Fórmula 1
03 jul
-
05 jul
Evento encerrado
10 jul
-
12 jul
Evento encerrado
R
GP da Hungria
17 jul
-
19 jul
Próximo evento em
1 dia
31 jul
-
02 ago
Próximo evento em
15 dias
R
GP de 70º aniversário
07 ago
-
09 ago
Próximo evento em
22 dias
28 ago
-
30 ago
Próximo evento em
43 dias
04 set
-
06 set
Próximo evento em
50 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Canceled
25 set
-
27 set
Próximo evento em
71 dias
08 out
-
11 out
Canceled
R
GP dos Estados Unidos
23 out
-
25 out
Próximo evento em
99 dias
R
GP do México
30 out
-
01 nov
Próximo evento em
106 dias
13 nov
-
15 nov
Próximo evento em
120 dias
R
GP de Abu Dhabi
27 nov
-
29 nov
Próximo evento em
134 dias

Ex-presidente da Ferrari: Senna e Schumacher juntos seria "tiro no pé"

compartilhar
comentários
Ex-presidente da Ferrari: Senna e Schumacher juntos seria "tiro no pé"
Por:
, Motorsport-Total Editor
9 de abr de 2020 11:31

Morte de brasileiro abriu caminho para a escuderia assinar com alemão, como conta Luca di Montezemolo

A transferência de Michael Schumacher da Benetton para a Ferrari na Fórmula 1 em 1996 provavelmente nunca teria acontecido sem a morte de Ayrton Senna, ocorrida em 1º de maio de 1994, em Ímola.

Ex-presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo revelou em uma entrevista que contratar Ayrton Senna para a Scuderia era uma prioridade, combinada com o desejo do brasileiro de deixar a Williams após as complicações que encontrou desde a pré-temporada em 1994.

Leia também:

Uma mudança teria sido possível em 1996, mas após o acidente em Imola em 1994, a Ferrari teve que olhar para o outro lado e contratou Schumacher. No entanto, se Senna estivesse vivo, ele poderia ter sido companheiro de equipe do alemão? Montezemolo deu a resposta.

"Unir Schumacher e Senna significaria que teríamos dado um tiro no pé", disse Montezemolo à Sky Sports. "Não teria funcionado, porque se você tem duas estrelas no mesmo time, não ganha, não teria sido bom para a Ferrari".

Além de Schumacher, a escuderia trouxe o irlandês Eddie Irvine como segundo piloto, que, exceto pela luta no campeonato de 1999, quando Schumacher estava ausente devido a uma perna quebrada, se conformou em ser o nº 2 da equipe. Seu sucessor, Rubens Barrichello também desempenhou esse papel sob o comando de Luca di Montezemolo, mesmo que ele se considerasse "1b".

GALERIA: Relembre todos os carros e a trajetória de Michael Schumacher na F1

Galeria
Lista

1991: Jordan/Benetton - 14º lugar, 4 pontos, 6 GPs

1991: Jordan/Benetton - 14º lugar, 4 pontos, 6 GPs
1/20

Foto de: LAT Images

1991: Jordan/Benetton - 14º lugar, 4 pontos, 6 GPs

1991: Jordan/Benetton - 14º lugar, 4 pontos, 6 GPs
2/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

1992: Benetton - 3º lugar, 1 vitória, 53 pontos, 16 GPs

1992: Benetton - 3º lugar, 1 vitória, 53 pontos, 16 GPs
3/20

Foto de: LAT Images

1993: Benetton - 4º lugar, 1 vitória, 52 pontos, 16 GPs

1993: Benetton - 4º lugar, 1 vitória, 52 pontos, 16 GPs
4/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

1994: Benetton - Campeão, 8 vitórias, 92 pontos, 16 GPs

1994: Benetton - Campeão, 8 vitórias, 92 pontos, 16 GPs
5/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

1995: Benetton - Campeão, 9 vitórias, 102 pontos, 17 GPs

1995: Benetton - Campeão, 9 vitórias, 102 pontos, 17 GPs
6/20

Foto de: LAT Images

1996: Ferrari - 3º lugar, 3 vitórias, 59 pontos, 16 GPs

1996: Ferrari - 3º lugar, 3 vitórias, 59 pontos, 16 GPs
7/20

Foto de: XPB Images

1997: Ferrari - Desclassificado (2º lugar), 5 vitórias, 78 pontos, 17 GPs

1997: Ferrari - Desclassificado (2º lugar), 5 vitórias, 78 pontos, 17 GPs
8/20

Foto de: LAT Images

1998: Ferrari - 2º lugar, 6 vitórias, 86 pontos, 16 GPs

1998: Ferrari - 2º lugar, 6 vitórias, 86 pontos, 16 GPs
9/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

1999: Ferrari - 5º lugar, 2 vitórias, 44 pontos, 10 GPs

1999: Ferrari - 5º lugar, 2 vitórias, 44 pontos, 10 GPs
10/20

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

2000: Ferrari - Campeão, 9 vitórias, 108 pontos, 17 GPs

2000: Ferrari - Campeão, 9 vitórias, 108 pontos, 17 GPs
11/20

Foto de: Charles Coates / Motorsport Images

2001: Ferrari - Campeão, 9 vitórias, 123 pontos, 17 GPs

2001: Ferrari - Campeão, 9 vitórias, 123 pontos, 17 GPs
12/20

Foto de: Ercole Colombo

2002: Ferrari - Campeão, 11 vitórias, 144 pontos, 17 GPs

2002: Ferrari - Campeão, 11 vitórias, 144 pontos, 17 GPs
13/20

Foto de: Brousseau Photo

2003: Ferrari - Campeão, 6 vitórias, 93 pontos, 16 GPs

2003: Ferrari - Campeão, 6 vitórias, 93 pontos, 16 GPs
14/20

Foto de: LAT Images

2004: Ferrari - Campeão, 13 vitórias, 148 pontos, 18 GPs

2004: Ferrari - Campeão, 13 vitórias, 148 pontos, 18 GPs
15/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

2005: Ferrari - 3º lugar, 1 vitória, 62 pontos, 19 GPs

2005: Ferrari - 3º lugar, 1 vitória, 62 pontos, 19 GPs
16/20

Foto de: XPB Images

2006: Ferrari - 2º lugar, 7 vitórias, 121 pontos, 18 GPs

2006: Ferrari - 2º lugar, 7 vitórias, 121 pontos, 18 GPs
17/20

Foto de: Sutton Motorsport Images

2010: Mercedes - 9º lugar, 72 pontos, 19 GPs

2010: Mercedes - 9º lugar, 72 pontos, 19 GPs
18/20

Foto de: XPB Images

2011: Mercedes - 8º lugar, 76 pontos, 19 GPs

2011: Mercedes - 8º lugar, 76 pontos, 19 GPs
19/20

Foto de: Andrew Hone / Motorsport Images

2012: Mercedes - 13º lugar, 49 pontos, 20 GPs

2012: Mercedes - 13º lugar, 49 pontos, 20 GPs
20/20

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Com essa divisão de papéis, a Ferrari conquistou cinco títulos consecutivos entre 2000 e 2004, depois de 21 anos sem campeonatos de pilotos. Schumacher também teve anos difíceis no início de seus dias com a equipe italiana.

O ex-presidente lembra que havia vozes críticas na Itália no momento em que a assinatura do piloto alemão foi anunciada. "Havia algum ceticismo, mas eu estava convencido da minha escolha porque era a hora certa.”

Schumacher poderia ter sido procurado dois anos antes, ele enfatiza, mas isso teria sido muito cedo. "Não tínhamos o carro para vencer. Michael veio depois de uma longa reestruturação de toda a equipe. Ele veio até nós quando o piloto poderia fazer a diferença."

GALERIA: Veja ilustrações exclusivas de todos os carros de Ayrton Senna na F1

Galeria
Lista

1984: Toleman TG183B

1984: Toleman TG183B
1/12

Foto de: Camille De Bastiani

Foi seu primeiro carro na Fórmula 1, apesar de Senna ter usado o monoposto apenas nas primeiras quatro corridas daquela temporada 1984, somando dois sextos lugares na África do Sul e na Bélgica.

1984: Toleman TG184

1984: Toleman TG184
2/12

Foto de: Camille De Bastiani

Foi com o novo carro da Toleman que o brasileiro conseguiu o famoso pódio na corrida chuvosa em Mônaco. Além disso, conquistou mais dois terceiros lugares, na Grã-Bretanha e em Portugal.

1985: Lotus 97T

1985: Lotus 97T
3/12

Foto de: Camille De Bastiani

A Lotus carregava um motor Renault. Com o monoposto, ele conseguiu uma vitória já em sua segunda corrida, em Portugal, antes de cair em uma sequência de sete provas consecutivas sem pódios. Voltou ao top-3 na Áustria com o segundo lugar, iniciando uma série de cinco pódios, incluindo uma vitória na Bélgica.

1986: Lotus 98T

1986: Lotus 98T
4/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em sua segunda temporada com a Lotus, a equipe usou novamente o motor Renault V6. Os resultados chegaram: seis pódios, incluindo vitórias de Espanha e Detroit, nas oito primeiras corridas. No final, Senna somou 11 pódios para terminar em quarto entre pilotos.

1987: Lotus 99T

1987: Lotus 99T
5/12

Foto de: Camille De Bastiani

Com o Lotus 99T, já com motor Honda, o piloto ficou em terceiro lugar no campeonato de pilotos. Durante o ano, ele somou duas vitórias, quatro segundos lugares e dois terceiros. Essa foi a melhor posição de qualificação até então para o brasileiro.

1988: McLaren MP4/4

1988: McLaren MP4/4
6/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em seu primeiro ano com a McLaren, seu carro foi o MP4/4, com motor Honda. Já em sua segunda corrida, Senna venceu o GP de San Marino. Depois de abandonar em Mônaco, obteve um segundo lugar no México, iniciando série de oito pódios consecutivos, incluindo seis vitórias. No GP do Japão, ele subiu novamente ao topo do pódio e conquistou seu primeiro campeonato na F1.

1989: McLaren MP4/5

1989: McLaren MP4/5
7/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em sua segunda temporada com a McLaren, Senna guiou o MP4/5, impulsionado pela Honda. Foi o ano da intensificação da rivalidade com Alain Prost. No decorrer da temporada, ele somou seis vitórias e um segundo lugar na Hungria.

1990: McLaren MP4/5B

1990: McLaren MP4/5B
8/12

Foto de: Camille De Bastiani

A terceira temporada de Senna pela McLaren marcou a saída de Alain Prost para a Ferrari, o que fez com que os números dos carros britânicos fossem alterados. O francês levou consigo o projetista Steve Nichols. Por isso, a McLaren fez alterações no seu carro do ano anterior, com novidades no corpo e na asa traseira. Deu certo: ganhou o Mundial de Construtores e Senna reconquistou o título.

1991: McLaren MP4/6

1991: McLaren MP4/6
9/12

Foto de: Camille De Bastiani

O MP4/6 impulsionado por um Honda V12 foi o último carro com o qual Senna brigou frequentemente por vitórias na McLaren. O início da temporada deu-lhe quatro vitórias. Depois, dois terceiros lugares, no México e na França. Os triunfos na Hungria, Bélgica e Austrália, com os segundos lugares de Itália, Portugal e Japão, deram a ele seu terceiro e último título mundial na Fórmula 1.

1992: McLaren MP4/7

1992: McLaren MP4/7
10/12

Foto de: Camille De Bastiani

A McLaren começou a temporada com uma atualização do chassi de 1991 na África do Sul e no México, onde Senna conseguiu o terceiro lugar. No Brasil, veio o novo carro MP4/7, para as restantes 14 datas do campeonato. Senna ainda ganhou três GPs (Mônaco, Hungria e Itália) e três pódios (San Marino, Alemanha e Portugal), terminando em quarto no campeonato vencido por Nigel Mansell.

1993: McLaren MP4/8

1993: McLaren MP4/8
11/12

Foto de: Camille De Bastiani

Com o novo motor Ford, Senna começou sua última temporada com a McLaren ao volante do MP4/8. O início da temporada permitiu-lhe três vitórias e dois pódios nas primeiras seis corridas de 1993. No fim do ano, ainda venceu no Japão e na Austrália.

1994: Williams FW16

1994: Williams FW16
12/12

Foto de: Camille De Bastiani

Em seu desejo de vencer seu quarto campeonato mundial, Ayrton Senna mudou para a Williams em 1994. Entretanto, perdeu a suspensao eletrônica de seu antecessor em virtude das novas regras da F1 e ficou desvantagem. Em seu terceiro GP com o FW16, Senna faleceu após forte batida na curva Tamburello, em Imola.

VÍDEO: Top-5 corridas mais geniais de pilotos na F1, por Felipe Motta

Podcast Motorsport.com: Senna é o melhor piloto de todos os tempos da F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Próximo artigo
Brawn: F1 2020 deve começar em julho, na Europa, e sem público

Artigo anterior

Brawn: F1 2020 deve começar em julho, na Europa, e sem público

Próximo artigo

McLaren: Ferrari e Red Bull estão "brincando com fogo" na F1

McLaren: Ferrari e Red Bull estão "brincando com fogo" na F1
Carregar comentários