ANÁLISE: O que o regulamento da F1 diz sobre 'caso Alpine' se Renault deixar de produzir motores

Possível saída do grupo francês do lado de fornecimento de motores pode criar situação quase inédita para a categoria

Pierre Gasly, Alpine A524

Foto de: Erik Junius

Motorsport.com's Prime content

The best content from Motorsport.com Prime, our subscription service. <a href="https://www.motorsport.com/prime/">Subscribe here</a> to get access to all the features.

A possibilidade do Grupo Renault e a Alpine mudarem sua abordagem, tornando-se uma equipe cliente a partir de 2026, abre algumas dinâmicas interessantes em torno das regras de fornecimento de motores da Fórmula 1.

Qualquer movimento para encerrar o projeto de motor de F1 da Renault exigiria que a Alpine garantisse um fornecimento de outro lugar - com o momento sendo longe do ideal, já que as demais equipes se encontram em estágio avançado em seus planos.

Leia também:

Mas, como parte da estrutura regulatória sob a qual a F1 opera, não há risco de a Alpine ficar sem um contrato de fornecimento de unidades de potência, pois ela terá um contrato garantido para 2026 se não houver um acordo até 15 de maio do próximo ano.

Os regulamentos técnicos para 2026 estabelecem o número mínimo de equipes que um fabricante pode ser solicitado pela FIA a fornecer.

Isso se baseia em uma fórmula estabelecida nos regulamentos que exige que um fabricante esteja disposto a fornecer o número de equipes igual a "T", conforme definido por uma fórmula.

Esse cálculo é feito da seguinte forma.

  • T = (NTOT-A)/(B-C), onde: 
    T é arredondado para o próximo número inteiro 
    A = Número total de Competidores (incluindo Competidores "de fábrica") com um acordo de fornecimento concluído para o ano N com uma nova Fabricante de motores.
    B = Número total de fabricantes de motores homologados para o ano N.
    C = Número total de novas fabricantes de motores para o ano N.
    NTOT = é definido como 11 e está relacionado ao "número total de Concorrentes inscritos" para o ano N, que não é conhecido até novembro do ano N-1. Esse número poderá ser revisado se o número de Competidores exceder 12.

Caso a Renault deixe de ser fornecedora de motores, deixando a F1 com cinco fabricantes (Audi, Ferrari, Mercedes, Honda e Red Bull-Ford Powertrains), a fórmula para calcular "T" é a seguinte.

Pierre Gasly, Alpine A524

Pierre Gasly, Alpine A524

Foto de: Sam Bloxham / Motorsport Images

Onze equipes menos três (para Red Bull, RB e Audi) / cinco fabricantes menos dois novos participantes (Audi e Red Bull).

Isso resulta em 2,66, que, arredondado para o próximo número inteiro, é três.

Portanto, isso significa efetivamente que um fabricante precisa estar disposto a fornecer motores para até três equipes. No momento, a Mercedes é a única que está fazendo isso para 2026, com sua própria equipe de fábrica e acordos já firmados com a McLaren e a Williams.

As regras estabelecem que, ao escolher uma fabricante para fornecer a uma equipe sem um acordo, o primeiro a ser escolhido será aquele que estiver fornecendo ao menor número de concorrentes. Para 2026  - com a Ferrari fornecendo unidades de potência para a Haas e a Red Bull para a RB - isso deixa a Audi e a Honda como os únicos fabricantes que fornecem motores para uma equipe.

No entanto, uma cláusula nos regulamentos afirma que: "Uma nova fabricante de unidades de potência não precisará cumprir a obrigação de fornecimento conforme estabelecido acima."

Isso significa que a Audi não seria obrigada a cumprir os critérios, o que significa que a Honda teria que fazer um acordo com o cliente juntamente com seu atual acordo de trabalho com a Aston Martin.

Mas tudo isso depende de a Alpine não conseguir um acordo por conta própria, porque agora existe a possibilidade de a Mercedes fornecer para a equipe em 2026, se a fabricante alemã quiser, mesmo que atualmente esteja na capacidade máxima de acordo com os regulamentos.

Pierre Gasly, Alpine A524

Pierre Gasly, Alpine A524

Foto de: Alpine

Como parte das futuras regras de motor, foi estabelecido um limite em termos do número de equipes que podem ser abastecidas.

O artigo 1.2.3 do Apêndice 5 dos Regulamentos Técnicos de motores estabelece: "Salvo acordo em contrário da FIA, cada um dos fabricantes de motores homologados não pode fornecer unidades de potência, direta ou indiretamente, para mais de (T+1) equipes, sendo T definido no Artigo 1.2.2."

No momento, com a Renault significando que há seis fabricantes, a fórmula T resulta em 2 (11-3/6-2), portanto, com a Mercedes fornecendo a si mesma, à McLaren e à Williams, já está em T + 1.

No entanto, se a Renault se retirar e reduzir o número de fabricantes para cinco, o T saltará para 3, o que significa que a Mercedes poderia fornecer quatro equipes, se quisesse.

Agora, todos os olhos estão voltados para a Alpine e a Renault para ver o que elas decidem fazer e o que acham que é o melhor caminho a seguir, tanto do ponto de vista financeiro quanto competitivo.

Granado revela BASTIDOR do CAOS pós MÁRQUEZ na Ducati /MARTÍN na Aprilia: Eric diz TUDO de '24/MotoE

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Ouça o Pódio Cast #15, com Eric Granado falando sobre Márquez e MotoE

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Leclerc participa de revezamento da tocha Olímpica em Mônaco
Próximo artigo Jornalista britânico crava estreia oficial de Antonelli na F1 ainda nesta temporada; entenda

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil