Fórmula 1 GP da Emilia Romagna

F1: Entenda as razões por trás do cancelamento do GP de Ímola

O GP da Emilia Romagna, programado para este fim de semana, foi oficialmente cancelado; essa é a situação local que levou à decisão de não correr em Ímola

Imola Track sign

A sexta etapa da temporada 2023 da Fórmula 1, programada para acontecer no Autódromo Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, foi cancelada nesta quarta-feira após uma reunião realizada durante esta quarta-feira entre todas as partes envolvidas no processo de tomada de decisão para avaliar a situação na área do autódromo e na região.

Leia também:

Alerta vermelho

Desde o momento em que a região da Emilia Romagna foi colocada sob alerta vermelho meteorológico na noite de segunda-feira, sempre foi provável que houvesse alguma interrupção no evento de Imola.

No entanto, com as previsões de longo prazo prevendo melhorias à medida que o fim de semana da corrida se aproximava, havia esperança de que, uma vez que as piores 24 horas de tempo passassem, o caminho estaria livre para que as coisas melhorassem o suficiente para a F1 seguir em frente.

No entanto, durante a terça-feira, a situação mudou drasticamente, pois a quantidade de chuva que caiu na região local superou em muito até mesmo os piores cenários previstos. Embora se falasse em 100 mm de chuva nas áreas mais afetadas ao longo do dia e 150 mm em média no final de quarta-feira, as coisas eram consideravelmente piores do que isso.

Na hora do almoço de quarta-feira, as chuvas nas montanhas ao sul de Imola - que alimentam os rios nas áreas locais - foram medidas como chegando a 250 mm nas 36 horas anteriores.

Alarme sobre o rio

Essa chuva excessiva serviu para encher os rios drasticamente durante toda a terça-feira. No circuito, que fica bem ao lado do rio Santerno, os alarmes soaram bem cedo sobre a velocidade da subida. Com apenas um metro de altura às 6h de terça-feira, atingiu o primeiro nível de alerta de dois metros logo após as 11h – e não mostrou sinais de desaceleração.

Ao se aproximar do segundo nível de alerta de enchente de 2,5m às 12h, foi tomada a decisão de evacuar o circuito como medida de precaução caso o rio rompesse as margens e inundasse toda a pista.

O gráfico abaixo dos níveis do rio mostra a rapidez com que ele subiu e como o pico foi muito maior do que as enchentes que afetaram a região recentemente.

Hydrometric level river graphic

Hydrometric level river graphic

Photo by: Uncredited

Mesmo sem o impacto do rio, algumas áreas do circuito já estavam alagadas na tarde desta terça-feira, com imagens do complexo televisivo da F1 sendo inundado circulando nas redes sociais.

Quando o pessoal da F1 foi para seus hotéis, a situação piorou em vez de melhorar – uma imagem sombria emergiu da devastação que afetou a área. Cidades e vilas ficaram submersas quando os rios transbordaram e impactaram dezenas de milhares de pessoas.

Como o Santerno atingiu um pico de 3,8 metros às 19h, inundações generalizadas atingiram a região, já que as autoridades alertaram para pelo menos mais meio dia de chuva.

Cancelamento

Embora a manhã de quarta-feira tenha trazido alguma trégua, quando a chuva diminuiu um pouco e o nível do Santerno começou a baixar, as notícias foram terríveis em todo o resto da região sobre casas e empresas inundadas, pontes desabadas e devastação generalizada.

Ficou claro que as coisas agora não iriam para uma solução de compromisso para manter a corrida a todo custo, mas sim para cancelar tudo. As coisas na pista também não pareciam ideais, com o rio Santerno correndo para o paddock da F2 ao lado da F1 e deixando-o debaixo d'água.

Embora ainda houvesse espaço em teoria para comprimir o evento da F1 em dois dias, ou mesmo executá-lo a portas fechadas, foi a terrível situação ao redor do circuito que significava que até mesmo colocar o pessoal da F1 dentro e fora seria difícil o suficiente.

A realidade dos carros alugados deixados debaixo d'água, hotéis locais inundados, estradas fechadas, pontes desabadas, o risco de deslizamentos de terra e áreas do circuito de Imola sendo inundadas com água suja do Santerno significava que havia poucos motivos para acreditar que o evento poderia acontecer do ponto de vista prático.

Não era apenas impossível imaginar centenas de milhares de espectadores entrando e saindo todos os dias, mas mesmo administrá-lo para alguns milhares de funcionários essenciais da F1 representaria desafios significativos - e não sem riscos.

Ter milhares de veículos extras entupindo as estradas locais em um momento de extremo perigo era uma coisa ilógica de se deixar acontecer. Mas, talvez mais importante do que as questões puramente práticas, eram as questões de moralidade.

Pois em um momento em que estava claro que havia uma emergência terrível acontecendo perto do circuito, não seria uma boa ideia para a F1 continuar com um evento esportivo que exigia recursos dos serviços de emergência locais que estavam realmente melhor colocados em outro lugar. 

No final, não houve disputa entre a F1, a FIA e as autoridades locais de que não havia como as coisas continuarem e que a coisa certa em todas as frentes era cancelar.

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Além de Ímola-2023: relembre GPs de F1 cancelados com equipes já no autódromo
Próximo artigo ANÁLISE: Após polêmicas de Melbourne-2020 e Spa-2021, F1 acerta com Ímola-2023

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil