ANÁLISE: Por que a TV não consegue mostrar que carros da F1 atual são mais rápidos que o da geração de Senna

compartilhar
comentários
ANÁLISE: Por que a TV não consegue mostrar que carros da F1 atual são mais rápidos que o da geração de Senna
Por:
, NobleF1

Editor de F1 do Motorsport.com, Jonathan Noble foi atrás de informações sobre os motivos que fazem os carros atuais de F1 parecerem mais lentos que os de outras gerações

Enquanto a Fórmula 1 se prepara para os desafios para circuitos de alta velocidade como Spa-Francorchamps, Monza e Mugello, os próximos locais são perfeitos para mostrar o quão rápidos e espetaculares os carros atuais são.

Mas apesar da probabilidade de recordes de volta serem quebrados, e dos pilotos delirando sobre os desafios de algumas das maiores curvas da F1, isso não irá parar aqueles que pensam que a F1 está perdendo alguma coisa.

Leia também:

Carlos Sainz recentemente gerou algum debate nas redes sociais sobre se as imagens da TV não estavam fazendo um trabalho bom o suficiente para mostrar como os carros de F1 atuais são excelentes.

Tendo tweetado um vídeo revelador da classificação de Ayrton Senna para o GP da Grã-Bretanha de 1991, ele expressou alguma intriga sobre por que um carro que estava vários segundos mais lento do que o que temos agora parece tão mais rápido.

Refletindo sobre o assunto alguns dias depois, Sainz perguntou: “Os carros são incríveis, mas quando você assiste à TV, eles não parecem mais rápidos do que eram naquela época. E é isso que me deixa nervoso.”

“Há algo que estamos fazendo de errado com as câmeras, com os ângulos das câmeras ou com alta definição? A maioria das pessoas no Twitter concorda que os carros, por serem maiores, dão a impressão de que são mais lentos.”

Várias teorias foram apresentadas para explicar por que a volta de Senna parecia tão rápida.

Então, o Motorsport.com falou com Dean Locke, diretor de transmissão e mídia da F1, para dar seu veredito sobre porque aquela volta de Senna parecia tão rápida.

A television camera

A television camera

Photo by: Hazrin Yeob Men Shah

“Carros violentos”

Além de haver grandes diferenças de velocidade entre a F1 dos anos 1990 e agora, a tecnologia das máquinas evoluiu de forma surpreendente.

Melhor aerodinâmica e sistemas de suspensão complexos serviram para melhorar o desempenho dos carros; mas isso também tem um impacto na aparência de que são menos difíceis.

“O carro é violento”, disse Locke. "Ele está se movendo por todo o lugar, está quicando, as traseiras estão saindo do lugar. Quero dizer, quando temos um carro saindo de traseira agora, gritamos ‘troque de câmera’.”

“A suspensão e a direção desses carros atuais são muito mais suaves. As pistas são mais suaves também e ficam cada vez mais suaves.”

“Há menos movimentos [hoje em dia] e você fica restrito ao quanto pode ver no carro e ao que o piloto está fazendo.”

Sem widescreen

Um aspecto importante para dar a impressão de velocidade é o enquadramento. Hoje em dia, com enormes televisores widescreen, há pouca chance de preencher a tela com um carro - embora fosse muito diferente naquela época.

“É um quadro de quatro por três, então está comprimido”, acrescentou Locke. “Portanto, há uma imagem menor.”

“Também temos mais alguns gráficos agora, então você pode achar que o enquadramento é um pouco mais amplo. Mas, fundamentalmente, quatro por três faz a diferença.”

Definição padrão

A crueza da filmagem de Senna é ajudada pelo fato de ter sido filmada em definição padrão.

As câmeras e a televisão modernas captam tudo com a nitidez do cristal e isso pode ter um impacto na mudança da impressão de velocidade.

“Em comparação com o que temos agora, que é UHD, isso pode fazer uma pequena diferença”, disse Locke. “Acho que o fator quatro por três é algo maior, mas a definição também tem um impacto.”

Os cinegrafistas

A television cameraman prepares to film the race from the gantry above the start/finish line

A television cameraman prepares to film the race from the gantry above the start/finish line

Photo by: David Phipps

Parte do que torna a volta de Senna tão espetacular é que o carro foi feito para parecer rápido porque os câmeras às vezes têm dificuldades para acompanhá-lo.

Naquela época por causa dos operadores de câmera não estarem tão sintonizados com os carros de F1 como estão agora, eles pareciam mais atrasados.

Locke explicou: “Se você olhar para o trabalho da câmera, provavelmente eles faziam automobilismo uma vez por ano. No dia seguinte ele estava de volta à rotina da emissora anfitriã, não é? O GP da Grã-Bretanha de F1 era feito por recursos da BBC ou ITV que provavelmente vieram do rugby ou do críquete.”

“Então, houve um momento em que eles perderam completamente o carro. Isso dá um elemento de velocidade em comparação com o fato de o cinegrafista fazer uma panorâmica perfeita e tudo é muito suave.”

Proximidade

A filmagem de Senna também é auxiliada pela localização de muitas das câmeras. As medidas de segurança não eram tão intensas como agora e, naquela época, os cinegrafistas podiam ficar posicionados no topo das barreiras.

Isso é bom para chegar o mais perto possível da ação: mas não é ideal se rodas ou carros vierem voando em sua direção!

“Os cinegrafistas não estavam atrás de cercas naquela época”, explicou Locke. “Eles ficavam na parede, então há um pouco mais de restrição de segurança nesta pista.”

“Em outras pistas, como Bahrein e China, temos 250 metros de distância, o que é realmente desafiador.”

O som

Assistir a um ótimo pode ter o componente do som muito importante  e o clipe Senna não é exceção.

É bem sabido que os fãs lamentam a saída dos motores V10 / V8, e parte da magia da volta de Senna é o motor gritando.

“O que realmente fez aquele clipe me impressionar um pouco foi o áudio”, disse Locke. “E eu acho que o áudio desempenha um grande papel.”

“Um dos meus diretores de pista o comparou aos jatos Eurofighter. Quando você os ouve, eles parecem muito mais dramáticos e muito mais rápidos. Eu acho que o áudio foi bem forte.”

“Queremos aquele som de volta! Temos 150 microfones disponíveis para tentar tornar o som mais dramático.”

F1 'define' Senna como mais rápido da história, em lista que conta com bizarrices

PODCAST: Senna é o maior esportista brasileiro após a era Pelé?

 

Fim do "modo festa" visa evitar ganho de desempenho 'travestido' por confiabilidade

Artigo anterior

Fim do "modo festa" visa evitar ganho de desempenho 'travestido' por confiabilidade

Próximo artigo

Red Bull: Albon está melhor do que os resultados sugerem

Red Bull: Albon está melhor do que os resultados sugerem
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble