F1 - Hamilton: pedido para abandonar na Espanha não foi “derrotista”

Após toque na volta 1, heptacampeão sugeriu abandono visando poupar motor. Piloto fica na pista a pedido da Mercedes e conquistou o quinto lugar

F1 - Hamilton: pedido para abandonar na Espanha não foi “derrotista”
Carregar reprodutor de áudio

Lewis Hamilton iniciou o GP da Espanha de Fórmula 1 em sexto, mas foi para o fundo do grid após um toque de Kevin Magnussen na primeira volta da prova, o que o forçou a um pitstop. Após voltar em 19º, ele sugeriu no rádio para o engenheiro parar e poupar motor, mas ouviu que as previsões da equipe era que ele terminaria em oitavo ou até melhor - então, ele seguiu acelerando.

Com um bom ritmo, o heptacampeão mundial cruzou a linha de chegada na quinta colocação, perdendo o quatro posto para Carlos Sainz por conta de um vazamento de água nas voltas finais. Perguntando sobre sua sugestão de salvar motor e se ele estava com pensamentos de derrota, Hamilton respondeu: “Não é ser derrotista, eu estava, literalmente, 30 segundos atrás".

Leia também:

Ele explicou que não tinha certeza sobre “usar todo o motor guiando em último ou fora do Top 15, sendo que, em algum momento, poderemos tomar uma penalização ou algo do tipo”. Ele também lembrou como sofreu para brigar pelo top 10 em Jeddah após ficar fora do Q1, mostrando como é difícil brigar por posições.

“Eu não sei se confiabilidade é um problema. No final, vimos que havia algo. Poderíamos poupar motor para lutarmos em outro dia”, comentou. “Mas eu estou feliz que não fizemos isso e mostrar que você não deve parar, não deve desistir e foi o que eu fiz”, continuou.

A recuperação de Hamilton ajudou a ganhar confiança de que a Mercedes deu um passo significativo no W13, que ganhou uma série de atualizações em Barcelona, que ajudou a redução das quicadas – o tal do porpoising –, algo que prejudicou na performance nesse ano.

O heptacampeão mundial sentiu que foi dado um grande passo adiante após um período difícil, que incluiu momentos infelizes, no início da temporada. “Desde a última corrida do ano passado, tem sido difícil o tempo todo. Tivemos dificuldades com o carro, constantes problemas com algumas questões, azares com o safety car e outras questões. Não tivemos sorte até aqui”, pontuou o #44.

“Mas estamos no páreo, continuamos acelerando e nunca desistindo. Começamos a corrida positivos, tivemos esse problema e recuperamos. Parecia muito com tempos atrás, com provas passadas que fizemos. Isso, para mim, é incrível”, destacou o inglês.

 

No final da noite de segunda-feira (23), ele reforçou seu entusiasmo em publicação nas redes sociais.

“Ontem foi um outro dia que me lembrou o que me fez amar esse esporte. As emoções foram de ‘bater no chão’ para o topo, o que é sensacional. Todo o trabalho duro da equipe está valendo a pena. Juntos fizemos progressos. Ansioso para este final de semana.”

Após polêmica, Sergio Mauricio comenta 'treta' no Twitter, explica "mimimi" e manda recado a haters

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST #179: O que Hamilton e Russell podem conseguir com melhora da Mercedes?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Mesmo com abandono na Espanha, Leclerc vê pontos positivos da Ferrari
Artigo anterior

F1: Mesmo com abandono na Espanha, Leclerc vê pontos positivos da Ferrari

Próximo artigo

F1 - Jo Ramírez: “Pérez cumpriu seu papel em ajudar Verstappen no campeonato”

F1 - Jo Ramírez: “Pérez cumpriu seu papel em ajudar Verstappen no campeonato”