ANÁLISE: Caça de Hamilton ao octa pode sinalizar início do fim?

Especulações sobre futuro do heptacampeão aumentaram depois que o piloto anunciou seu contrato de apenas um ano com a Mercedes

ANÁLISE: Caça de Hamilton ao octa pode sinalizar início do fim?

Ganhando ou perdendo, esta será a última temporada de Fórmula 1 de Lewis Hamilton ou o piloto assinará um novo contrato com a Mercedes e continuará na nova era do esporte em 2022?

As especulações sobre os planos de carreira de Hamilton aumentaram desde que seu contrato de um ano com a equipe alemã foi finalmente anunciado no dia 8 de fevereiro, um pouco mais de um mês antes do início dos testes no Bahrein.

Leia também:

Não é a primeira vez que ele entra em uma temporada com apenas o ano restante em contrato, mas geralmente é um contrato mais longo.

Desta vez é diferente, e o fato de o acordo atual ter sido finalizado tão tarde reflete o complexo processo de negociação antes que ambos os lados estivessem satisfeitos. Ao fechar um contrato de uma temporada, o britânico manteve suas opções em aberto - assim como o chefe da Mercedes Toto Wolff.

Acrescente a disponibilidade de George Russell e, potencialmente, de Max Verstappen, e há muito sobre o que especular. Tudo isso alimenta o debate contínuo sobre o que Hamilton pode escolher fazer no final de 2021.

Primeiro, ele tem a chance de garantir o oitavo campeonato mundial. Muitos vêem essa potencial conquista como o momento ideal para o piloto ir embora, no auge de sua carreira. Por outro lado, se ele não vencer este ano, isso poderia fornecer uma motivação extra para continuar em 2022 e tentar outra vez?

No lançamento do W12, algumas semanas atrás, Hamilton comentou a influência de um potencial oitavo título em seu processo de pensamento.

“Acho que tomei uma decisão realmente importante em minha mente, (que) não quero que isso seja o fator decisivo."

"Entrei nas corridas porque adoro corridas e acho que isso tem de estar sempre no centro do que faço. Se você não ama correr, se tudo o que você busca são elogios, se tudo o que você faz são por esses títulos, sinto que pode perder o caminho."

"Claro, é o objetivo final. Mas não acho que necessariamente será o fator decisivo para eu ficar e continuar. Acho que é mais quando coloco aquele capacete e enquanto ainda tenho aquele sorriso quando sair das garagens. "

Esse é o ponto principal e, em muitos aspectos, é simples. Se Hamilton ainda está se divertindo, obtendo prazer em guiar, em aperfeiçoar o carro, em levar sua equipe ao topo e em derrotar os rivais na pista, então não há razão para que ele deva parar.

"Estou totalmente comprometido com esta temporada e na entrega", disse.

"Ainda amo o que faço. Estou em uma posição privilegiada que não preciso me comprometer por vários anos."

"Então eu escolhi ter um contrato de um ano, para então poder ver como vai o ano e onde estamos no meio ou no final da temporada. Quem sabe ainda estaremos em um pandemia. Mas isso não significa que eu não esteja comprometido, ainda estou muito, muito comprometido com o esporte. "

Lewis Hamilton, Mercedes

Lewis Hamilton, Mercedes

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

O outro lado é o grande esforço exigido por Hamilton para manter seu nível competitivo ano após ano.

Sua carreira júnior não foi menos pressionada - ele teve que continuar vencendo no kart, Fórmula Renault, F3 e GP2 para progredir e manter Ron Dennis feliz.

Tudo isso exigiu um grau extraordinário de comprometimento com o seu trabalho. Considere Nico Rosberg desistiu no final de 2016, em grande parte por causa do que a conquista do título daquele ano tirou dele.

Enquanto isso, Hamilton manteve esse nível por mais quatro temporadas e está caminhando para uma quinta. Não é fácil, mesmo para alguém tão motivado como ele.

"Em termos de voltar consistentemente a cada ano, acho que esse é um dos maiores desafios que eu acredito que qualquer atleta do mundo enfrenta", observou Hamilton nos testes do Bahrein.

“Mas o objetivo é sempre tentar melhorar e não deixar a bola cair nas outras áreas em que você é forte. Concentre-se nas áreas fracas, mantendo as outras fortes. Posso dizer que definitivamente não é uma tarefa fácil."

"Houve momentos em que melhorei em algumas áreas, mas outras pioraram um pouco. Muito disso também é colaboração, trabalhar com seus engenheiros, desafiar seus engenheiros, tê-los desafiando você e levantar áreas nas quais eles sentem que podem ver maneiras melhores de trabalhar juntos. Isso remete aos níveis de energia, preparo físico e saúde mental."

"Acho que existem todos esses fatores e elementos-chave realmente importantes que você deve experimentar. E, naturalmente, como atletas e competidores, estando em competição, estamos no limite o tempo todo. E esse é um equilíbrio muito difícil de atingir. "

Hamilton sempre buscou manter esse equilíbrio, mantendo-se ocupado com seus interesses em música e moda, e assim por diante.

No ano passado, as questões de diversidade ocuparam ainda mais seu foco do que antes, e sua fundação - junto com o trabalho que ele está fazendo em uma frente semelhante com a Mercedes - lhe deu inspiração fora das pistas.

Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1, on the grid

Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1, on the grid

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

Por outro lado, como todo mundo, a pandemia o forçou a fazer sacrifícios. Ele raramente viu a família e os amigos no ano passado. Sua rotina girava principalmente em torno das corridas.

Pode ser que ele esteja perdendo uma válvula de escape necessária, o que tornará ainda mais difícil enfrentar o cronograma implacável de 23 corridas desta temporada.

A performance da sua equipe na pista é outra parte da equação e, depois de um teste ruim, o GP do Bahrein deste fim de semana nos dará mais uma indicação da verdadeira imagem da Mercedes.

Obviamente, a escuderia tem potencial para se recuperar, mas mesmo que o W12 esteja ganhando corridas em breve, é difícil imaginar que veremos um retorno à forma dominante dos anos anteriores. A oposição é muito forte agora.

O britânico sempre gostou de desafios e preferiu ter alguém com quem lutar. No momento, a perspectiva de se recuperar dos contratempos iniciais é extremamente motivadora.

"Não perco tempo me preocupando", disse ele nos testes de pré-temporada. 

"Isso nos impede de encontrar a solução."

"Este é o momento perfeito para encontrarmos os problemas e ter os problemas, então eu acolho isso."

"Ninguém se intimida com isso. Somos uma equipe vencedora de vários campeonatos e sabemos como trabalhar juntos, manter a cabeça baixa e focar no trabalho.

"É impressionante ver a velocidade de algumas das outras equipes. Acho que a Red Bull está parecendo particularmente forte. E é ótimo ver a McLaren também parecendo forte, além da Alpine. Estou animado também porque isso significa mais diversão."

Então, o que dizer do longo prazo? Há muitas incógnitas rumo a 2022 enquanto Hamilton avalia seu futuro, incluindo pontos de interrogação sobre a extensão do compromisso da Daimler AG além desta temporada.

O grupo já reduziu sua participação acionária na equipe, com a participação da INEOS e Jim Ratcliffe. Persistem as especulações de que a partir de 2022 também reduzirá seu apoio financeiro e que o financiamento terá de ser proveniente de fora.

Isso, por sua vez, significa que megassalários podem não estar mais disponíveis.

Enquanto isso, o novo pacote de regras representa uma redefinição para todos, contando com um limite de gastos e restrições aerodinâmicas que irão controlar os times de ponta.

Assim, a equipe de Brackley pode não ser na próxima temporada a máquina dominante que Hamilton se acostumou , e sua liderança contínua está longe de ser garantida.

Ele acertou o tempo quando se mudou para a Mercedes - fará o mesmo quando parar de correr?

O debate sobre o futuro do heptacampeão não vai acabar, e ele provavelmente enfrentará perguntas da mídia sobre esse assunto nos próximos meses.

“Acho que estou nessa posição em que pelo menos me perguntam isso há algum tempo. Não me sinto pressionado nesse sentido", disse ele no lançamento.

Lewis Hamilton, Mercedes and Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG

Lewis Hamilton, Mercedes and Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

"Naturalmente, continuo acreditando e sempre aposto em mim mesmo - em termos de eu sei o que é preciso para entregar. E acho que tenho uma relação extraordinária com a Mercedes que é incrivelmente profunda, e acho que há mais do que apenas corridas que provavelmente vamos acabar fazendo juntos."

“Como você já está vendo (Fundação Hamilton), há muitas coisas boas que faremos no futuro. Portanto, isso será uma discussão constante ao longo do ano, tenho certeza."

"E em termos de saber se é aqui que eu quero continuar, se esse é o caminho que eu quero seguir, isso vai chegar até mim, tenho certeza."

Tudo isso sugere que o piloto espera seguir nomes como Juan Manuel Fangio e Stirling Moss e desfrutar de uma carreira pós-corrida como embaixador da Mercedes.

Hamilton não pode esperar até o final da temporada para decidir sobre seu futuro - Wolff precisa saber muito antes quais são suas intenções, assim como Russell e Valtteri Bottas.

"Concordamos que queremos retomar as discussões muito no início deste ano para evitar uma situação como a que tivemos em 2020", disse Wolff. 

“Ficar sem tempo e estar na posição desconfortável de que não resta tempo antes do início da temporada."

“E é também por isso que fizemos um contrato de apenas um ano, para nos permitir discutir o futuro, dentro e fora das corridas, com o tempo certo. O que decidimos é discutir muito no início deste ano, não no final da temporada. "

Wolff está convencido de que Hamilton está motivado como sempre.

“Em primeiro lugar, ele gosta muito de correr. Gostamos de trabalhar uns com os outros. E conversamos muito sobre isso."

“Os tempos mudam. Surgem novas prioridades para todos nós em termos da forma como vivemos, da nossa saúde. Ele é muito apaixonado pelas suas iniciativas, contra o racismo e desigualdade."

“E então teremos essa grande mudança regulatória em 2022, que vai reformular o que a F1 será nos próximos anos."

"Não acho que isso tenha um papel, honestamente, mas acho que é justo que um piloto que ganhou sete campeonatos se dê a flexibilidade para decidir o que quer fazer no futuro", concluiu.

Parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

SÉRGIO MAURÍCIO sobre F1 na BAND: "O diferencial será fazer o que a Globo vinha deixando de fazer"

PODCAST – Temporada 2021 marca nova era na cobertura do esporte a motor na TV?

 

compartilhar
comentários
F1: Grosjean "volta" à Haas para gerenciar programa de eSports da equipe

Artigo anterior

F1: Grosjean "volta" à Haas para gerenciar programa de eSports da equipe

Próximo artigo

F1: Gasly quer "manter os pés no chão" em 2021 mas não vai desperdiçar oportunidades em busca de segunda vitória

F1: Gasly quer "manter os pés no chão" em 2021 mas não vai desperdiçar oportunidades em busca de segunda vitória
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Lewis Hamilton
Autor Adam Cooper