Entenda como resposta de Bottas sobre chassis atiçou nova teoria da conspiração da Fórmula 1

Entrevista coletiva do finlandês gerou dúvidas sobre trocas de componentes entre pilotos, que deixaram Toto Wolff e Mercedes sem paciência

Entenda como resposta de Bottas sobre chassis atiçou nova teoria da conspiração da Fórmula 1

Uma troca planejada dos monocoques nos carros de Valtteri Bottas e Lewis Hamilton se tornou um dos maiores pontos de discussão no GP da França de Fórmula 1. Como é frequentemente o caso na categoria, durante a busca para criar histórias em busca de controvérsia, o debate rapidamente se esgotou. Resumindo: tornou-se uma coisa que não é de fato.

Revendo a história até quinta-feira, a notícia da troca do chassi surgiu após a entrevista de Bottas na coletiva. No início deste ano, a FIA adicionou uma seção de perguntas dos fãs ao formato, dando a oportunidade às crianças locais de fazerem perguntas aos pilotos. Embora sejam divertidos e gerem respostas sobre seus filmes favoritos ou superpoderes, elas se revelaram inúteis para os jornalistas.

Leia também:

No entanto, não foi o caso da vez. Quando o finlandês foi questionado por um jovem fã se ele sempre pilotou o mesmo carro, ele disse: "Às vezes podemos mudar o chassi. Acho que tenho um diferente neste fim de semana. Portanto, nem sempre é o mesmo carro."

Este comentário fez a bola rolar. Bottas acrescentou que "para ele, sempre foi planejado mudar para um chassi diferente no momento", com a Mercedes acrescentando detalhes de que havia trocado o componente com Hamilton, do quarto para o sexto em uma mudança ligada à quilometragem e vida útil dos carros. Valtteri dirigiu o chassi nº 5 no início do ano, que ainda não voltou a circular após o acidente em Ímola.

Valtteri Bottas, Mercedes in the Press Conference

Valtteri Bottas, Mercedes in the Press Conference

Photo by: FIA Pool

Trocas do tipo são comuns na F1, mas no contexto do complicado início de ano de Bottas, e principalmente depois de suas dificuldades no Azerbaijão, há duas semanas, isso se tornou um ponto de intriga, que só foi agravado quando o finlandês teve a vantagem sobre Hamilton nos treinos de sexta-feira. Ele terminou à frente em ambas as sessões, com mais de dois décimos de vantagem no TL2.

O heptacampeão comentou no rádio da equipe que "havia algo errado com o carro". Mais tarde, revelou que a equipe estava "andando em círculos" na configuração durante os treinos, talvez explicando seu comentário.

Valtteri disse depois do treino que era "difícil falar" se a mudança do chassi o ajudou, mas o britânico foi rápido em minimizar o papel que desempenhava. "Muito raramente há diferenças entre os componentes", disse Hamilton. Questionado sobre sentir algo significativamente diferente com seu carro em comparação a Baku, disse: "Acho que não".

Isso não interrompeu a narrativa em alguns cantos. O fato dele estar usando o chassi com que Bottas estava a caminho de terminar em segundo em Mônaco foi ignorado. Não, era simplesmente aquele com o qual o finlandês lutou tanto em Baku, o que significa que é claro que foi por isso que Hamilton estava com pouco ritmo na sexta-feira...

Toto Wolff apontou que estava "esplêndido" em Mônaco durante uma entrevista à Sky Sports, mas deixou claro que se houvesse qualquer preocupação apropriada com o chassi, a Mercedes obviamente faria uma mudança.

Na preparação para a qualificação, a história ainda não estava sendo largada. Valtteri novamente ganhou de Hamilton por alguns décimos no TL3, permitindo que observações mais preguiçosas fossem feitas. O incêndio foi alimentado ainda mais pelo ex-piloto da equipe, Nico Rosberg, que foi citado como tendo dito na Sky Sports que as trocas de chassis não eram padrão em seu tempo de escuderia.

No entanto, o comentário do alemão foi rapidamente refutado. Em um tweet de 2018, a conta oficial da Mercedes escreveu sobre o carro nº 1 de 2015, o W06: "Lewis Hamilton pilotou este no primeiro semestre de 2015 antes de Nico Rosberg assumi-lo no segundo."

 

A qualificação finalmente fez o debate enfraquecer. Tanto Lewis quanto Bottas foram rápidos ao longo da sessão, regularmente andando na frente. Enquanto Max Verstappen conquistou a pole para a Red Bull, Hamilton garantiu o segundo lugar no grid, pouco mais de um décimo à frente do companheiro de equipe.

"No geral, estive infeliz com o carro neste fim de semana", disse ele na entrevista pós-classificação com Paul di Resta. "Eu vi você inventar algum mito e fiquei feliz em poder provar que estava errado - a qualidade do trabalho de nossos engenheiros, você sabe, todos os carros são exatamente iguais."

Foi uma declaração forte, sobre a qual ele foi questionado na coletiva de imprensa. "Acho que ouvi ontem que Paul estava falando algo sobre o chassi", disse Hamilton. "Penso que havia um comunicado à imprensa... não sei." (A Mercedes na sexta-feira simplesmente listou o número do componente usado, como é padrão).

"E então apenas criaram a questão sobre o nosso chassi ser o mesmo e, como podem ver, hoje consegui fazer um excelente trabalho com o mesmo bólido, por isso não é diferente."

Wolff enfrentou mais questionamentos sobre isso na Sky após a qualificação, sendo solicitado a "esclarecer tudo". Ele novamente destacou que era um procedimento rotineiro e que todos os carros passam por testes rigorosos para garantir que não haja grandes diferenças.

"Os pilotos foram informados no meio da semana ou no fim de semana da corrida que há uma chance de trocar e não houve nem um comentário sobre isso", disse o chefe. "Está na mente de um piloto, é claro, se as coisas de repente não parecerem bem e oferecermos uma troca de chassi durante a noite. Mas não, continuamos com o que temos."

Novamente, se fosse um problema, a Mercedes teria acomodado uma mudança para Hamilton, mas o heptacampeão mundial não viu razão para isso.

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Toto Wolff, Team Principal and CEO, Mercedes AMG

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Quando Wolff veio para completar sua última entrevista à mídia do dia, o assunto já havia morrido. A escuderia até foi irônica antes da sessão e disse que haveria um "ponto de penalidade" para qualquer jornalista que dissesse as palavras "troca de chassi", tamanho era o tédio da equipe sobre o assunto. A primeira pergunta - previsivelmente - foi sobre o assunto.

"Então, de qual time você é?", ele perguntou. "Daquele que pensa que Lewis está em desvantagem, ou o que acha que Valtteri está prejudicado?"

Nosso colega esclareceu que ele estava apenas tentando entender o que aconteceu, o que levou o chefe a explicar como a Mercedes gerenciava sua distribuição dos componentes. A equipe tem quatro em uso no momento: o #3, que está em uma caixa como chassi sobressalente no momento; #4, usado por Hamilton na França; #5, sendo corrigido após a batida de Imola; e #6, utilizado por Bottas.

"Temos quatro chassis reutilizáveis e, provavelmente, se você investigar as outras grandes equipes, como Ferrari e Red Bull, eles também deveriam ter chassis do tipo em vez de produzir um novo, porque seria muito caro", disse Wolff.

“Portanto, estamos transportando quatro. Um teve problemas em Ímola. Foram todos componentes que ganharam corridas nos últimos anos e que têm sido utilizados por todos, pelos dois pilotos.

"Há um plano no início da temporada, para onde vai o chassi, se houver algum dano, quando podemos consertá-lo? Quando ele volta aos boxes como um sobressalente? Não há outro pensamento por trás disso. Nos dias de hoje, quando esses voltam à fábrica, são escaneados a laser. Verificados quanto à rigidez. Se houver o menor desvio, não será utilizado", completou.

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Mito totalmente destruído, mas há uma questão final: se dois pilotos estão absolutamente satisfeitos com seus carros, por que a equipe faria uma troca direta em vez de mantê-los no mesmo chassi pelo maior tempo possível?

Um tweet enviado por um designer de compostos da Mercedes ofereceu uma ideia: “Acho que é apenas uma decisão de negócios - os componentes valem mais se Lewis tiver vencido neles!” É importante notar que Hamilton já ganhou com o #4 - na Espanha e na Bélgica no ano passado - graças à reutilização de 2020 para 2021.

Faz sentido. Ser capaz de destacar o sucesso de um carro com dois pilotos sem dúvida o tornaria mais valioso, com o tweet de 2018 sobre o W06 notando o recorde de maior número de pole positions conquistadas com um único chassi.

Se o debate fosse realmente um problema, com as margens tão boas quanto na corrida pelo título, Hamilton já teria "exposto" e a Mercedes agiria rapidamente. Nenhum dos dois pode se dar ao luxo de perder o desempenho agora.

Então, vamos deixar de lado os chapéus de alumínio e, com sorte, nunca mais dar oxigênio a essa história novamente.

FIM DA LINHA para Bottas? Finlandês é ALVO pós-GP e Russell GANHA FORÇA na Mercedes. Mas JÁ EM 2021?

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual é o tamanho do "drama" de Bottas e Mercedes em 2021?

 

compartilhar
comentários
F1 2021: Confira os horários e como acompanhar o GP da Estíria, com a estreia da W Series
Artigo anterior

F1 2021: Confira os horários e como acompanhar o GP da Estíria, com a estreia da W Series

Próximo artigo

F1 - Wolff sugere que Red Bull introduziu nova unidade de potência e Horner responde: "Não sei do que ele está falando"

F1 - Wolff sugere que Red Bull introduziu nova unidade de potência e Horner responde: "Não sei do que ele está falando"
Carregar comentários