F1: McLaren julga hierarquia de 2021 em aberto apesar do congelamento de carros

compartilhar
comentários
F1: McLaren julga hierarquia de 2021 em aberto apesar do congelamento de carros
Por:

Para a equipe britânica, o congelamento não impedirá que a hierarquia evolua

Para responder à crise financeira causada pelo coronavírus, os carros de Fórmula 1 ficarão congelados de 30 de setembro de 2020 até o final da temporada de 2021, com apenas duas fichas de desenvolvimento utilizáveis para atualizar o carro na entressafra. A McLaren terá que usar o seu para integrar a unidade de força da Mercedes, abandonando a da Renault.

De acordo com James Key, diretor técnico da McLaren, isso será, no entanto, o suficiente para ver uma evolução notável da hierarquia no próximo ano, enquanto a luta pelo terceiro lugar no campeonato de 2020 segue acirrada entre McLaren (106 pontos), Racing Point (92) e Renault (83), com Ferrari (66) e AlphaTauri (53) não ficando muito atrás.

Leia também:

“Acho que existem oportunidades”, diz Key. “Do ponto de vista do chassi, mesmo que o lado mecânico desses carros esteja congelado, o lado aerodinâmico permanece livre e há uma mudança regulatória que exige um pouco de downforce para ajudar os pneus [que permanecem os mesmos] no terceiro ano. Abre novos caminhos que podemos não ter explorado ainda”.

“Além da Mercedes que - tiro o chapéu a eles - continua a melhorar a cada ano e faz um trabalho excepcional, atrás deles está muito, muito perto. Talvez dê a oportunidade de dar um passo em frente. Eu diria que a hierarquia por trás da Mercedes está indecisa sobre o próximo ano. Há liberdade regulatória suficiente para isso, eu diria”.

Key não tem certeza, porém, do ganho que o motor da Mercedes representará para a McLaren, embora pareça ser o mais eficiente atualmente.

“A Mercedes sempre foi a referência em nosso setor, desde o advento das unidades de força em 2014. Eles fizeram um trabalho excepcional, juntar-se a eles é emocionante. Mas a Renault também fez um trabalho muito bom por nós nos últimos dois anos, e o nível de desempenho dessas unidades de força é muito semelhante. Será bom ver os dados [do motor Mercedes 2021] quando estiverem disponíveis”.

Daniel Ricciardo, Renault F1 Team R.S.20, Lando Norris, McLaren MCL35

Posteriormente, com um teto orçamentário de $145 milhões de dólares em vigor a partir do próximo ano, o novo regulamento técnico de 2022 reformulará as cartas.

"Nosso objetivo é alcançar quem está em primeiro lugar, e já faz algum tempo que é a Mercedes", disse Zak Brown, CEO da McLaren. "Estamos certamente encorajados por lutar com a Ferrari porque não era o caso no ano passado ou há algum tempo. Estou ainda mais encorajado porque estamos diminuindo a diferença e acho que em 2022, começando do zero, temos uma grande oportunidade”.

"Dito isso, a Renault está voltando forte. Racing Point é rápida e acaba de contratar um tetracampeão mundial. Portanto, embora queiramos alcançar as três equipes à nossa frente - ou, nesse caso, duas equipes atualmente [Mercedes e Red Bull sem Ferrari] - teremos que ser muito cuidadosos e estar cientes de que os sete melhores times serão candidatos sérios quando o limite orçamentário entrar em vigor. Todos começarão do zero, então eu acho que teremos uma grande era da Fórmula 1”.

McLaren MCL35 (Temporada 2020)
McLaren-Renault MCL35
Motor: Renault
Combustível: Gulf Oil
Pneus: Pirelli

Pilotos:

4 - Lando Norris

55 - Carlos Sainz

Entenda como Lawrence Stroll passou de 'papai de piloto pagante' a homem-forte na Fórmula 1

PODCAST: Qual é o limite de Max Verstappen na Red Bull?

 

Por que as equipes não devem temer o ex-Ferrari Domenicali como CEO da F1?

Artigo anterior

Por que as equipes não devem temer o ex-Ferrari Domenicali como CEO da F1?

Próximo artigo

CEO da McLaren se diz surpreso com saída da Racing Point em caso de cópia de dutos

CEO da McLaren se diz surpreso com saída da Racing Point em caso de cópia de dutos
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes McLaren
Autor Benjamin Vinel