Pol Espargaró: motos de KTM e Yamaha são muito diferentes

Pol Espargaró, piloto da KTM, disse que filosofia de moto austríaca é completamente diferente da Yamaha, que ele pilotou por três temporadas na Tech 3

Pol Espargaró: motos de KTM e Yamaha são muito diferentes
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing
Pol Espargaro, Red Bull KTM Factory Racing; Bradley Bradley Smith, Red Bull KTM Factory Racing
Carregar reprodutor de áudio

Após três temporadas na Tech 3, pilotando motos da Yamaha, Pol Espargaró se juntou à KTM para a estreia da fabricante austríaca na MotoGP - junto com Bradley Smith, companheiro também no time satélite da marca japonesa.

Espargaró comentou a diferença entre a M1 e a RC16, colocando-as em patamares totalmente distintos em termos de pilotagem e ressaltando que a moto austríaca combina mais com o estilo de pilotagem dele.

"Para mim, é muito mais fácil pilotar esta moto do que a da Yamaha", disse. "O único problema é que somos lentos - mesmo quando a moto está balançando, não estamos tirando proveito disso."

"Com esta moto, é muito diferente. Quando você força, os tempos de volta vêm. Na Yamaha, não é assim - você precisa pilotar de forma suave quando quer melhorar os tempos. A filosofia é completamente diferente."

"Estamos apenas no começo dos trabalhos. A moto ainda não possui personalidade, estamos criando isso. Vamos melhorar, creio que entendemos as características da moto e precisamos avançar neste sentido", afirmou.

Chassi de aço, motor 'screamer'

Espargaró acredita que o chassi de treliça de aço e o motor 'screamer' - ambas configurações únicas na MotoGP depois que a Honda mudou para o motor 'big-bang' para esta temporada - são os detalhes que tornam a RC16 uma moto de caráter singular na categoria.

"Começa com o chassi, que é claramente diferente. Você não vira a moto rápido como na Yamaha", disse. E o motor é muito diferente."

"Parece que a moto funciona mais em altas rotações e a Yamaha em baixas rotações. Eles conseguem extrair mais aderência no início das curvas porque forçam menos e assim estressam menos o pneu." 

"Claro que aqui a demanda física é maior aqui do que na Yamaha. Creio que, nesta moto, o piloto pode fazer mais a diferença. Na Yamaha, é como se você precisasse pilotar nos trilhos", observou.

"Não sei se eles estão mudando isso com Maverick (Viñales), mas quando eu estava na Tech 3 era assim. Você tinha uma linha e precisava seguir esta linha. Com esta moto, você tem mais liberdade, você pode pilotar como quiser", completou.

compartilhar
comentários
Mesmo machucado, Rins é liberado para correr na Argentina
Artigo anterior

Mesmo machucado, Rins é liberado para correr na Argentina

Próximo artigo

Aprilia se diz pronta para ter equipe satélite em 2018

Aprilia se diz pronta para ter equipe satélite em 2018