F1: Contra ultrapassagens ‘fáceis’, FIA quer encurtar zonas de DRS em 2023

Estudo vem sendo realizado para transformar ultrapassagens em batalhas mais duras

Track detail and a DRS board

A FIA parece destinada a reduzir a extensão de algumas zonas de DRS na Fórmula 1 na próxima temporada, em meio a preocupações de que as ultrapassagens tenham se tornado muito fáceis em vários locais.

A nova geração de carros com efeito de solo introduzida este ano teve como objetivo tornar as corridas mais emocionantes, permitindo que os pilotos corressem mais próximos - o que teria um benefício indireto de melhorar as chances de ultrapassagem.

Leia também:

No entanto, uma característica que surgiu ao longo de 2022 foi que o uso do DRS se tornou muito mais poderoso, de modo que os pilotos tinham quase garantia de passagem em algumas pistas assim que chegavam ao alcance.

A facilidade de algumas das ultrapassagens do DRS provou estar longe do ideal e parece que vai levar a FIA a examinar os dados deste ano para encurtar algumas das zonas de ativação na próxima temporada.

O diretor técnico de monopostos da FIA, Nikolas Tombazis, deixou claro que uma ultrapassagem garantida para um piloto quando está dentro do alcance do DRS é tão ruim para o espetáculo quanto os carros mais rápidos atrás não conseguirem passar.

Questionado pelo Motorsport.com se as coisas seriam ajustadas para 2023, Tombazis disse: “Em algumas corridas, podemos precisar reduzir as zonas DRS.

“Não queremos que as ultrapassagens sejam, como dizemos, inevitáveis ou realmente fáceis. Ainda tem que ser uma luta.

“Se acontecer muito rápido, se você só vir um carro se aproximando e depois passando e desaparecendo, na verdade é pior do que ficar atrás e brigar. Ele precisa do equilíbrio certo.”

Mick Schumacher, Haas VF-22, Valtteri Bottas, Alfa Romeo C42, Sebastian Vettel, Aston Martin AMR22

Mick Schumacher, Haas VF-22, Valtteri Bottas, Alfa Romeo C42, Sebastian Vettel, Aston Martin AMR22

Photo by: Simon Galloway / Motorsport Images

O diretor de automobilismo da F1, Ross Brawn, disse no mês passado que não queria que os chefes do esporte tivessem medo de dificultar os movimentos do DRS.

“A única coisa que conhecemos são os fãs, e sabemos disso porque não gostamos, eles não gostam de 'descer a reta, abrir o DRS, ultrapassar, guiar rápido, abrir espaço' tudo isso, ” disse ele ao Motorsport.com em entrevista exclusiva.

“Acho que em um mundo ideal, o DRS é usado apenas para atacar alguém, para que você possa realmente ter um ataque decente.”

Ele acrescentou: “Creio que não devemos ter medo de reduzir o DRS em lugares como Monza, porque parece um pouco 'você fica atrás deles, aperta o botão, e ultrapassa.

“Não é muito impressionante. E, portanto, não devemos ter medo de reduzir o uso do DRS, onde ele claramente se mostra muito poderoso”.

Binotto na Audi? Saiba de novo rumor na F1

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #207 – ‘Era Verstappen’ tem prazo de validade na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 anuncia extensão de contrato de Zandvoort até o final de 2025
Próximo artigo FIA proíbe formalmente 'truque' em asa da Mercedes para 2023

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil