Kubica diz que Fórmula E é como "transar com boneca inflável" e di Grassi rebate: "Algo de errado com ele"

Pilotos ex-Fórmula 1 'trocaram farpas' após críticas do polonês à categoria elétrica de monopostos, com a qual brasileiro é intimamente ligado desde sempre

Podium: Race winner Lucas di Grassi, Manor Motorsport; second place Robert Kubica, Carlin; third place Sebastian Vettel, ASM F3

LAT Images

Ex-Fórmula 1 e vencedor de um GP na elite global do esporte a motor, o polonês Robert Kubica, que atualmente disputa o Campeonato Mundial de Endurance (WEC, na sigla em inglês), afirmou que guiar um carro da Fórmula E é como "transar com uma boneca inflável". A afirmação, porém, foi rebatida pelo brasileiro Lucas di Grassi, campeão da F-E e presente no grid da categoria elétrica desde a sua criação: “Se ele sabe como é [transar com boneca inflável], há algo de errado com ele”.

O editor recomenda:

A 'troca de farpas' vem após críticas de Kubica à F-E em entrevista ao podcast Gurulandia. “Pilotar lá é como transar com uma boneca inflável. Não sou contra ter carros elétricos numa pista. Recebi diversas propostas, recusei muito dinheiro. Para mim carro de corrida precisa fazer barulho. Sempre lembrarei do cheiro que senti quando estava parado no pitlane em 2006 e [Fernando] Alonso passou por mim na Renault”, disse o vencedor do GP do Canadá de 2008 com a BMW-Sauber.

Robert testou carros da F-E em 2017 e 2020. Questionado pelo e-FormulaNews sobre as declarações de Kubica, di Grassi respondeu: “Primeiramente, não sei como é transar com uma boneca inflável. Se ele sabe como é, há algo de errado com ele. Robert é um cara legal. Nos conhecemos bem, corremos juntos no kart. Quando ele quebrou a mão [na F3 Europeia], eu o substituí na Prema. No entanto, é obviamente um comentário infeliz para um cara como Robert".

Nico Hulkenberg (Williams) e Lucas di Grassi (Virgin) sentados mais acima em relação a Heikki Kovalainen (Lotus), Sebastian Vettel (Red Bull) e Robert Kubica (Renault) no GP do Bahrein de 2010

Nico Hulkenberg (Williams) e Lucas di Grassi (Virgin) sentados mais acima em relação a Heikki Kovalainen (Lotus), Sebastian Vettel (Red Bull) e Robert Kubica (Renault) no GP do Bahrein de 2010

Di Grassi está na F-E desde a criação da categoria, em 2014, e foi o campeão de 2016/17. “Robert tentou entrar na F-E e talvez não tenha funcionado para ele porque o volante é extremamente pesado... não sei”, analisou Lucas, deixando implícita a dificuldade de Kubica com o braço direito após acidente sofrido num rali em 2011, que o tirou da F1. “Se ele está dizendo coisas ruins sobre a F-E, talvez esteja um pouco frustrado por nunca ter competido lá”, provocou Lucas, também ex-F1.

“Independentemente de a F-E ser como uma boneca inflável ou não, gera muitos empregos para pilotos e membros de equipe. Em termos de salários de pilotos, é a segunda maior categoria do mundo, atrás da F1. Adoraria explicar a ele como é o ‘sexo com uma boneca inflável'."

Os bastidores da entrevista exclusiva com Toto Wolff

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 integra grupo da FIA que vai estudar viabilidade do hidrogênio no automobilismo
Próximo artigo Fórmula E: Confira horários e como assistir ao ePrix da Cidade do México, abertura da temporada 2024

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil