Alonso admite que improvisar na F1 é mais difícil do que na Indy e no WEC

Espanhol comparou metodologia de trabalho e aprendizado de outras categorias que competiu com Fórmula 1

Alonso admite que improvisar na F1 é mais difícil do que na Indy e no WEC

Fernando Alonso disse que é mais difícil improvisar na Fórmula 1 do que na IndyCar ou em carros esportivos, mas espera aplicar as lições aprendidas nessas categorias este ano.

O bicampeão mundial voltou à F1 em 2021 com a Alpine, depois de passar os últimos dois anos explorando outras categorias.

Leia também:

O espanhol venceu as 24 Horas de Le Mans duas vezes com a Toyota, além de conquistar o título do Campeonato Mundial de Endurance da FIA (WEC).

Ele correu duas vezes nas 500 milhas de Indianápolis, mais recentemente em 2020, como parte de seu esforço para completar a Tríplice Coroa e também competiu no Dakar no ano passado.

Alonso embarcou na exploração de outras categorias em uma tentativa de se tornar mais versátil como piloto, e achou mais fácil improvisar fora da F1, devido à rotina disciplinada de um fim de semana.

"Há muitas coisas que você pode aprender com qualquer outra experiência fora da Fórmula 1", disse Alonso. "Como a F1 é um ambiente muito fechado, você repete a mesma coisa a cada duas semanas e a mesma rotina exata a cada duas semanas. Seu estilo de direção fica o mesmo ao longo dos anos, e você apenas segue de certa forma as instruções de seu time.”

"Eles estão otimizando tudo no carro e também o seu estilo de guiar, então eles estão dizendo a você o que fazer - onde economizar os pneus, onde economizar a energia da bateria, entre outras coisas.”

"Tudo é tão controlado que não é possível improvisar muitas coisas em um fim de semana de Fórmula 1."

Alonso explicou como as várias classes e os elementos adicionados aos companheiros de corrida no endurance ensinaram-lhe novas habilidades, além de aprofundar os preparativos para a Indy 500.

"Nas corridas de endurance você tem que ser você mesmo, muito mais do que em qualquer outro carro de corrida. Você está encontrando tráfego em diferentes lugares em diferentes voltas, em diferentes horas do dia, para cada volta", disse Alonso.

"Cada vez que você entra no carro, você tem que compartilhar muito mais com seus companheiros de equipe. Há muito mais trabalho em equipe nas corridas de endurance do que na Fórmula 1, então há coisas que você está aprendendo e está adotando uma abordagem diferente para suas futuras aventuras no automobilismo.”

“O mesmo na Indy, acho que o nível de detalhe que você tem que alcançar em termos de configuração, em termos de preparação para a Indy 500, é muito maior do que qualquer evento de Fórmula 1.”

“Os carros são iguais e pequenos detalhes podem afetar o estilo de direção, o desempenho, as oportunidades de ultrapassagem. É preciso antecipar algumas coisas que acontecerão nas próximas duas ou três voltas.”

"Há muitas lições que você aprende em diferentes categorias que, espero, possam aplicar na Fórmula 1, ou eu posso aplicar no futuro."

GP de Portugal, Canadá por Turquia e corridas aos sábados com Rico Penteado | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Oscar das pistas: histórias da F1 que rendem filme

 

compartilhar
comentários
TELEMETRIA: GP de Portugal, saída do Canadá e volta da Turquia com Rico Penteado

Artigo anterior

TELEMETRIA: GP de Portugal, saída do Canadá e volta da Turquia com Rico Penteado

Próximo artigo

F1: Ex-diretor da Williams diz que família deveria ter vendido equipe mais cedo

F1: Ex-diretor da Williams diz que família deveria ter vendido equipe mais cedo
Carregar comentários