Opinion

ANÁLISE F1: Alonso e Hamilton ainda estarão aqui em 2023, contradição?

Pergunta é um pouco provocativa, mas remete a comentários feitos pelo espanhol e pelo britânico há alguns anos; nenhum deles planejava correr em uma temporada com uma agenda lotada, agora serão confrontados com isso

Fernando Alonso, Alpine F1, 3rd position, and Lewis Hamilton, Mercedes, 1st position, congratulate each other in Parc Ferme

A FIA e a Fórmula 1 anunciaram nesta terça-feira um calendário histórico para a temporada 2023, já que será composto por 24 GPs. Um novo recorde, que agora faz com que a barra simbólica de 25 corridas por ano seja quase atingida. Um objetivo que sempre foi visado pela Liberty Media desde a aquisição da F1 no início de 2017.

Ao longo dos anos, e apesar de uma pandemia de Covid que perturbou muitos planos em 2020, os donos da categoria se aproximaram de seu objetivo: oferecer um GP quase todas as semanas em um ano. E se removermos a baixa temporada, bem como as férias de verão, o ritmo inevitavelmente se torna infernal.

Leia também:

Quando essa ambição de um campeonato de 25 rodadas começou a ser seriamente discutida há alguns anos, não faltaram reações. Na época, três campeões mundiais, cuja palavra carrega naturalmente mais do que outros, expressaram um forte ceticismo. Dois deles ainda estarão lá em 2023, diante de suas contradições.

O mais inflexível dos três, em 2017, foi Fernando Alonso. À medida que o piloto espanhol começou a provar outras disciplinas, pulando o GP de Mônaco pelas 500 Milhas de Indianápolis, ele assegurou que não poderia imaginar por um único momento competir em uma temporada tão movimentada no futuro.

"Li que eles queriam fazer um campeonato de 25 corridas. Quando comecei na F1 eram 16, agora são 20. Se me disserem que serão 25, vou me aposentar", prometeu o bicampeão mundial.

Ameaça que não foi cumprida. Pelo contrário, apesar da tendência para um calendário cada vez mais denso, Fernando Alonso regressou à Fórmula 1 no ano passado… e este verão assinou um contrato mínimo de dois anos com a Aston Martin. Basta dizer que, apesar de seus 41 anos, o nativo de Oviedo poderia conhecer em sua carreira esta famosa temporada com 25 GPs, por exemplo em 2024.

Em 2018 – e em várias ocasiões depois – Lewis Hamilton também estava muito relutante no ritmo anunciado. E o britânico também não imaginava que um dia teria que alinhar no início de um campeonato tão gigantesco. O tom era menos ameaçador, mas a substância bem próxima da expressa por Fernando Alonso.

“As temporadas estão ficando cada vez mais longas, e o período de entressafra está ficando cada vez mais curto”, observou ele na época. "Como competidor, só posso falar por mim, mas é tão curto entre duas temporadas. Você começa a se preparar para a próxima assim que a atual termina. É muito, muito difícil. Então você tem que encontrar uma maneira de se desconectar e se recuperar ao mesmo tempo. Portanto, é muito provável que eu não esteja lá quando houver 25 [GPs], com certeza."

Não se trata aqui de criticar Fernando Alonso e Lewis Hamilton, muito menos fazer qualquer processo judicial, até porque a proposta dos 25 GPs ainda não foi atingida. Talvez eles também tenham, e é direito deles, simplesmente mudado de ideia. Por outro lado, a opinião que eles exprimiram merecia ser lembrada, num universo onde as declarações se sucedem com tal velocidade que muitas vezes apagam muito rapidamente as precedentes.

Cinco anos atrás, Sebastian Vettel expressou exatamente as mesmas dúvidas que seus colegas. "Acho que 25 é demais, 20 é o suficiente", disse ele. "Não precisamos de mais GPs. Acho que entre 16 e 20 é o número certo quando se pensa no esforço colocado do ponto de vista da equipe." O alemão não terá que enfrentar contradição, ele que vai pendurar o capacete no final da temporada!

De Vries na AlphaTauri? Nova REVIRAVOLTA agita MERCADO da F1 e pode 'desbloquear' dança das cadeiras

Podcast #196 - Após recorde, qual Alonso ficará para a história da F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 
 
 
 
 
 
 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior ANÁLISE F1: Por que Pérez passou de 'brilhante' para 'decepcionante' em 2022?
Próximo artigo F1: Pilotos mostram preparação para "calor agressivo" de Singapura

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil