto do pódio, à frente de Piquet, com a Benetton, em seu primeiro top-3 desde a Austrália-88. Mansell ficou em terceiro com a Ferrari.

24 - GP da Alemanha, 1990, Hockenheim

24 - GP da Alemanha, 1990, Hockenheim
47/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em sua terceira e última vitória em Hockenheim, Senna saiu da pole position, seguido pelo escudeiro Berger e Nannini, companheiro de Piquet na Benetton.

24 - GP da Alemanha, 1990, Hockenheim

24 - GP da Alemanha, 1990, Hockenheim
48/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna controlou bem a corrida e cruzou a linha de chegada com mais de 6s de vantagem para Nannini. O italiano superou Berger, que terminou em terceiro com a McLaren na Alemanha. O pódio foi o 50º da carreira do brasileiro na Fórmula 1.

25 - GP da Bélgica, 1990, Spa-Francorchamps

25 - GP da Bélgica, 1990, Spa-Francorchamps
49/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A vitória foi a quarta de Senna em Spa e a terceira em três anos. A largada, porém, foi complicada. Foram necessárias três tentativas, já que batidas ocasionaram bandeiras vermelhas nas duas primeiras. Nada que impedisse a vitória do brasileiro, numa estatística inédita de três poles seguidas de vitórias na mesma pista. Foi o 25º triunfo de Senna na Fórmula 1.

25 - GP da Bélgica, 1990, Spa-Francorchamps

25 - GP da Bélgica, 1990, Spa-Francorchamps
50/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Ele venceu com relativa tranquilidade, cruzando a linha de chegada com mais de 3s5 de vantagem para Prost, que largou em terceiro mas terminou em segundo com a Ferrari. Ele ultrapassou Berger, seu substituto na McLaren, que ficou em terceiro.

26 - GP da Itália, 1990, Monza

26 - GP da Itália, 1990, Monza
51/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em sua primeira vitória no clássico Autódromo de Monza, que mais recebeu corridas da Fórmula 1, Senna foi dominante. Cravou a pole, liderou do início ao fim e fez a volta mais rápida da prova, alcançando o 'Grand Slam'. Ele venceu com 6s de vantagem para Prost. Berger fechou novamente em terceiro com a McLaren. O destaque negativo do GP foi o acidente de Derek Warwick, da Lotus.

26 - GP da Itália, 1990, Monza

26 - GP da Itália, 1990, Monza
52/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Foi a última vitória do brasileiro na temporada 1990, que o consagraria como bicampeão. Com o triunfo em Monza, ele abriu 16 pontos de vantagem para Prost no Mundial. Na época, a diferença era grande, já que o primeiro lugar ganhava nove pontos. Na etapa seguinte, Senna terminaria em segundo, à frente de Prost. Na Espanha, o francês venceu e o rival abandonou. No Japão, porém, Senna revidou a batida do ano anterior e se chocou com a Ferrari de Prost para tirar as chances de título do piloto francês.

27 - GP dos Estados Unidos, 1991, Phoenix

27 - GP dos Estados Unidos, 1991, Phoenix
53/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Logo na abertura da temporada 1991, Senna conquistou mais uma vitória, sua segunda e última em Phoenix. O GP foi o último dos Estados Unidos até 2000. Senna fez a pole position e liderou de ponta à ponta, com grande tranquilidade.

27 - GP dos Estados Unidos, 1991, Phoenix

27 - GP dos Estados Unidos, 1991, Phoenix
54/81

Foto de: LAT Images

O brasileiro venceu a corrida com 16s de vantagem para Prost, segundo com a Ferrari. Piquet fechou o pódio com a Benetton. A temporada 1991 seria a última do carioca na F1. Já a corrida nos EUA marcou a estreia do finlandês Mika Hakkinen, na Lotus. Mais tarde, ele seria companheiro de Senna e bicampeão da F1.

28 - GP do Brasil, 1991, Interlagos

28 - GP do Brasil, 1991, Interlagos
55/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A 28ª vitória de Senna na F1 provavelmente foi a sua mais marcante, já que ele finalmente conseguiu triunfar na etapa de sua terra natal. Depois de sucessivas decepções em Interlagos, o brasileiro finalmente conseguiu vencer a corrida de seu país, em sua oitava temporada na categoria máxima do automobilismo.

28 - GP do Brasil, 1991, Interlagos

28 - GP do Brasil, 1991, Interlagos
56/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna saiu da pole e liderou do início ao fim, mas teve de superar problemas no câmbio para vencer de forma heroica. Na parte final da prova, ele perdeu a quarta marcha. Pouco depois, o brasileiro perdeu a quinta e a terceira marchas, tendo que fazer milagre com a sexta velocidade para levar a McLaren até o final. Por sorte, as Williams também tiveram problemas e Senna conseguiu sustentar a vitória, cruzando a linha de chegada a 2s9 de Patrese. Berger fechou o pódio. Após o fim da corrida, Senna estava exausto e precisou de ajuda para sair do carro. Com muitas dores, o piloto quase derrobou o troféu na premiação. Ele precisou da ajuda dos colegas para levantar o caneco em celebração à tão sonhada vitória no Brasil. Cena épica do automobilismo mundial.

29 - GP de San Marino, 1991, Imola

29 - GP de San Marino, 1991, Imola
57/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em 1991, Senna conquistou sua terceira e última vitória no circuito em que morreria a bordo da Williams três anos mais tarde. O brasileiro fez a pole, mas foi ultrapassado por Patrese no atribulado começo da corrida. O italiano teve problemas nos boxes e acabou abandonando. Senna reassumiu a ponta e a sustentou até o fim.

29 - GP de San Marino, 1991, Imola

29 - GP de San Marino, 1991, Imola
58/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Apesar de problemas com a pressão de óleo do motor V12, o brasileiro terminou 1s6 à frente do companheiro Berger, que tinha um carro e melhor e fez a volta mais rápida da prova. O finlandês JJ Lehto terminou em terceiro, em seu primeiro e único pódio na F1 com a Dallara. O top-3 foi o segundo e último da equipe.

30 - GP de Mônaco, 1991, Monte Carlo

30 - GP de Mônaco, 1991, Monte Carlo
59/81

Foto de: LAT Images

Na quarta etapa da temporada 1991, Senna emplacou sua quarta vitória consecutiva, abrindo grande vantagem no Mundial. Ele largou da pole com a McLaren e liderou do início ao fim para cruzar a linha de chegada em primeiro. Foi seu terceiro triunfo consecutivo no Principado de Mônaco, onde Ayrton é o rei até a atualidade. Aquela vitória foi a 30ª da carreira do então bicampeão da F1.

30 - GP de Mônaco, 1991, Monte Carlo

30 - GP de Mônaco, 1991, Monte Carlo
60/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

O brasileiro venceu com grande vantagem de mais de 18s para Mansell, que terminou em segundo. O 'Leão' voltara à Williams no começo de 1991. Jean Alesi foi o terceiro com a Ferrari. Prost terminou em quinto, atrás do brasileiro Roberto 'Pupo Moreno, que fez grande corrida a bordo da Benetton, na qual corri com Piquet.

31 - GP da Hungria, 1991, Hungaroring

31 - GP da Hungria, 1991, Hungaroring
61/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Em sua segunda e penúltima vitória na etapa húngara, Senna largou da pole e liderou do início ao fim, mas teve de segurar a pressão das Williams de Patrese e Mansell no Hungaroring. Importante triunfo para Senna, que não vencera as quatro corridas anteriores na temporada 1991. Elas não fariam falta.

31 - GP da Hungria, 1991, Hungaroring

31 - GP da Hungria, 1991, Hungaroring
62/81

Foto de: LAT Images

O brasileiro cruzou a linha de chegada com vantagem de 4s5 para o britânico, que superou o companheiro de equipe. Patrese largou em segundo mas terminou em terceiro na Hungria.

32 - GP da Bélgica, 1991, Spa-Francorchamps

32 - GP da Bélgica, 1991, Spa-Francorchamps
63/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Depois de voltar a vencer na Hungria, nada melhor que Spa para emendar uma sequência vitoriosa. Em 1991, Senna venceu sua quinta corrida na Bélgica, a quarta de forma consecutiva. A corrida marcou a estreia de Michael Schumacher na F1 com a Jordan e teve a primeira e única volta mais rápida de Pupo Moreno na categoria.

32 - GP da Bélgica, 1991, Spa-Francorchamps

32 - GP da Bélgica, 1991, Spa-Francorchamps
64/81

Foto de: Ercole Colombo

Senna saiu da pole e liderou até a primeira parada, antes de perder a ponta para Mansell. O 'Leão' acabou tendo problemas eletrônicas com a Williams e abandonou. Alesi assumiu a ponta mas também quebrou, então Senna foi para a ponta. Ele liderou o pelotão da frente e venceu com 1s9 de vantagem para Berger. Piquet foi o terceiro com a Benetton em seu 60º e último pódio na F1.

33 - GP da Austrália, 1991, Adelaide

33 - GP da Austrália, 1991, Adelaide
65/81

Foto de: LAT Images

Senna chegou à última corrida da temporada já como tricampeão mundial. Na etapa anterior, no Japão, ele liderava, mas o segundo lugar já garantia o tri e o brasileiro deixou Berger passar para sua primeira vitória na F1. No fechamento de 91, porém, Senna foi o grande vencedor sob grande chuva em Adelaide.

33 - GP da Austrália, 1991, Adelaide

33 - GP da Austrália, 1991, Adelaide
66/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna saiu da pole, sua 60ª, e liderou quase toda a corrida. Mansell chegou a completar uma ultrapassagem, mas teve de frear por causa de carros batidos na pista. O próprio britânico sofreu grave acidente, que levaria a direção de prova a encerrar o GP. Senna ficou em primeiro, com o 'Leão' em segundo e Berger em terceiro. A etapa australiana foi a 204ª e última de Nelson Piquet na F1.

34 - GP de Mônaco, 1992, Monte Carlo

34 - GP de Mônaco, 1992, Monte Carlo
67/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Apesar do tri no ano anterior, Senna não pôde brigar pelo título em 1992, em que a Williams foi absurdamente dominante. O brasileiro, porém, conseguiu descolar algumas vitórias. A primeira foi em seu circuito 'preferido'. A etapa foi a sexta daquela temporada.

34 - GP de Mônaco, 1992, Monte Carlo

34 - GP de Mônaco, 1992, Monte Carlo
68/81

Foto de: LAT Images

Mansell largou da pole, Patrese segundo e Senna terceiro. O brasileiro passou o italiano na largada e ficou atrás do britânico por boa parte da prova. A oito voltas do fim, Mansell teve problema na roda e foi para os boxes, legando a ponta a Senna. O 'Leão' voltou voando e colou em Senna nas últimas três voltas, mas não conseguiu passar. Patrese ficou em terceiro com a outra Williams.

35 - GP da Hungria, 1992, Hungaroring

35 - GP da Hungria, 1992, Hungaroring
69/81

Foto de: LAT Images

A vitória na Hungria em 1992 foi a terceira e última de Senna no País. Ele também venceu a etapa em 1988 e 1991, anos que marcaram seu primeiro e seu último título na Fórmula 1.

35 - GP da Hungria, 1992, Hungaroring

35 - GP da Hungria, 1992, Hungaroring
70/81

Foto de: LAT Images

Em seu segundo triunfo na temporada 1992, Senna saiu do terceiro lugar do grid de largada para cruzar a linha de chegada em primeiro. Patrese fez sua oitava e última pole e liderava com a Williams, mas seu motor Renault quebrou na volta 55. Campeão daquele ano, Mansell largou em segundo, sua posição final, e Berger fechou o pódio com a outra McLaren.

36 - GP da Itália, 1992, Monza

36 - GP da Itália, 1992, Monza
71/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A vitória em Monza foi a terceira e última de Senna na temporada 1992. Também foi o último triunfo do brasileiro no GP da Itália. Mansell foi o pole e vinha bem, mas abandonou na volta 41. Senna largara em segundo e ficou atrás de Patrese, que teve problemas a seis voltas do fim e teve de deixar o tricampeão passar. Martin Brundle e Schumacher completaram o pódio com a Benetton.

37 - GP do Brasil, 1993, Interlagos

37 - GP do Brasil, 1993, Interlagos
72/81

Foto de: LAT Images

A vitória em 1993 foi sua segunda e última em sua terra natal. Também foi o primeiro de cinco triunfos na temporada 1993. Ele largou em terceiro, atrás das Williams, que fizeram uma dobradinha com seus novos pilotos: Prost, de volta à F1, e Damon Hill.

37 - GP do Brasil, 1993, Interlagos

37 - GP do Brasil, 1993, Interlagos
73/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

O GP começou no seco mas uma forte chuva mudou tudo. Na volta 30, Christian Fittipaldi bateu com a sua Footwork. Logo após, Prost perdeu o controle de sua Williams e bateu no carro da brasileiro, também abandonando. Com isso, Hill assumiu a ponta, seguido por Senna. A chuva parou, a pista começou a secar e os pilotos tiveram de trocar pneus, mas o brasileiro passou o líder antes do pit stop para se firmar na frente e vencer. Schumacher foi o terceiro. A vitória de Senna foi a última de um local no Brasil até 2006, quando Felipe Massa venceu o GP em sua temporada de estreia pela Ferrari.

38 - GP da Europa, 1993, Donington Park

38 - GP da Europa, 1993, Donington Park
74/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Na corrida seguinte, na Inglaterra, Senna deu um show. No único GP disputado em Donington, o brasileiro mostrou que era imbatível na chuva. Ele se classificou em quarto e caiu para quinto na largada, mas já liderava ao fim da primeira volta. Em giro arrasador, Senna passou Schumacher da Benetton, Karl Wendlinger, Prost e Hill para assumir a ponta, da qual não saiu mais, exceto nos pit stops.

38 - GP da Europa, 1993, Donington Park

38 - GP da Europa, 1993, Donington Park
75/81

Foto de: LAT Images

Com 1min23s de vantagem para o britânico, Senna venceu a corrida em que fez “a melhor primeira volta da história". Completando o pódio em terceiro, Prost tomou volta do rival. Nesta prova, o brasileiro também fez seu 19º e último giro mais rápido.

39 - GP de Mônaco, 1993, Monte Carlo

39 - GP de Mônaco, 1993, Monte Carlo
76/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A antepenúltima vitória de Senna na Fórmula 1 veio no circuito em que o brasileiro foi mais dominante. O triunfo de 1993 foi o sexto do tricampeão no Principado, quinto consecutivo. E ele saiu em terceiro, atrás da Williams de Prost e da Benetton de Schumacher. O francês queimou a largada e foi punido com um stop-and-go e teve problemas na saída do pit, perdendo muito tempo. Já Schumacher teve um problema hidráulico e abandonou na volta 32.

39 - GP de Mônaco, 1993, Monte Carlo

39 - GP de Mônaco, 1993, Monte Carlo
77/81

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

Com os problemas dos dois rivais, Senna ficou com o caminho livre para mais uma vitória no Principado. Hill chegou em segundo com a Williams e Alesi completou o pódio com a Ferrari.

40 - GP do Japão, 1993, Suzuka

40 - GP do Japão, 1993, Suzuka
78/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

A penúltima vitória de Senna veio em Suzuka, palco de grandes episódios de sua carreira. Depois de conquistar o tetra na etapa anterior, em Portugal, Prost fez sua 33ª e última pole no Japão, à frente de Senna. Em corrida marcada pela alternância de chuva e sol, os rivais trocaram de posições algumas vezes por causa das trocas de pneus, mas o francês optou por não forçar no fim do GP.

40 - GP do Japão, 1993, Suzuka

40 - GP do Japão, 1993, Suzuka
79/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Depois da briga estratégica pela ponta, Senna ficou em primeiro e não foi ameaçado pelo rival. Acabou vencendo com mais de 11s de vantagem. Terceiro, Hakkinen foi ao seu primeiro pódio na F1.

41 - GP da Austrália, 1993, Adelaide

41 - GP da Austrália, 1993, Adelaide
80/81

Foto de: LAT Images

A derradeira vitória de Senna veio em sua última corrida pela McLaren. A prova também marcou a despedida de Prost da F1. Patrese, então recordista de GPs, com 256, também se aposentou depois da etapa australiana, assim como Derek Warwick. A suspensão ativa também se despedia, proibida de 1994 em diante. O triunfo de Senna foi o último de um brasileiro até Rubens Barrichello ganhar o GP da Alemanha de 2000 com a Ferrari.

41 - GP da Austrália, 1993, Adelaide

41 - GP da Austrália, 1993, Adelaide
81/81

Foto de: Sutton Motorsport Images

Senna cravou a pole pela primeira vez desde o Canadá-92. Na terceira tentativa, a largada finalmente deu certo e o brasileiro manteve a ponta. Ele liderou do início ao fim, exceto quando fez seus pit stops. Prost deu adeus à F1 do segundo lugar do pódio. Em 1994, Senna assumiu seu lugar na Williams. Hill foi o terceiro.

Próximo artigo
Entenda os bastidores da transmissão da Globo do fatídico 1º de maio

Artigo anterior

Entenda os bastidores da transmissão da Globo do fatídico 1º de maio

Próximo artigo

Relembre todas as 41 vitórias de Ayrton Senna na Fórmula 1

Relembre todas as 41 vitórias de Ayrton Senna na Fórmula 1
Carregar comentários