F1: Hamilton troca de motor e largará do fim do grid no GP da Itália

Mercedes optou por instalar uma quarta unidade de potência no britânico

Lewis Hamilton, Mercedes W13

Lewis Hamilton deve largar no fim do grid no GP da Itália de Fórmula 1 como resultado de uma penalidade por troca de motor.

A Mercedes optou por instalar uma quarta unidade de potência no carro de Hamilton para a corrida de Monza como consequência do dano sofrido pelo terceiro motor após o toque com Fernando Alonso na primeira volta em Spa-Francorchamps.

Leia também:

Essa unidade de potência, que sofreu um impacto de 45G e perdeu fluídos na primeira volta, foi levada de volta à fábrica da equipe em Brixworth para avaliação para descobrir se poderia ser trazida de volta à ação. O prognóstico inicial não é positivo e a Mercedes não se sente confortável em adicionar esse motor de volta ao carro de Hamilton.

Isso levou a um pedido de instalação de uma quarta unidade de potência para o britânico neste fim de semana, o que desencadeará uma queda no grid em relação à posição de largada. Os pilotos de F1 estão limitados a três componentes principais da unidade de potência ao longo de 2022 e Hamilton parecia estar em uma posição confortável com seu uso antes do incidente em Spa.

Mas perder esse motor deixou a Mercedes sem opção para fazer uma mudança - e Monza pelo menos oferece algumas boas oportunidades de ultrapassagem que podem permitir que Hamilton faça uma recuperação decente.

Entende-se que a equipe ainda está avaliando o que pode ser feito com o terceiro motor para ver se algum dos componentes pode ser resgatado. Se esses esforços forem bem-sucedidos, alguns elementos poderão ser usados ​​para a corrida de sexta-feira, o que ajudaria a limitar a quilometragem para as unidades de potência restantes de Hamilton.

Hamilton não estará sozinho em levar um motor novo para o fim de semana do GP da Itália, já que Valtteri Bottas também está na mesma situação. Ainda há uma chance de que a Red Bull possa usar este fim de semana para colocar Sergio Pérez em sua quarta unidade de potência, com o mexicano precisando usar um motor extra em algum momento.

Os próximos GPs, Cingapura e Japão, não são locais ideais para receber penalidades no grid, devido às dificuldades nas ultrapassagens. E com a Red Bull sendo tão rápida em linha reta, Monza daria a Pérez a melhor oportunidade de recuperar posições se ele começar na parte de trás. 

PODCAST #194 - Qual será o futuro de Felipe Drugovich?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Contratos de pilotos de Academia devem ser registrados para evitar casos como Piastri, diz presidente da GPDA
Próximo artigo ANÁLISE F1: Por que carro da Red Bull domina em 2022?

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil