Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
49 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
56 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
70 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
84 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
98 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
105 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
119 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
133 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
140 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
154 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
161 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
175 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
189 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
217 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
224 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
238 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
245 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
259 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
273 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
280 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
294 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
308 dias

Análise: As abordagens aerodinâmicas da F1 em Monza

compartilhar
comentários
Análise: As abordagens aerodinâmicas da F1 em Monza
Por:
, Featured writer
Co-autor: Matthew Somerfield
7 de set de 2018 15:07

O GP da Itália sempre cria um desafio único para as equipes, com as longas retas de Monza forçando os times a pensar mais sobre os níveis de arrasto e redução de downforce.

A velocidade em linha reta é essencial na Itália, mesmo que isso signifique que a vida possa ser um pouco complicada nas chicanes.

Este cenário faz os times apresentarem as asas traseiras mais escandalosamente baixas que você verá em toda a temporada. Na verdade, em sua maior parte, estas asas são projetadas especificamente para o famoso "templo da velocidade" e se tornam instantaneamente obsoletas depois da corrida.

Mercedes x Ferrari

Perfurar um buraco no ar é uma tarefa muito mais fácil para as equipes líderes, Mercedes e Ferrari, devido às suas poderosas unidades de potência.

Então, embora ambas tivessem asas "mais magras" para o GP da Itália, seus projetos não eram tão extremos quanto os de alguns dos outros times. Na verdade, ambas equipes optaram por uma variação mais agressiva da asa usada na Bélgica, com a Ferrari preferindo um design plano mais tradicional, enquanto a Mercedes utilizou uma asa estilo "colher".

Mercedes W09 rear wing comparison

Mercedes W09 rear wing comparison

Photo by: Manuel Goria / Sutton Images

Apesar de a Mercedes ter testado duas especificações diferentes de asas na Bélgica, no final ela optou pela de menor downforce, com sua habitual asa T (seta vermelha).

Para Monza, uma configuração de asa traseira similar foi selecionada, embora sem Gurney no flap (seta branca). Para aumentar a velocidade da linha reta, a asa T foi totalmente descartada também.

 

Ferrari SF71H rear wing, Belgian GP

Ferrari SF71H rear wing, Belgian GP

Photo by: Giorgio Piola

Como a Mercedes, a Ferrari fez apenas pequenas alterações em sua asa traseira para seu GP de casa, mas conseguiu manter a asa T, o que proporcionou aos pilotos mais downforce e confiança.

 

Mercedes W09 front wing comparison

Mercedes W09 front wing comparison

Photo by: Giorgio Piola

O que sai de um lado do carro geralmente precisa ser equilibrado no outro também, e os carros não precisam ser acertados da mesma maneira como foram para o segundo setor em Spa. Ambos os times fizeram concessões a este respeito para Monza.

Como podemos ver, a Mercedes usou uma nova solução (seta vermelha) frente ao que teve em Spa. Esta é uma tática empregada pelas equipes quando o ângulo da asa já está próximo de seu limite operacional.

Mercedes F1 W09 bargeboard, Monza GP

Mercedes F1 W09 bargeboard, Monza GP

Photo by: Giorgio Piola

Curiosamente, a Mercedes também fez algumas melhorias em seu assoalho, alterando sua forma da lateral (seta azul).

Além disso, a seção divisora ​​com ranhuras (seta vermelha) foi otimizada ainda mais, com buracos correspondentes precisando ser feitos no chassi acima (seta branca) para cumprir os regulamentos.

Red Bull - baixo downforce

Os pontos fracos da Red Bull são expostos em circuitos de alta velocidade, como Spa e Monza, e, portanto, a equipe teve que compensar seu déficit de potência ao abrir mão de parte de sua performance aerodinâmica.

A capacidade superior de gerar downforce embaixo do assoalho e no difusor sempre permitiram que o time pudesse abaixar mais suas asas traseiras quando comparado com Mercedes e Ferrari, mas nas últimas duas corridas isso foi ainda mais extremo.

A asa utilizada foi tão pequena que a colocação de laterais no canto superior da placa terminal era irrelevante.

E, embora a asa já parecesse extremamente plana em Spa, os designers foram além para Monza, reduzindo ainda mais o ângulo de ataque.

Red Bull RB14 rear wing, Monza GP

Red Bull RB14 rear wing, Monza GP

Photo by: Giorgio Piola

Próximo artigo
FIA: windscreen não protegeria Leclerc como o halo

Artigo anterior

FIA: windscreen não protegeria Leclerc como o halo

Próximo artigo

Grosjean: Quase virei cozinheiro quando a Renault me demitiu

Grosjean: Quase virei cozinheiro quando a Renault me demitiu
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Giorgio Piola