Stock Car Brasil
R
Santa Cruz do Sul
17 jul
Evento encerrado
24 jul
Evento encerrado
R
Interlagos - Corrida do Milhão
21 ago
Próximo evento em
14 dias
R
Londrina II
11 set
Próximo evento em
35 dias
16 out
Próximo evento em
70 dias
R
06 nov
Próximo evento em
91 dias
R
Goiânia II
20 nov
Próximo evento em
105 dias
R
Interlagos II
11 dez
Próximo evento em
126 dias

Coluna do Vicente Sfeir: A Stock Car pós pandemia

compartilhar
comentários
Coluna do Vicente Sfeir: A Stock Car pós pandemia
Por:
, Colunista de mercado do Motorsport.com Brasil
12 de mai de 2020 14:38

Colunista de mercado do Motorsport.com avalia as medidas tomadas pela Stock Car para quando o campeonato voltar, no segundo semestre

A Stock Car anunciou recentemente seu novo pacote para a temporada 2020, com os ajustes necessários à realidade do esporte brasileiro pós pandemia.

Não era uma tarefa fácil.

Ao mesmo tempo, a categoria precisava garantir minimamente as entregas contratadas para este ano e ainda proporcionar redução de custos para as equipes, já que a realidade do mercado de eventos esportivos mudou drasticamente com o impacto do coronavírus.

Leia também:

Aqui estamos falando de quase vinte equipes, com realidades financeiras um tanto distintas. A categoria precisou ter o devido cuidado para não corrermos o risco de iniciar a temporada com mais de 30 carros no grid e terminar com 20 e poucos.

Entendo que, no geral, fizeram um bom trabalho com os ajustes.

Reduzir de 12 para oito datas, extinguir as atividades de sexta-feira e promover algumas “rodadas triplas” foram medidas que realmente atuam no controle de custo da categoria proporcionando praticamente a mesma visibilidade.

As rodadas triplas achei muito positivas pois restauram o interesse da mídia no sábado, que estava meio morto nos últimos anos. Me parece adequado largarem com a ordem do treino livre. Só não sei se a largada para a segunda corrida do fim de semana (a primeira prova de domingo) ser determinada pela ordem da chegada no sábado foi a melhor opção. Como o sábado é tratado como uma etapa e o domingo como outra, poderia ser realizado o quali também no domingo, antes da primeira bateria.

Outro tema que foi mencionado, ainda que “em estudos” é a adoção de descartes dos piores resultados de cada carro. Aqui pode trazer justiça maior para o campeonato, para um competidor não ficar fora da briga pelo título por quebra de motor por exemplo. Mas ao mesmo tempo deixa um pouco mais confuso para explicar a classificação do campeonato durante o ano, além de não premiar a regularidade.

Gaetano di Mauro em Interlagos

Gaetano di Mauro em Interlagos

Photo by: Jose Mario Dias

Exemplo: em 2019 nosso piloto Felipe Baptista fez sua primeira temporada em carros de corrida. Ele ganhou cinco corridas na Porsche Cup, fez 11 pódios em 12 provas e terminou todas as corridas nos pontos. Perdeu o campeonato para outro piloto que havia abandonado duas corridas e descartou zero pontos na contagem final, enquanto Felipe se desfez de 30.

O tema da equalização dos carros com a chegada da Toyota já era um tópico do regulamento antes mesmo da pandemia. E até agora não está claro como será realizado o “balance of performance”. Uma solução nesse sentido que não me agrada é a adoção de lastro, como acontecia nos antigos Brasileiro de Marcas e na última edição da Stock Light chamada Brasileiro de Turismo.

Acho que, em carros diferentes, o lastro pune demais o líder do campeonato. Em 2017 nosso piloto Gaetano di Mauro liderou o campeonato quase inteiro. Ou seja, andou o ano todo com um peso de 80 kg adicionado em seu carro. Era exatamente o peso dele equipado. Então foi como se o Di Mauro tivesse andado quase a temporada completa com um irmão gêmeo no banco do passageiro de seu carro de corrida.

E além da injustiça em velocidade, carregar peso extra também exige demais do equipamento. Carro mais pesado consome mais pneus e tem um desgaste geral maior.

Certamente há outras maneiras de equilibrar as coisas.

A Stock Car foi muito hábil nos últimos anos ao equilibrar os fatores competitividade e promoção do evento. A Corrida de Duplas e a adoção de rodadas duplas com inversão de grid são exemplos.

Costuma-se falar que a necessidade é a mãe das invenções. Nesse sentido, as dificuldades impostas pela pandemia e a criatividade dos dirigentes em achar as melhores soluções podem trazer inovações para dar mais emoção ainda à Stock Car e ao mesmo tempo conservar os atributos que tornam a categoria a principal do Brasil há mais de quatro décadas.

Como uma 'cagada' de passarinho 'deu sorte' para Zonta na F1

PODCAST: Os cinco maiores mitos e verdades da F1

 

 

Campeão no kart e fã de simuladores, Di Mauro diferencia papel de cada um na preparação dos pilotos

Artigo anterior

Campeão no kart e fã de simuladores, Di Mauro diferencia papel de cada um na preparação dos pilotos

Próximo artigo

Chefe de equipe da Stock Car explica custos de se colocar um carro no grid

Chefe de equipe da Stock Car explica custos de se colocar um carro no grid
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Stock Car Brasil
Autor Vicente Sfeir