Fórmula 1 GP da China

F1: Mesmo com flexibilização de regras do parque fechado, mudanças no acerto são limitadas nas sprints

Nova regra, que foi testada na China, oferece maior liberdade de modificações entre a sprint e a corrida principal

Lando Norris, McLaren MCL38, Oscar Piastri, McLaren MCL38, Zhou Guanyu, Kick Sauber C44, Valtteri Bottas, Kick Sauber C44, George Russell, Mercedes F1 W15, the remainder of the field

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

O GP de China de Fórmula 1 foi o primeiro evento em que o mais recente formato de sprint foi implantado, com as restrições do parque fechado sobre os ajustes do carro relaxadas entre as duas sessões de sábado. Isso abriu a possibilidade de as equipes realizarem configurações muito experimentais nas corridas mais curtas - especialmente para os carros que largaram fora dos 10 primeiros no grid.

No entanto, na prática, os competidores sentiram que as mudanças que poderiam fazer eram mais limitadas, mesmo que pudessem ser consideradas agressivamente esperançosas.

Leia também:

O diretor de desempenho da Aston Martin, Tom McCullough, explicou as limitações observadas. "Tivemos muitas discussões antes do evento sobre a configuração do nível da asa traseira. Mas, no final das contas, fazer um stint de 19 voltas [sprint] ainda é difícil e você não pode realmente fazer duas grandes mudanças em comparação com a corrida principal."

McCullough também sugeriu que as alterações feitas pelas equipes de F1 do sprint para o GP na China foram, na verdade, relativamente maiores do que os ajustes a serem feitos em outros lugares para melhorar o desgaste dos pneus na corrida para as disputas mais longas.

Isso se deve à superfície alterada da pista de Xangai e à falta de dados das equipes com os novos carros de efeito-solo para esse local antes do fim de semana.

"Talvez tenha sido maior aqui só porque não corremos aqui [Xangai] há muito tempo. Os carros de 2019, quando estivemos aqui pela última vez, tinham alturas traseiras três vezes maiores do que as alturas traseiras que estamos usando agora e a rigidez do carro, tudo é muito diferente: os pneus, a aerodinâmica.", relembrou. 

Fernando Alonso, Aston Martin AMR24

Fernando Alonso, Aston Martin AMR24

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

"Todos nós simulamos e nos preparamos, [e] a aderência da pista em si estava talvez pior - mais limitada na traseira do que no passado, o que eu acho que nós meio que previmos apenas por ter esses pneus e como a geração de carros está funcionando."

"A Aston fez uma espécie de caminho inverso ao que pensávamos: 'você faz uma corrida [no TL1] e depois faz algumas mudanças antes do sprint quali'. Mas, depois da corrida de sprint, você realmente aprende mais na corrida longa com muito combustível. Uma corrida longa de 30 kg, você aprende."

"E então pensamos: 'Certo, o que vai acontecer quando colocarmos mais 70 kg de combustível, quais são os pneus que teremos de cuidar, o que precisamos fazer, bang, fazer algumas mudanças'. Não foram grandes mudanças, na verdade. Todo mundo na reta dos boxes teria feito [essas] mudanças."

A reviravolta mais dramática do fim de semana de Xangai em termos de resultados de ajustes de configuração ocorreu com Nico Hulkenberg, da Haas, cuja configuração de sprint "na verdade piorou o carro", de acordo com o diretor da equipe da Haas, Ayao Komatsu.

Hulkenberg caiu da 13ª posição para a última no sprint antes que a equipe americana conseguisse voltar a um acerto comprovado e ele marcasse um ponto no GP.

Nico Hulkenberg, Haas VF-24

Nico Hulkenberg, Haas VF-24

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

O chefe da McLaren, Andrea Stella, avalia que "esse parc fermé reaberto certamente será usado para ajustar o equilíbrio do carro", mas acrescentou: "às vezes, isso pode significar grandes mudanças se você perceber que está significativamente fora".

Ele continuou: "A possibilidade de reabrir o parque fechado após o sprint tem duas implicações. A primeira é que o fim de semana é um pouco mais tolerante. Porque, se você errou em algumas alturas de pista ou percebeu que o equilíbrio precisa de ajustes com base no comportamento dos pneus, por exemplo, você pode fazer isso."

"E, ao mesmo tempo, acho que isso permite que você seja um pouco mais agressivo, em primeiro lugar, em termos de direção a tomar ou, por exemplo, em termos de alturas de pilotagem, porque você pode compensar."

"E, na verdade, de um ponto de vista puramente de engenharia, achamos isso interessante porque tivemos a oportunidade de ver o equilíbrio no sprint. Obviamente, se houvesse alguma solução mágica, já a teríamos implementado."

"Portanto, não falamos muito mais do que um ajuste fino. Mas é interessante, do ponto de vista da engenharia, que você possa fazer isso. Para nós, essa mudança é muito bem-vinda.", destacou Stella.

Hamilton OCTACAMPEÃO? ENEA? Alonso TRICAMPEÃO? Novo sistema de PONTUAÇÃO mudaria a HISTÓRIA DA F1?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast #279 - O que dá para tirar de lição após cinco etapas da F1 2024?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1- Horner sobre motor: "Red Bull com 70 anos de desvantagem em relação à Ferrari"
Próximo artigo F1: Norris aparece com nariz enfaixado em festa com DJ, mas nega fratura

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil