ANÁLISE: Honda chega ao fundo do poço sem Marc Márquez na MotoGP

Honda completou sua pior temporada na MotoGP desde a criação de sua atual divisão de competição em 1982, fechando o ano sem vencer pela primeira vez

ANÁLISE: Honda chega ao fundo do poço sem Marc Márquez na MotoGP

Foi só no início dos anos 1970 que a Honda criou o Racing Service Center (RSC), uma empresa independente que administrava o programa de corrida da empresa. Em 1º de setembro de 1982 a divisão de corrida atual, a Honda Racing Corporation (HRC), foi fundada. Sob esta estrutura, a marca com a asa dourada já conquistou 21 títulos de 500cc/MotoGP, além de inúmeros campeonatos nas categorias inferiores e em outras modalidades, como o Dakar ou o Campeonato Mundial de Trial.

O sucesso da HRC foi quase imediato. Freddie Spencer terminou em terceiro no campeonato de 1982 e um ano depois reivindicaria seu primeiro título.

Leia também:

Desde sua fundação, a HRC havia vencido corridas a cada temporada, um total de 297 corridas até 2020, quando foi deixado em branco pela primeira vez. O pior histórico da marca até agora foram os dois triunfos de 1993, 2007 e 2008. Na verdade, em 1997 eles até ganharam todos os GPs.

A HRC conquistou a tríplice coroa com praticamente a única contribuição de Marc Márquez. Agora, a marca fecha a temporada com dois pódios em 2020, conquistados pelo irmão de Márquez, Alex, em seu ano de estreia na MotoGP.

A marca de Tóquio, que acabava de ganhar os últimos quatro campeonatos de construtores seguidos, terminou 2020 em quinto lugar nesta classificação - atrás da Ducati, Yamaha, Suzuki e KTM -, claro, o seu pior resultado, já que eles nunca haviam ficado atrás do terceiro lugar.

Honda consertou moto que só Marc Márquez poderia levar

A lesão de Marc Márquez deixou a Honda sem referência máxima, o piloto que venceu seis dos últimos sete campeonatos mundiais de MotoGP. O catalão conquistou as últimas 21 vitórias da marca e o sucesso da empresa ficou cada vez mais dependente do desempenho do # 93.

No entanto, diante dessa perda de longo prazo, a Honda liberou todo o seu potencial. No teste de Misano que aconteceu em meados de setembro, entre os dois GPs lá realizados, a marca trouxe vários chassis, uma nova suspensão traseira, algumas melhorias na eletrônica e modificou a distância entre eixos para se adequar a Alex Márquez.

A melhora foi instantânea. O #73 reduziu seu tempo de uma corrida para outra em 22 segundos, 11 em relação ao vencedor. Duas depois, em Le Mans, subiu ao pódio na segunda posição, com pista molhada, resultado que repetiria uma semana depois em Aragão com pista seca.

Esse mesmo trabalho foi percebido em Takaaki Nakagami, que com o modelo de 2019 terminou como o melhor representante da Honda na classificação geral, em décimo. O japonês estreou sua cartilha de poles no GP de Teruel, onde sofreu uma queda quando era um claro candidato à vitória. No entanto, o piloto da LCR fechou o ano com três top-5 nas últimas cinco corridas.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

F1 2020: Hamilton REVELA ‘defeito’ da Mercedes e mostra como a equipe minimizou o problema; entenda

PODCAST: Domínio da Mercedes tira mérito de Hamilton em suas conquistas?

 

compartilhar
Danos causados ​​por colisões no começo do GP de Portugal forçaram abandono de Mir

Artigo anterior

Danos causados ​​por colisões no começo do GP de Portugal forçaram abandono de Mir

Próximo artigo

Aprilia lista três pilotos para MotoGP 2021; entenda

Aprilia lista três pilotos para MotoGP 2021; entenda