F1 - Mercedes rígida e com pouca aerodinâmica: o W13 tem problemas em todos os lugares

Embora a desvantagem tenha diminuído, as flechas de prata têm outro grande conjunto de problemas e seguem fora da briga com Red Bull e Ferrari

F1 - Mercedes rígida e com pouca aerodinâmica: o W13 tem problemas em todos os lugares
Carregar reprodutor de áudio

Uma andorinha não faz verão. Depois de um bom fim de semana em Barcelona, ​​​​a Mercedes conquistou um belo pódio com Lewis Hamilton e o quarto lugar com George Russell no GP do Canadá de Fórmula 1 no último final de semana.

Mais do que o resultado, o que deu satisfação à equipe alemã foi o desempenho dos dois pilotos no stint feito com pneus duros, o segundo da corrida, quando Hamilton e Russell frequentemente se aproximavam dos tempos dos mais rápidos na pista, Carlos Sainz e Max Verstappen.

No entanto, apesar de um bom resultado, o Mercedes sabe que ainda está no meio de um mar tempestuoso, com o porto a centenas de quilômetros de distância antes de ver a atracação segura para o barco e seus marinheiros. George Russell fez o retrato da situação.

No final do GP do Canadá, o piloto britânico ressaltou que os W13 ainda estão muito longe de atingir as metas estabelecidas no início da temporada. A diferença caiu, mas os problemas permanecem, como a rigidez do carro e, por último, mas não menos importante, uma falta geral de carga aerodinâmica que afeta muito o desempenho das flechas de prata.

"Com o W13, quando resolvemos um problema, imediatamente ocorre outro de natureza diferente. O porpoising foi resolvido, mas quando abaixamos a altura do carro, batemos no chão de forma muito agressiva. No momento, não parece ser um verdadeiro ponto de força", disse Russell.

Lewis Hamilton, Mercedes W13

Lewis Hamilton, Mercedes W13

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

"No que nos diz respeito, corremos com o carro alto, mas também baixo e o desempenho não melhorou nem piorou. A rigidez e o assoalho do carro são sempre os mesmos. Quando corríamos com o carro mais alto no chão, vimos um certo tipo de efeitos. Quando baixamos, vimos outros. Tentar consertar o carro várias vezes não é fácil por isso", completou.

"A rigidez geral desses carros é realmente grande. Não foi tão ruim no Canadá, mas continua atingindo o asfalto como em Baku, de uma maneira muito menos extrema, devido à natureza do circuito e à velocidade. Os problemas gerais desses carros estão longe de serem resolvidos", prosseguiu.

O próprio Toto Wolff traçou o panorama do momento da equipe que dirige. O carro, embora muito menos atormentado por problemas do que há algumas semanas, tem outras questões que limitam o que a equipe acredita ser seu verdadeiro potencial.

"Nossas atuações no Canadá? Uma andorinha não faz verão. Já vimos aquela andorinha em Barcelona, ​​​​mas depois deve ter voado para outro lugar. Temos de ter cuidado. Na sexta-feira, não tivemos um bom ritmo. Sábado, com chuva, melhoramos. Depois fomos melhores na corrida”, falou.

“Às vezes, estávamos entre os carros mais rápidos. No segundo stint, Lewis e George foram quase tão rápidos quanto o primeiro colocado. Isso é animador de ver. O trabalho para chegar voltar ao topo é longo”, continuou o dirigente.

"Pelo que pudemos ver, o rebote do carro devido aos quiques foi significativamente reduzido. E acho que os pilotos se adaptaram. O que você vê nos cockpits atuais é justamente a rigidez. Basta olhar para a Alpine, por exemplo, como eles saem do meio-fio com força. Um rebote enorme. E é justamente por isso que os pilotos reclamam, a rigidez do carro. Temos que trabalhar para entender como diminuir esse fator”, comentou Wolff.

Rigidez sim, mas não só. Como disse Russell, quando um problema é resolvido no W13, outro surge imediatamente. Um cobertor curto que também envolve downforce. "Acho que teremos que tentar ter mais downforce no carro e fazê-lo que não esteja tão baixo perante o asfalto quanto prevíamos. A direção é clara, você pode ver que os carros se levantam. E é aqui que temos que ir. encontrar desempenho”, finalizou.

VÍDEO: A Mercedes tem razão ao reclamar sobre o porpoising?

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual maior adversário ao bi de Verstappen: Pérez, Leclerc ou confiabilidade da Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1 - Mercedes: É muito cedo para parar de trabalhar no problemático W13
Artigo anterior

F1 - Mercedes: É muito cedo para parar de trabalhar no problemático W13

Próximo artigo

F1 - Norris: Dias bons da McLaren não representam “ritmo real”

F1 - Norris: Dias bons da McLaren não representam “ritmo real”