Entenda como acidente de Bottas destacou aperto financeiro das equipes na F1

Possível impacto no futuro programa de desenvolvimento do W12 desencadeado pelo gasto com danos do carro preocupou chefe da Mercedes

Entenda como acidente de Bottas destacou aperto financeiro das equipes na F1

Depois de um tenso GP da Emilia Romagna de Fórmula 1 para a Mercedes, umas das principais preocupações do chefe da equipe, Toto Wolff, foram as possíveis consequências do acidente sofrido por Valtteri Bottas.

Não foram os pontos perdidos que afligiam o austríaco, mas o possível impacto no futuro programa de desenvolvimento do W12 desencadeado pelo gasto com os danos do carro. Depois analisar o monoposto em Brackley, a equipe estimou que a conta final será de aproximadamente £1 milhão ( mais ou menos R$ 7 milhões).

Leia também:

O episódio destaca o quão pressionadas as escuderias do topo estão nesta nova era dos regulamentos da FIA.

A introdução do teto orçamentário de U$ 145 milhões ( aproximadamente R$ 794 milhões) em 2021 levou a grandes mudanças para Mercedes, Red Bull e Ferrari - todos tiveram que reduzir a equipe, mudar as pessoas para outros projetos e repensar profundamente como eles operariam. Se for gasto além, haverá penalidades, como existe para qualquer outra forma de quebra de regras.

“Tivemos que passar pela dor das demissões durante o inverno [europeu]”, disse Christian Horner da Red Bull. 

“Tivemos que nos redimensionar, nos recompor, e é muito difícil quando você se despede dos membros da equipe, alguns dos quais estão lá há 25 anos em seus diferentes formatos."

“Portanto, tem sido um exercício realmente difícil e continua sendo um desafio significativo, principalmente para as equipes maiores. Isso leva eficiência ao negócio, porque simplesmente precisa."

E um grande elemento dessa economia de gastos é fabricar e usar menos peças ao longo da temporada. 

A Mercedes silenciosamente introduziu mais aço e, portanto, menos carbono na suspensão do W12 puramente por razões de custo - a mudança deu às peças uma vida mais longa.

Mais do que nunca, as novas peças aerodinâmicas precisam realmente ganhar seu lugar no carro em CFD e no túnel de vento antes de irem para a fabricação, e há um foco maior no gerenciamento da produção. 

Não faz sentido ficar com meia dúzia de asas dianteiras obsoletas com especificações do Bahrein quando uma nova versão entrar em operação algumas corridas depois.

Por outro lado, se você perder sua dupla em um dia, como aconteceu com a Mercedes em Ímola, pode ser forçado a construir versões extras não planejadas para garantir que tenha peças de reposição suficientes em estoque.

Tudo isso reflete em como equipes menores sempre foram administradas, porque simplesmente não tinham fluxo de caixa suficiente. Há apenas três ou quatro anos, a Force India teve que justificar o custo de cada porca e parafuso. No entanto, é uma experiência nova para os times que, dentro do razoável, poderiam tradicionalmente gastar o que precisavam.

Isso explica também por que as negociações sobre as corridas sprint se arrastaram por tanto tempo entre as equipes, F1 e FIA. O novo formato de final de semana apresentou a perspectiva de despesas extras.

“Estamos realmente lutando para chegar abaixo do limite orçamentário e estamos falando de dezenas de milhares de libras e não centenas de milhares”, disse Wolff no Bahrein antes do acordo das corridas sprint ser alcançado.

“Portanto, gostaríamos muito de apoiar Stefano [Domenicali] e Ross [Brawn] com a ideia porque acho que vale a pena tentar."

“Mas simplesmente não temos margem para fazer isso e depois descobrimos que há meio milhão de libras a mais ou mais que precisamos encontrar dentro desse limite orçamentário, porque isso pode significar olhar para as pessoas novamente, e isso não é onde eu quero ir mais, afinal. ”

“Apoiamos isso na esperança de que, se funcionar, gere receita futura, juros futuros e benefícios futuros para o esporte”, disse Horner.

“Se você dividir $145 milhões (aproximadamente R$794 milhões) por 23 eventos, você está em uma base crua [vendo] o que é preciso para operar um carro de GP e, claro, adicionar, efetivamente embora uma corrida encurtada é apenas mais custo que naturalmente vai incorrer no uso de peças, etc, etc."

“E então só precisa haver um subsídio razoável que leve isso em consideração, porque, como disse Toto, estamos buscando uma economia de £ 10.000, £ 20.000, £ 30.000 ( R$ 75.000, R$ 151.000, R$ 227.000) no momento para garantir que estamos atingindo o limite."

Isso agora foi alcançado, e os times receberam uma promessa de renda extra com as corridas sprint. Também existe algo semelhante a um seguro que os ajudará a pagar pelos danos causados por acidentes.

O gasto das batidas em qualquer outro momento da temporada ainda precisa ser absorvido pelas equipes.

As escuderias muitas vezes terminam uma etapa perdendo a asa, mas sem um acidente da dimensão da batida sofrida por Bottas no final de semana passado, o que as obriga a abandonar peças que fizeram apenas duas corridas e que estavam programadas para fazer muitas mais.

“Nossos pilotos têm sido incrivelmente bons em passar as temporadas sem quebrar muito nos últimos anos”, disse o diretor de engenharia da Mercedes, Andrew Shovlin, na noite de domingo.

“E certamente a conta em termos de trabalho em carbono e trabalho em metal será muito extensa a partir disso."

“Então vamos examinar o que podemos realmente salvar e reunir os carros para Portimão. Mas é uma grande preocupação quando você tem esse tipo de incidente."

“Se tiver uma série desse tipo de acidentes grandes que causam danos significativos, é ruim para nós, porque tivemos uma asa dianteira com Lewis também, então isso definitivamente excederá nossa alocação para o que temos disponível para gastar nas peças."

“Portanto, é realmente um fator do limite de custo, e o dinheiro tem que vir de algum lugar. No final das contas, se isso se tornar um grande problema, pode começar a atingir seu orçamento de desenvolvimento. Portanto, precisamos estar atentos a esse avanço."

“Estamos muito restritos ao limite de custo. E o que sempre tememos é uma perda total de um carro. Agora, o que não é o caso, mas quase, e isso não é algo que realmente queríamos.”

Marshals clear the damaged car of Valtteri Bottas, Mercedes W12, from the gravel trap

Marshals clear the damaged car of Valtteri Bottas, Mercedes W12, from the gravel trap

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

A Mercedes enviou o que sobrou do carro de volta para o Reino Unido para uma análise mais detalhada. As primeiras indicações são de que o chassi pode eventualmente retornar à ação, enquanto a unidade de energia também sobreviveu.

No entanto, muito mais foi descartado.

No momento, não há necessidade imediata da Mercedes de alterar seu cronograma de desenvolvimento. Já que a equipe não sabe como a batalha contra o Red Bull vai se desenrolar e, portanto, quanto tempo terá que seguir em frente trazendo atualizações. O projeto em andamento para 2022 inevitavelmente exigirá cada vez mais atenção.

O que o acidente fez foi devorado pela contingência mencionada anteriormente, que foi considerada no planejamento da equipe. Outra grande batida no curso daquela que é a mais longa temporada da F1 pode levar a um aperto genuíno no final do ano.

Uma outra complicação é que o limite segue uma temporada completa de 23 corridas. Há uma chance razoável de que algumas sejam canceladas nos próximos meses, e o limite, por sua vez, será reduzido para refletir isso - mas apenas se os eventos forem cancelados com um aviso razoável e as equipes ainda não tiverem gasto dinheiro diretamente relacionado a eles. Corridas perdidas significarão receita reduzida para a F1 e, portanto, para as escuderias

A perspectiva é que o limite caia para US $ 140 milhões (aproximadamente R$ 766 milhões) no próximo ano, e depois para US $ 135 milhões (aproximadamente R$ 739 milhões) em 2023. 

Assim, as equipes ficarão cada vez mais preocupadas com o custo dos danos causados ​​por acidentes. 

É importante ressaltar como as considerações de custo também podem afetar as escolhas futuras dos pilotos. Dadas as restrições, uma equipe de ponta correrá o risco de contratar um novato, ou mesmo alguém em sua segunda temporada e ainda em uma curva de aprendizado íngreme e se esforçando para impressionar?

O teto de gastos adicionou um elemento intrigante ao esporte e, embora você possa achar frustrante que seu time favorito esteja de mãos atadas, há um quadro maior - sem ele, havia uma boa chance de não termos 20 carros no grid nos próximos anos. E, como a frustração de Wolff deixa claro, já está controlando as equipes de ponta e aproximando o grid. 

Ele também adiciona uma vantagem extra à batalha competitiva implacável entre as escuderias. A F1 costumava ser uma guerra total de gastos, mas agora é uma questão de quem pode usar seu dinheiro de forma eficiente. E quem é inteligente o suficiente para enviar à FIA um cálculo final para 2021 o mais próximo possível de $ 144.999.999 (R$788 milhões) ...

Ex-companheiro de SENNA POLEMIZA sobre o que Ayrton acharia da F1 atual em ÍMOLA e cita RATZENBERGER

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Por que temporada de 2021 promete ser a mais equilibrada dos últimos anos?

 

compartilhar
comentários
F1 anuncia extensão de contrato de três anos com GP do Japão
Artigo anterior

F1 anuncia extensão de contrato de três anos com GP do Japão

Próximo artigo

F1: McLaren quer retorno de pré-temporada estendida em 2022

F1: McLaren quer retorno de pré-temporada estendida em 2022
Carregar comentários