F1: Como a Ferrari pretende não repetir erros de 2017 e 2018 na briga pelo título

Scuderia liderou o campeonato em ambos os anos citados, mas perdeu ritmo no segundo semestre e viu a Mercedes levantar a taça

F1: Como a Ferrari pretende não repetir erros de 2017 e 2018 na briga pelo título
Carregar reprodutor de áudio

A Ferrari começou a temporada da Fórmula 1 2022 à frente, mas isso não a garante o título. Em Maranello, eles estão cientes do que precisam para vencer. A Scuderia já acumula 14 temporadas sem ser campeã de pilotos e 13 sem o mundial de construtores, uma longa seca que nomes da estatura de Fernando Alonso, Sebastian Vettel ou, em sua segunda passagem, Kimi Raikkonen sofreram.

2022 começou da melhor maneira para os italianos, com uma dobradinha na primeira corrida e um segundo e terceiro lugar na segunda, algo que coloca não apenas seus pilotos no topo da tabela, mas também o time confortavelmente no topo do ranking dos construtores.

Leia também:

No entanto, a Ferrari sabe perfeitamente que para ganhar um título (ou ambos) é necessário ser muito competitivo durante todo o ano, não apenas metade do percurso.

Em 2017, eles também venceram, com Vettel, a primeira corrida, e chegaram a liderar após 12 etapas, em setembro. No entanto, ficar para trás no desenvolvimento significou que Mercedes e Lewis Hamilton acabaram sendo campeões com alguma facilidade.

O roteiro foi semelhante em 2018, quando o alemão venceu as duas primeiras corridas e alternou com o britânico na liderança do mundial, mas tudo foi abaixo após seu acidente na Alemanha quando liderava a prova na chuva.

No entanto, e apesar de caro, esse abandono não seria decisivo em termos de campeonato, pois a Ferrari não melhorou tanto quanto a Mercedes. Nas últimas oito corridas, foram oito vitórias para os alemães.

Esses foram os últimos campeonatos mundiais em que a Ferrari brilhou (em 2019 venceu três corridas e em 2020 e 2021 nenhuma). Quando o chefe da equipe Mattia Binotto foi questionado neste domingo o que eles aprenderam com isso, ele foi claro.

"Primeiro, acho que manter o nível de desenvolvimento durante uma temporada é sempre um desafio não apenas para nós, mas para todas as equipes", disse ele. "É verdade que nossos concorrentes são muito fortes nisso e já provaram, enquanto a Ferrari nas duas últimas oportunidades, 2017 e 2018, perdeu um pouco de terreno."

Nesse sentido, desde então, a Ferrari deu um grande passo à frente com um novo túnel de vento e simulador, que eles acreditam que serão fundamentais. E sua interpretação dos novos regulamentos da F1 para 2022 nos permite pensar que eles estão em boa forma em nível técnico.

"Em relação ao design do carro, aprimoramos nossas ferramentas, que são as metodologias de túnel de vento e o simulador", explica Binotto. "E acho que estamos muito melhor preparados agora em comparação ao passado para fazer o trabalho adequado no desenvolvimento também."

Há dois outros aspectos importantes a serem lembrados para que este seja finalmente o ano da Ferrari. A primeira está relacionada ao limite orçamentário que a F1 abre em 2022, pois nos obriga a maximizar os recursos e, acima de tudo, a acertar o dinheiro gasto no desenvolvimento.

"Temos também que acrescentar que agora temos um teto orçamentário", lembrou Binotto. "De alguma forma, influenciará a taxa de desenvolvimento e acho que isso é um ponto chave."

O último elemento, e não menos importante, será o gerenciamento de seus pilotos. Em 2017, a Ferrari tomou decisões questionáveis, quando, por exemplo, na Itália, seu candidato ao título, Vettel, deu vácuo Raikkonen e não o contrário, o que fez o finlandês conquistar pole position.

Nessa mesma largada, Raikkonen se defendeu com unhas e dentes de seu companheiro de equipe em vez de favorecer a liderança, o que acabaria levando-o a uma briga com seu rival Hamilton, onde ele depois rodou.

Charles Leclerc esteve à frente de Carlos Sainz nas duas sessões de qualificação e nas duas corridas até agora, mas se o que vimos em 2021 se repetir, o madridista também estará lá nos outros fins-de-semana. Nesse caso, Ferrari terá aprendido a lição e vai querer deixar claro, quando chegar a hora, qual é a sua aposta para recuperar a coroa perdida, então certamente é urgente que Carlos mostra serviço mais cedo do que nunca.

Apesar de 2022 ter começado de forma muito esperançosa para os tifosi, eles sabem que a temporada é longa (mais do que nunca) e que os títulos não são conquistados em março ou abril. Será em novembro quando veremos o que tem sido um curso promissor para os de Maranello e se, finalmente, terminará 'feliz'.

GP TRADICIONAL vai SAIR da F1 por VEGAS; veja como 3ª prova nos EUA impacta calendário de 2023

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #170 – Leclerc x Verstappen tem potencial para ser novo Verstappen x Hamilton?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 - Button critica renovação de Norris com McLaren: "Conheço ninguém que tenha feito isso"
Artigo anterior

F1 - Button critica renovação de Norris com McLaren: "Conheço ninguém que tenha feito isso"

Próximo artigo

F1: Marko detalha como será redução de peso do carro da Red Bull e explica queda da Mercedes

F1: Marko detalha como será redução de peso do carro da Red Bull e explica queda da Mercedes