F1: Diretor técnico da Mercedes usa Verstappen como exemplo para criticar atual efeito solo

James Allison vê uma certa limitação por conta da estreita janela de operação que os carros atuais oferecem

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14

Jake Grant / Motorsport Images

O diretor técnico da Mercedes, James Allison, acredita que as exigências de baixa altura de rodagem super rígida dos atuais carros com efeito solo "não são boas" para a Fórmula 1.

Como parte de um esforço para melhorar as ultrapassagens, a F1 mudou para um conceito de regras de efeito solo desde o início da temporada de 2022. No entanto, a natureza dos carros significa que eles produzem o pico de downforce próximo ao solo, o que força as equipes a terem que projetar carros incrivelmente baixos e com configurações de suspensão super rígidas. 

Leia também:

Isso deixou os esquadrões encurralados em um canto com configurações difíceis de gerenciar e significa que os pilotos têm que correr com carros que não são muito divertidos. 

Falando sobre a diferença entre o conjunto de regras antigo e o atual, Allison disse: "Vocês [a mídia] costumavam falar incessantemente sobre carros com freio alto e freio baixo como se isso fosse o começo, o fim e o meio de tudo. Um carro com freio alto tinha cerca de 140 mm [altura de rodagem traseira]. Um carro com freio baixo teria 120 mm ou algo assim. Bem, ambos são faixas estratosféricas em comparação com esses carros. "

"Todos esses carros estão partindo na casa dos 60 mm. Pode haver alguns milímetros de diferença entre eles, mas todos estão apenas no chão."  

Allison sugere que a estreita janela de operação dos carros atuais deixa as equipes e os engenheiros um pouco limitados demais em termos do que podem fazer. 

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Foto de: Steve Etherington / Motorsport Images

Lewis Hamilton, Mercedes W12

Falando sobre a diferença em relação ao conjunto de regras anterior, Allison disse: "Bem, você poderia ter um carro que fosse um pouco mais unidimensional em pistas que são um pouco mais unidimensionais. Portanto, se não houver uma grande variação de velocidade, talvez você possa configurar seu carro de modo que as curvas coincidam com o local onde está sua parte boa e você não sofra terrivelmente com a queda de ambos os lados."

"Mas quando você vai para um lugar que é um teste um pouco mais amplo para um carro, como Austin, por exemplo, isso vai testar a parte em que o desempenho está caindo. Isso testará a falha no final da reta [downforce] e o carro precisará se manter forte nas [curvas] rápidas."  

"E é difícil persuadir o carro a fazer todas essas coisas com um conjunto de regras que, basicamente, não quer fazer nada além de ficar perto do chão." 

Allison disse que essa era uma situação que não lhe agradava particularmente - e ele considerou que mesmo alguém que está tendo sucesso na era atual, como o campeão mundial Max Verstappen, não está especialmente feliz. 

"Tenho certeza de que estou falando sobre isso porque é um problema meu, mas pessoalmente não acho que seja uma coisa boa", disse ele. "Não acho que seja bom ter os carros operando, quando saem da garagem, com tanto espaço até o chão [sinaliza alguns milímetros com os dedos]."

"Você pega a pessoa que está vencendo o campeonato por uma das maiores margens de todos os tempos e tem todos os motivos para adorar seu carro, e duvido que ela diga que é uma coisa adorável. Não é como era há alguns anos."

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e McLAREN

Podcast #264 – O que Gil de Ferran deixa para o automobilismo?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1 - "Pensa demais": apesar de elogio, Button vê fraqueza em Norris
Próximo artigo F1 - Irvine dispara contra Hamilton: "Duvido que ganhe o oitavo título"

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil