F1: Alonso detona comissários de Miami após punição: "Incompetentes"

Bicampeão mundial recebeu duas penalidades na prova mais recente da categoria

F1: Alonso detona comissários de Miami após punição: "Incompetentes"
Carregar reprodutor de áudio

Fernando Alonso criticou os comissários do GP de Miami de Fórmula 1 e disse que não vê melhora na arbitragem do campeonato, apesar das mudanças pós-2021 da FIA. 

Alonso e a Alpine não gostaram nada de uma punição que o bicampeão mundial recebeu após a corrida por cortar a chicane da pista de Miami durante os estágios finais da prova mais recente da F1.  

Os comissários sentiram que Alonso obteve uma vantagem duradoura ao sair da pista, o que ele contesta.  

A penalidade foi a segunda do espanhol na corrida de Miami, depois que ele também recebeu uma punição de cinco segundos por tocar na AlphaTauri de Pierre Gasly.

Leia também:

A Alpine já havia descrito a segunda penalidade como "totalmente injusta" e "difícil de aceitar" em defesas públicas de Alonso, Szafnauer e do CEO da Alpine, Laurent Rossi, com o primeiro pedindo à FIA que esclarecesse as regras sobre a devolução de qualquer vantagem quando nenhuma posição muda se um piloto sair da pista à frente de um rival. 

Na sexta-feira, Alonso também chamou a segunda penalidade de Miami de “injusta” antes de sugerir que sua raiva foi parcialmente provocada porque ele sentiu que os comissários de Miami tomaram a decisão “sem pedir [por] nenhuma prova” e, portanto, ficaram “de mãos atadas”, uma vez que a Alpine apresentou o seu caso. 

O documento que anuncia a segunda penalidade de Alonso se referia aos comissários revisando “provas de vídeo”, mas não a telemetria do carro, que a Alpine poderia fornecer após a corrida, onde tinha “o direito de recorrer de certas decisões dos comissários, de acordo com o artigo 15 da o Código Desportivo Internacional da FIA e o Capítulo 4 das Regras Judiciais e Disciplinares da FIA, dentro dos prazos aplicáveis”. 

“Acreditamos que foi muito injusto e foi apenas incompetência dos comissários”, disse Alonso.  

“Eles não foram muito profissionais em Miami." 

“Eles tomaram a decisão sem pedir nenhuma prova."

“Então, chegamos após a corrida com todas as provas e todos [os dados mostrando] o tempo de volta que demos e eles estavam fazendo as malas. Eles nem estavam na sala." 

“Chegamos lá, mostramos todos os dados. Então, eles disseram 'nos dê cinco minutos'."  

“E então eles se viram de mãos atadas, provavelmente porque já emitiram a multa e não sabiam como voltar desse documento. "

“Foi muito ruim e honestamente… já é passado, mas é algo que não deveria acontecer na Fórmula 1, com profissionais e os padrões que a Fórmula 1 tem agora.”

A FIA foi abordada para comentar sobre as afirmações de Alonso, mas ainda não havia respondido até o momento da publicação. 

Embora os comentários de Alonso acima se refiram especificamente aos comissários de Miami, que são nomeados pela FIA para atuar de forma independente na interpretação de suas regras em relação a qualquer incidente, e não ao diretor de corrida da FIA (nesse caso Wittich), ele também não se conteve ao discutir uma percebida falta de melhoria do órgão dirigente em relação à F1.

Quando questionado pelo Motorsport.com se ele tinha visto alguma melhora desde as tão divulgadas reformas da FIA, Alonso interrompeu a pergunta para responder: “Com certeza não”.

Quando perguntado sobre quais questões ele ainda sente que precisam ser abordadas nessa área, Alonso sugeriu que “algumas coisas já provam que ainda precisamos melhorar muito”, já que ele se referiu indiretamente a decisões anteriores de Wittich, que foi o diretor de corrida em todos os eventos até agora nesta temporada. 

“Você precisa ter algum conhecimento sobre corridas antes de ser um diretor de provas ou tentar monitorar uma corrida”, acrescentou Alonso. “E eu não acho que esse conhecimento esteja disponível no momento."

“Eu sei que há um novo diretor de provas aqui. Acho que Freitas tem muito mais experiência com o WEC e com outras categorias de alto nível. E acho que isso já vai melhorar as coisas."  

“Mas não foi… quer dizer, até o acidente que tivemos em Miami com Carlos [Sainz] e Esteban [Ocon] – nós pressionamos para ter algumas barreiras lá e alguns pneus, o que for, e ninguém fez nada."

“Então, quando você não tem esse conhecimento de corrida, é difícil falar.” 

Alonso insistiu que não acha que os padrões de segurança da F1 foram comprometidos em 2022, mas sugeriu que houve ocasiões em que as preocupações dos pilotos não foram suficientemente atendidas. 

Este episódio segue a ida e volta entre Wittich e os pilotos desde o GP da Austrália em abril sobre a proibição de usar joias e roupas íntimas não compatíveis em carros durante as ações na pista.

“A segurança tem sido boa e provavelmente este ano temos os carros e circuitos mais seguros e tudo – [o] ambiente é muito seguro agora na Fórmula 1”, disse Alonso.  

“Só precisamos continuar melhorando isso. Nós somos os únicos guiando os carros e sentindo os acidentes e coisas assim em nossos corpos, então quando sentimos que algo é necessário, acho que devemos ser ouvidos [também]." 

“Em Miami e alguns outros exemplos não tivemos isso porque parece que o foco está em outro lugar", concluiu. 

TELEMETRIA: Rico Penteado aponta favoritos para o GP da Espanha de F1

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST #178: Será o fim da linha para Vettel e Alonso na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
Piloto alemão ex-F1 detona Vettel e sugere ida de Seb para creche
Artigo anterior

Piloto alemão ex-F1 detona Vettel e sugere ida de Seb para creche

Próximo artigo

F1 AO VIVO: Tudo sobre dia decisivo na batalha entre Max x Leclerc no fim de semana na Espanha|SEXTA-LIVRE

F1 AO VIVO: Tudo sobre dia decisivo na batalha entre Max x Leclerc no fim de semana na Espanha|SEXTA-LIVRE