Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
62 dias
06 mai
Próximo evento em
104 dias
20 mai
Próximo evento em
118 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
132 dias
10 jun
Próximo evento em
139 dias
24 jun
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
160 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
174 dias
29 jul
Próximo evento em
188 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
216 dias
02 set
Próximo evento em
223 dias
09 set
Próximo evento em
230 dias
23 set
Próximo evento em
244 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
251 dias
07 out
Próximo evento em
258 dias
21 out
Próximo evento em
272 dias
28 out
Próximo evento em
279 dias
05 nov
Próximo evento em
287 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
300 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
315 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
324 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise: Como as equipes buscaram ganhos de downforce na Hungria

compartilhar
comentários
Análise: Como as equipes buscaram ganhos de downforce na Hungria
Por:
, Especialista
Co-autor: Matt Somerfield

Equipes estavam dispostas a pagar o preço por ter carros utilizando "downforce sujo" no fim de semana em Budapeste

Hungaroring é um lugar desafiador para pilotos e engenheiros, e é frequentemente descrito como "Mônaco sem paredes."

Na verdade, é um circuito de alto downforce, muito parecido com outros circuitos de rua, mas é muito mais como uma pista tradicional.

Para aumentar ainda mais as complicações, as temperaturas são geralmente altas e isso significa que os freios e a unidade de potência se tornam um fator crítico, resultando em eficiência aerodinâmica sendo sacrificada.

É uma pista em que a aderência extra compensa mais do que a eficiência linear - e é por isso que as equipes se concentram mais em encontrar o que é conhecido como "downforce sujo".

Aqui vemos como algumas equipes abordaram o desafio.

Atualizações da Williams

Williams FW41 Rear Wing, T-Wing and Cooling, Hungarian GP
By: Giorgio Piola

O FW41 da Williams ainda pode estar sem desempenho, mas a asa introduzida na última etapa, na Alemanha, pelo menos tornou o carro mais previsível para seus pilotos.

Ansiosos para avançar e adicionar um pouco mais de desempenho, a equipe chegou à Hungria com uma nova e grande asa em T (seta azul).

A asa apresentava duas superfícies horizontais principais em ambos os lados da cobertura do motor.

A parte inferior dessas duas superfícies ajuda a impulsionar o fluxo de ar que percorre na parte superior do sidepod e o ar quente saindo da saída de resfriamento ampliada que foi usada pela última vez no Bahrein (seta vermelha).

A superfície superior trabalha o fluxo de ar um pouco mais, ficando relativamente na mesma posição que a asa T normal, e possui uma fenda ao longo de seu comprimento.

A asa traseira também teve mudanças. O plano principal foi trocado por uma modelagem convencional, em vez da asa em forma de colher vista em outro lugar (seta verde).

Ganhos da Renault

Red Bull RB14 rear wing monkey seat
Photo by: Giorgio Piola

A Red Bull normalmente tem que pensar sobre sua taxa de eficiência aerodinâmica mais do que as outras, dado seu déficit de potência para as equipes rivais.

Assim como em Mônaco, o RB14 foi equipado com uma asa traseira de alto downforce e complementado por uma asa em T (seta vermelha) e uma pequena (seta azul).

O papel que a pequena asa (monkey seat) pode desempenhar foi drasticamente reduzido pela FIA para 2018, reduzindo o impacto que dispositivos aerodinâmicos podem ter.

No entanto, a Red Bull, quando necessário, utiliza o apêndice aerodinâmico para superar quaisquer instabilidades que possam ocorrer ao operar uma asa traseira tão agressiva.

De olho em qualquer impulso direto em sua busca para vencer a Mercedes e a Ferrari, a Red Bull só opta por utilizar uma quando for absolutamente necessário.

Force India se mantém na luta

Force India VJM11 high downforce rear wing comparison
Photo by: Giorgio Piola

Com orçamento comprometido, a Force India recuou um pouco, especialmente quando comparado ao sucesso obtido nas duas últimas temporadas.

A falta de orçamento pode ter um impacto significativo na entrega de atualizações em pontos-chave da temporada e, portanto, ela teve que ser mais cautelosa em relação ao momento de trazer novas peças que ajudem no desempenho.

Com a eficiência aerodinâmica menos preocupante nos circuitos de alto-downforce, a equipe utilizou um par de asas T em Mônaco e na Hungria, enquanto que em outros lugares optou por usar apenas um único elemento (seta vermelha).

Ela também brincou com, mas nunca correu, uma pequena asa pendurado no pilar central da asa traseira sobre o escapamento (seta azul).

Haas revela contato de pilotos para lugar em 2019

Artigo anterior

Haas revela contato de pilotos para lugar em 2019

Próximo artigo

Vandoorne: Hungria mostrou que as coisas "voltaram ao normal"

Vandoorne: Hungria mostrou que as coisas "voltaram ao normal"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP da Hungria
Localização Hungaroring
Equipes Red Bull Racing , Force India , Williams
Autor Giorgio Piola