Fórmula 1 GP da Itália

F1: Horner diz que FIA deveria ter dado bandeira vermelha no GP da Itália

O chefe da Red Bull, Christian Horner, acha que a FIA deveria ter dado bandeira vermelha o GP da Itália de Fórmula 1 para evitar que a corrida acabasse com safety car

The Safety Car Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, 1st position, across the line for victory

Embora os pilotos recebendo a bandeira quadriculada com o safety car significasse que Max Verstappen não seria desafiado no final da corrida, Horner acredita que não ter os carros correndo sob bandeira verde até a linha de chegada foi ruim para a Fórmula 1.

O chefe da Red Bull diz que a decisão foi contra um princípio básico com o qual as equipes concordam há muito tempo, de que é essencial que as corridas não terminem com safety car e, consequentemente, desapontar os fãs.

Leia também:

Enquanto a FIA culpou a dificuldade em recuperar a McLaren de Daniel Ricciardo por não ter conseguido retomar a corrida, e que não havia motivos para bandeira vermelha, Horner acha que havia uma ótima oportunidade de ter uma grande final para a corrida.

Além de a FIA lidar melhor com os procedimentos do safety car, depois de escolher o líder errado e adiar a ordem certa, Horner acredita que, uma vez que ficou claro que um reinício não seria possível, a corrida deveria ter sido paralisada.

Isso teria dado aos comissários mais tempo para recuperar o carro de Ricciardo e limpar a pista para ter uma ou duas voltas de corrida.

Com os fãs na pista expressando seu descontentamento com a situação quando começaram a vaiar quando ficou claro que não haveria reinício, Horner está claro que a FIA deve usar o que aconteceu como uma experiência de aprendizado.

"Acho que sempre há lições a aprender", disse ele. "Mas vai contra os princípios do que discutimos, que não é bom terminar corridas com safety car.

"Se eles soubessem que não conseguiriam, deveriam ter dado bandeira vermelha e depois reiniciado. Mas obviamente isso não aconteceu."

Horner acha que não há nada de errado com as regras esportivas da F1, já que ele minimizou a necessidade de uma mudança nas regras para forçar uma bandeira vermelha se o safety car for acionado nos estágios finais da corrida.

Christian Horner, chefe de equipe da Red Bull Racing

Christian Horner, chefe de equipe da Red Bull Racing

Photo by: Red Bull Content Pool

Ele tem certeza, em vez disso, de que a culpa pelo que aconteceu em Monza foi inteiramente da FIA por não ter seus procedimentos resolvidos.

"Acho que isso poderia ter sido resolvido com o tempo, para ser honesto com você", disse ele. "Acho que foi um caso de pegar o carro errado.

"O safety car não pegou um líder e isso causou um grande atraso para eles terem que alcançá-los e, em seguida, os carros liberados para alcançá-los.

"Eu acho que você poderia ter pelo menos uma volta de corrida lá. Provavelmente duas."

O uso do carro de segurança de Monza reacendeu o debate sobre o que aconteceu em Abu Dhabi no ano passado, quando a FIA passou por cima das suas próprias regras para garantir que a corrida não terminasse com o safety car.

Isso levou a uma investigação interna da FIA e à remoção do então diretor de corridas da F1, Michael Masi, com uma nova estrutura sendo implantada.

Questionado se ele sentiu que a FIA fez um progresso genuíno desde Abu Dhabi, Horner disse: "Acho que é tudo um processo e houve uma grande mudança. E claro têm lições a serem aprendidas, como você pode ouvir o descontentamento da torcida aqui".

O episódio em Monza aconteceu antes de uma reunião na segunda-feira entre o presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, e o gerente da equipe de F1 para discutir aspectos do esporte na pista.

Horner não tem dúvidas de que a questão do safety car se tornará uma prioridade na discussão.

"O presidente está se envolvendo nisso também, para falar sobre certos aspectos", disse. "Tenho certeza de que isso estará agora perto do topo da agenda.

"É tentar colocar muitos problemas na mesa. Mas precisamos evitar cenários como os que tivemos no final da corrida."

Questionado se uma regra forçando uma bandeira vermelha, se houver um período de safety car no final, seria um passo à frente para evitar que s corridas acabem com o safety car se as coisas derem errado, Horner disse: "Acho que é melhor acertar em primeiro lugar".

‘CUIDADOS com ALONSO’ e foco no aprendizado: Rico Penteado avalia DRUGOVICH na ASTON MARTIN em 2023

PODCAST #194 - Qual será o futuro de Felipe Drugovich?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1 - Ricciardo abre jogo sobre futuro: "Posso não correr em 2023"
Próximo artigo F1: Como a Red Bull contrariou a tendência de Monza para vencer o GP da Itália

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil