F1: Ex-diretor da Williams diz que família deveria ter vendido equipe mais cedo

Paddy Lowe disse que última passagem, até 2019, foi angustiante e que time tentará sair de espiral negativa a partir de agora

F1: Ex-diretor da Williams diz que família deveria ter vendido equipe mais cedo

Paddy Lowe acredita que a família Williams deveria ter vendido a equipe de Fórmula 1 mais cedo para evitar que caísse em uma "espiral muito negativa" que ele considerou "angustiante" antes de sua saída.

Lowe deixou a Mercedes no final de 2016 para ingressar na Williams como diretor técnico, além de se tornar acionista da equipe onde trabalhou entre 1987 e 1993, conquistando o título mundial em 1992 com Nigel Mansell.

Leia também:

Mas o retorno de Lowe para Williams foi menos bem-sucedido, pois a equipe caiu para o fundo da tabela do campeonato de construtores em 2018. Atrasos significativos na construção e design do carro de 2019 levaram Lowe a ser colocado em licença antes de sua partida definitiva, três meses depois.

A Williams terminou em último lugar no campeonato de construtores nas últimas três temporadas, mas passou por uma mudança de propriedade no verão passado depois que a família Williams vendeu suas ações para Dorilton Capital.

Falando ao podcast oficial da F1, Beyond the Grid, Lowe disse que se sentiu "satisfeito" quando soube que a equipe havia sido vendida e que a família Williams iria embora.

"Isso é o que eles precisavam fazer há muito tempo e, para ser honesto, deveriam ter feito antes, por todos os tipos de razões que não têm a ver com nenhum indivíduo", disse Lowe.

"A equipe está em uma espiral muito negativa do ponto de vista do financiamento. Enquanto eu estava lá, observei a espiral progredir ainda mais pelo ralo, e era bastante angustiante.”

"Você entende que não existe um bom ponto final além de uma venda. Portanto, é melhor cortar isso agora e seguir em frente, antes que tudo acabe.”

“Estou muito feliz que a equipe foi vendida por um preço razoável para que Claire e seus irmãos saíssem com algo para trabalhar com as grandes coisas que a família conquistou ao longo dos anos, e o nome é mantido.”

"Eles têm novos investidores que terão dinheiro para levar adiante e virar essa espiral na outra direção, o que será um processo longo."

Lowe disse durante o podcast que sua segunda passagem pela Williams foi "um período sobre o qual eu realmente não gosto de me alongar" e que ele "não gostou" do tempo em Grove, chamando-o de "trabalho realmente árduo sem recompensa alguma."

Lowe sentiu que alguns dos problemas da equipe eram mais antigos do que sua chegada, acreditando que o motor da Mercedes usado a partir da mudança de regulamento em 2014 mascarou muitos de seus problemas.

"Williams teve o benefício do melhor motor, de modo que deu algumas, digamos, falsas impressões de desempenho subjacente", disse Lowe.

"Eles estavam vivendo de uma série de outras vantagens de legado que gradualmente se desfizeram. Quando a organização começa a perder seu rumo porque não teve o investimento certo ou tomou as decisões certas, ela não fez carros ruins instantaneamente.”

"Desejo a Williams tudo de bom com seus novos proprietários. É ótimo que eles tenham proprietários que têm financiamento, porque no final, você precisa disso."

GP de Portugal, Canadá por Turquia e corridas aos sábados com Rico Penteado | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Oscar das pistas: histórias da F1 que rendem filme

 

compartilhar
comentários
Alonso admite que improvisar na F1 é mais difícil do que na Indy e no WEC
Artigo anterior

Alonso admite que improvisar na F1 é mais difícil do que na Indy e no WEC

Próximo artigo

F1: Honda está ajudando Red Bull com desenvolvimento do motor de 2022

F1: Honda está ajudando Red Bull com desenvolvimento do motor de 2022
Carregar comentários