MotoGP GP da Áustria

MotoGP: Márquez ‘corneta’ projeto da Honda e vê times rivais trabalharem melhor

Espanhol também revelou como está recuperação em braço que foi operado pela quarta vez

Marc Marquez, Repsol Honda Team

Marc Márquez, que ainda está em recuperação de sua quarta cirurgia no braço direito, compareceu nesta quinta-feira no dia de entrevistas do GP da Áustria da MotoGP, em que não vai participar, aproveitando a oportunidade de realizar algumas entrevistas com os chefes da Honda, engenheiros e sua equipe nos boxes.

O espanhol, que luta contra esta lesão desde julho de 2020, garantiu que na próxima semana terá uma revisão que determinará quando poderá voltar, algo que fará “quando estiver com 70% anos fisicamente, já que a última parte da reabilitação será com a moto.

Leia também:

O piloto sublinhou ainda que, na sua opinião, o problema atual da Honda “não é a moto, é o projeto”, e admitiu que já pediu à fábrica para “fazer alterações”.

Durante a coletiva de imprensa, que durou pouco menos de meia hora, devido a uma tempestade, Márquez explicou como estava sua recuperação.

"Tudo está indo no caminho certo, a decisão foi importante, era isso ou terminar minha carreira esportiva, estamos indo aos poucos, devagar mas com certeza porque sabemos da dificuldade, me sinto bem, honestamente, mas o braço passou por quatro operações e estamos trabalhando para nos adaptar, podemos dizer que já estou fazendo exercícios que não conseguia fazer antes da operação, semana que vem vou fazer um exame para perceber se posso aumentar os pesos e a carga, e quando no futuro eu puder pilotar uma moto de MotoGP, compreendo melhorias. Estou otimista porque a cada semana aumento a carga de trabalho e o braço responde satisfatoriamente”, explicou.

“Desde a operação, nas primeiras seis semanas, não mexi o braço, mantive-o imobilizado, adotamos uma postura conservadora para cuidar de todas as etapas, é melhor ir devagar do que apressar. Nas duas semanas seguintes, comecei a mexer o braço e depois continuei com elásticos. Vamos ver se semana que vem eles me deixam aumentar a carga e depois vamos fazer um plano. Uma coisa é o osso e outra diferente é o resto do músculo. Estou ciente da importância da recuperação e, se tiver que prolongá-la, farei isso. É claro que quando eu sentir 70% que vou subir na moto, não vemos a hora de estar 100% já que a parte final da recuperação deve ser na moto”, acrescentou, confirmando que sua intenção é competir antes de terminar a temporada.

"Quando voltar para a MotoGP vou perceber se a cirurgia funcionou".

Um dos motivos para viajar para a Áustria, entre outros, foi manter contato com a equipe em uma situação de crise intensa.

“Obviamente você pode ver que a Honda está passando por um momento difícil, e está com todos os pilotos, e quando estão todos, o projeto não está no seu melhor. Mas é verdade que temos a experiência de 2020 e 2021 quando passei muito tempo fora, desconectei demais e quando voltei tudo parecia novo. Tenho procurado manter contato com a equipe, manter uma relação próxima com os engenheiros. Não vim para ver as corridas, vim falar com os engenheiros, não decido o que fazer, mas quero estar envolvido no projeto. Em uma situação como essa, o piloto não pode fazer a diferença sozinho, é um trabalho de equipe”, comentou.

Em torno dessas conversas, Márquez foi convidado a explicar o que a moto precisava mudar para melhorar.

“Eu não pude testar os últimos elementos (peças), até Mugello você não conseguia pilotar bem a moto e o problema era grande. Mas, para mim, o problema não é a moto, é o projeto, a informação tem que fluir da maneira certa, se todos estiverem envolvidos nisso e estiverem motivados, com certeza sairemos dessa situação. O importante é entender o rumo que o projeto vai tomar”, surpreendeu.

Algumas palavras que levam a pensar que está falando em mudar peças importantes dentro da equipe.

“Quando falo de uma equipe, não estou falando de pessoas, estou falando de um conceito. Estamos vendo equipes trabalhando de forma diferente, a Honda trabalha muito e está empenhada, não podemos dizer que não fazem nada. Quando falo em mudança, falo em conceito, coordenação, não preciso dizer como fazer, a Honda é a marca que mais ganhou, confio neles, mas eles devem entender como se organizar melhor, há cada vez menos testes e o trabalho na fábrica é cada vez mais importante.

“Eu não sou a pessoa certa, não cabe a mim dizer como organizar. Sou apenas um piloto e peço a melhor moto do grid, é o meu objetivo e o da HRC, que está aqui para conquistar títulos, tal como os restantes pilotos da marca. O objetivo na próxima temporada, embora as sensações não sejam boas, certamente será conquistar o título. Agora as mentes estão abertas e parece que as sensações são boas”.

Como já aconteceu em outras equipes, parece que Márquez está pedindo uma revolução no esquema mental do fabricante japonês.

“Também não quero dizer que a Honda tem que trabalhar como os europeus, o estilo japonês funcionou e venceu, mas o mundo mudou e o campeonato também, você tenta investigar como melhor e vencer os novos pilotos. O importante em um momento difícil é não entrar em pânico, esse seria o pior inimigo. Estamos analisando a situação e confio neles, fiz uma operação no braço para voltar ao topo com eles, mas todos temos que trabalhar na mesma direção”, referindo-se à Honda.

Sobre as opções de fazer mais de uma corrida este ano, Márquez não especificou.

“Minha intenção é fazer uma corrida este ano, semana que vem teremos a resposta, não vou dizer agora se vou fazer duas ou três corridas, quando me disserem que estou pronto para fazer voltarei, mas pensando mais na temporada 2023”.

Em referência às mudanças na moto, perguntaram-lhe se a Honda deveria recuperar a moto que o tornou campeão no passado.

"Quero uma moto vencedora, mas talvez a moto estilo Márquez de dois ou três anos atrás não funcione agora, as motos mudaram muito nos últimos anos e devemos entender isso, só posso apontar onde perdemos, mas são os engenheiros que devem fazer a moto, se eles estão convencidos de fazer uma mudança, eu vou acreditar neles”.

Podcast #191 – O que primeira parte da temporada da F1 em 2022 trouxe de bom e ruim?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior MotoGP volta a usar mesmo traçado e paddock da F1 em Silverstone a partir de 2023
Próximo artigo MotoGP pode introduzir corridas sprint como na F1 em 2023; medida já teria apoio das equipes

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil