Últimas notícias

F1: Newey explica por que não 'embarcou' no "zeropod" da Mercedes

Diretor técnico da Red Bull admitiu que o sucesso do time de Brackley no final de 2022 não o convenceu

George Russell, Mercedes W13

A Red Bull e a Mercedes produziram dois carros completamente diferentes após a mudança de regra técnica da Fórmula 1 em 2022, com resultados opostos: enquanto a equipe de Milton Keynes dominou o esporte, o time de Brackley teve apenas uma vitória, o que a equipe comandada por Toto Wolff admite ter sido um erro ao concluir que valeria a pena desenvolver sua base de 2022 em 2023.

Leia também:

No ano passado, e novamente no primeiro semestre deste ano, a Mercedes usou sua caixa lateral batizada de "zeropod", com um pequeno encolhimento e entradas de ar verticais, que era a diferença mais visível entre os carros do lado de fora.

No entanto, as diferenças conceituais foram mais profundas: as suspensões dianteira e traseira completamente diferentes e o formato do cockpit também foram notavelmente diferentes nos dois carros. Lewis Hamilton disse que pilotar o Mercedes era como pilotar sobre o eixo dianteiro porque a célula de passageiro era empurrada muito para a frente em comparação com o Red Bull.

Adrian Newey admitiu no podcast Beyond the Grid da F1 que seus instintos nunca foram favoráveis ao design da rival.

"No ano passado, construímos um carro que tinha aerodinâmica, barras laterais, conceito traseiro que contrastava totalmente com o da Mercedes. A Mercedes venceu no Brasil, então, nos deparamos com um dilema: começar a estudar o outro conceito mais detalhadamente, apenas para evitar perder uma área de desenvolvimento ou manter nossas próprias ideias. Minha intuição ditou que deveríamos nos ater ao nosso próprio conceito."

Newey acrescentou que as decisões de design, que não eram visíveis para os céticos, tiveram um impacto muito maior no carro bem-sucedido da Red Bull.

"Tivemos que nos sentar com o livro de regras e usá-lo para entender onde colocar os eixos dianteiro e traseiro em relação aos pontos fixos do chassi, do motor, do cockpit e da caixa de câmbio. Trata-se das questões mais fundamentais da construção do carro, que cada equipe decidiu por si mesma."

"Depois, comecei a trabalhar na suspensão dianteira e traseira. Se alguém estragar o assolho, as asas, dentro de certos limites, podem ser trocadas durante a temporada. Entretanto, essas decisões básicas determinarão as características de seu carro por pelo menos um ano."

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast debate tensão interna na Mercedes e até quando Pérez 'sobrevive' na Red Bull

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte também do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Artigo anterior F1: Equipe rejeitada pela FIA detalha planos da candidatura fracassada; confira
Próximo artigo F1 perde engajamento nas redes sociais em meio à dominância da Red Bull
Assinar