IndyCar anuncia estreia da unidade híbrida em julho; saiba mais

Num esforço colaborativo de Chevrolet, Honda e categoria, a unidade de potência apresenta o atual motor V6 biturbo de 2.2L combinado com impulsão elétrica

Scott McLaughlin, Team Penske Chevrolet

Foto de: Phillip Abbott / Motorsport Images

A IndyCar anunciou que sua era híbrida será lançada na nona rodada da temporada 2024, em Mid-Ohio, de 5 a 7 de julho. Num esforço colaborativo entre Chevrolet, Honda e a própria categoria, a unidade de potência única e inédita apresenta o atual motor V6 biturbo de 2.2L combinado com impulsão elétrica.

O editor recomenda:

Nos testes do novo 'motor', um total de 23.518 milhas foram percorridas por 28 pilotos desde 16 de agosto de 2023. “A força desta parceria inédita entre Chevrolet e Honda impulsionou este projeto inovador para o grid em 2024”, disse o presidente da competição, Jay Frye.

“A unidade de potência híbrida específica da IndyCar trará um elemento novo e emocionante para a categoria, com energia adicional e opções de ultrapassagem. Mal podemos esperar para ver o início desta nova era em Mid-Ohio”, seguiu. O motor híbrido contará com botões de ultrapassagem adicionais (push-to-pass) que permitirão aos pilotos mais cenários e controle, o que deverá melhorar a competição na pista. 

O sistema inovador é composto pela Unidade Motor Geradora (MGU) de baixa tensão (48V) e pelo Sistema de Armazenamento de Energia (ESS) – composto por 20 ultracapacitores – ambos cabendo dentro de um espaço localizado entre o motor de combustão interna e a caixa de câmbio. Durante a regeneração, atuando no eixo da embreagem, o MGU acumula energia para ser armazenada no ESS. A potência adicional é distribuída através do mesmo motor-gerador conforme a demanda do piloto.

Durante as competições, as opções de regeneração automática acontecerão através da frenagem ou da posição do acelerador, com regeneração manual através de borboletas e botões selecionados no volante.

Porém, o uso da energia armazenada só estará disponível manualmente, o que acontecerá por meio de um botão de semelhante ao do atual sistema de ultrapassagem. De acordo com o comunicado de imprensa, “embora estejam disponíveis para uso além do tradicional sistema push-to-pass da IndyCar em circuitos permanentes e de rua, os dois sistemas virão com regras diferentes. O push-to-pass ainda terá uma restrição na quantidade de tempo de uso e no tempo total de uso ao longo de uma corrida".

"As regras para a unidade de potência híbrida limitarão a quantidade de energia aplicada por volta -- com base no comprimento da pista. Usado em combinação em circuitos permanentes e de rua, o impulso adicional fornecerá 120 cavalos de potência extra, para um total de mais de 800 cavalos, pela primeira vez em duas décadas. Espera-se potência adicional nos próximos anos, à medida que o desenvolvimento de unidades híbridas evolui.”

Os elementos de segurança incluem um sistema de baixa tensão e a possibilidade de os pilotos religarem o carro sem ajuda em caso de rodarem ou de parada do motor, o que evitará a necessidade da equipe de segurança da IndyCar ser mobilizada.

“A introdução da tecnologia híbrida oferece uma oportunidade para integrar tecnologias de eletrificação na IndyCar”, destaca Eric Warren, diretor executivo da General Motors (dona da Chevrolet) para esportes motorizados.

“Durante o desenvolvimento de qualquer nova tecnologia, análises e testes extensivos são feitos para identificar o maior número possível de problemas. Apoiamos as decisões da Indy neste processo para estudar cuidadosamente os dados dos testes e garantir que, quando a tecnologia híbrida for integrada, a operação e o desempenho sejam exatamente o esperado. Esta abordagem deu à Indy e aos fabricantes de motores a oportunidade de garantir que o alto nível de competição continue ininterrupto.”

David Salters, presidente da Honda Racing Corporation USA, diz: “A tecnologia híbrida tem papel cada vez maior em nossos programas de corrida e nos veículos de produção criados por Honda e Acura. Mais de 1/4 das vendas totais da Honda em 2023 -- quase 300.000 veículos -- foram Honda CR-V e híbridos Accord. A eletrificação na Indy em Mid-Ohio alinha ainda mais nossos esforços com a produção de carros da Honda, já que temos várias instalações de fabricação e P&D em Ohio, com 13.000 pessoas lá".

“Esta é uma tecnologia nova e excitante e, como todas as coisas novas, representou desafios para nós da HRC, à medida que intervimos com nossos concorrentes para ajudar a Indy a tornar o sistema híbrido compacto, poderoso, leve e confiável o suficiente para funcionar dentro do limite de um chassi da Indy. Temos orgulhoso do trabalho de nossos associados no desenvolvimento do pacote de supercapacitores e do software de controle do sistema."

"Esperamos que a tecnologia híbrida acrescente outra dimensão ao grande espetáculo das corridas e entretenha nossos grandes fãs das corridas", completou. A Indy também divulgou que a unidade de potência está programada para um teste completo em 11 de junho para permitir ajustes finais dos times.

MARTÍN vence, mas MÁRQUEZ 'SE APROXIMA' da Ducati OFICIAL após bater PECCO na França. Jorge CHUTADO?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com #282 - Histeria contra Hulkenberg é justificável?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Indy: Confira a programação completa das 500 Milhas de Indianápolis e onde assistir as sessões
Próximo artigo Indy 500: Dixon lidera primeiro treino encurtado pela chuva; Castroneves é 6º

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil