Estrela da Indy alega que Herta está pagando por "ganância" passada da Fórmula 1

Alexander Rossi foi até redes sociais para mostrar descontentamento com FIA e rejeição da superlicença do norte-americano

Colton Herta, Andretti Autosport w/ Curb-Agajanian and Alexander Rossi, Andretti Autosport

Alexander Rossi, piloto da Indy, criticou o sistema de pontos da superlicença da FIA por impedir que Colton Herta corra na Fórmula 1 em 2023, dizendo que ele "deveria ter essa oportunidade se for oferecida a ele."

Herta foi amplamente ligado a uma vaga na AlphaTauri na próxima temporada no caso de Pierre Gasly se transferir à Alpine, mas o sete vezes ganhador da Indy precisa dos pontos necessários para fazer a mudança para a F1.

Leia também:

A FIA deixou claro que não vai mudar suas normas para abrir uma exceção com Herta, então a Red Bull abriu mão de contrata-lo e agora está se concentrando em Nyck de Vries depois de sua aparição com a Williams em Monza, com a perspectiva de Herta na F1 parece ter terminado por hora.

Rossi segue sendo o piloto estadunidense mais recente a correr na F1, completando cinco GP's para  a Manor na temporada 2015 e foi companheiro de equipe de Herta na Andretti Autosport na Indy durante as últimas temporadas.

Alexander Rossi, Manor Marussia MR03

Alexander Rossi, Manor Marussia MR03

Photo by: Alastair Staley / Motorsport Images

O vencedor da 500 Milhas de Indianápolis em 2016, que vai se mudar para a Arrow McLaren SP na próxima temporada, escreveu em suas redes sociais que Herta "tem talento e capacidade para estar na F1."

 

Mesmo apoiando a premissa do sistema de pontuação da superlicença, ao evitar que o dinheiro seja o principal fator de motivação para a contratação dos pilotos, Rossi disse que era uma pena que fosse necessário, alegando que "as decisões do passado, por ganância ou por necessidade" tinham criado um obstáculo desnecessário.

Rossi fez eco dos comentários realizados por seu futuro chefe de equipe na Indy, Zak Brown, que este ano colocou Herta para provar o carro de F1 da McLaren (da temporada passada), que argumentou alegando que "todo o sistema de superlicença deveria ser revisado."

Escrevendo que estava "cansado destas idas e vindas" sobre o sistema de pontuação da superlicença, Rossi disse: "Toda a premissa era evitar que as pessoas comprassem seu caminho na F1 e permitir que o talento fosse o fator de motivação. Isso é incrível."

"Todos estamos de acordo que Colton ter o talento e a capacidade para estar na F1. Isso também é ótimo e ele deveria ter essa oportunidade se for oferecida a ele. E ponto."

"O automobilismo segue sendo o esporte de mais alto nível do mundo onde o dinheiro pode pesar mais que o talento.

"O que é decepcionante e, na minha opinião, o problema fundamental é que o elemento esportivo muitas vezes ficou em segundo plano em relação à parte comercial, então teria que ter um método para que certar equipes pararem de contratar pilotos unicamente em função do seu respaldo financeiro."

"Em última instância, essas decisões passadas, seja por ganância ou por necessidade, é o que custou a Herta a oportunidade de tomar a decisão por si mesmo sobre querer mudar de carreira e correr na F1. Não os pontos pela superlicença."

Podcast #195 - Fantasma de Abu Dhabi assombra Monza: o que mudar na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Equipes da F1 correm contra o tempo para cumprir regra de novatos em treinos livres; veja panorama do paddock
Próximo artigo F1: Com bicampeonato encaminhado, Verstappen compara momento atual da Red Bull com época do kart

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil