Análise
Fórmula 1 GP da Espanha

F1: O que as simulações de Ferrari e Mercedes indicam para a corrida da Espanha?

Aston Martin mostra força e Alpine não pode ser ignorada; confira análise

Charles Leclerc, Ferrari SF-23

Os treinos livres de sexta-feira indicaram amplo favoritismo do holandês Max Verstappen e sua Red Bull no GP da Espanha de Fórmula 1, mas o que os dados dizem sobre a briga entre Aston Martin, Ferrari e Mercedes?

O editor recomenda:

Piloto 'da casa', Fernando Alonso confirmou a força da Aston ao ficar a 0s170 de Verstappen, mas a Ferrari parece ter evoluído em sua maior deficiência, o ritmo de corrida: pelo menos é o que indica a simulação de long run feita pela equipe do monegasco Charles Leclerc e do espanhol Carlos Sainz.

A dupla de Maranello não conseguiu bons tempos em voltas voadoras, mas o programa teve foco na preparação para a prova de domingo e os dados são animadores. A questão é equilibrar os dois dias verdadeiramente decisivos e não sacrificar o ritmo de classificação, força da Ferrari até aqui.

A Mercedes, por sua vez, teve uma sexta menos animadora, conforme admitiu o britânico Lewis Hamilton. Além disso, as indicações dos long runs não são animadoras, o que coloca em xeque a virtude do time até agora: justamente o ritmo de corrida, no qual a Ferrari tem sofrido.

Caso essa tendência se confirme, será um grande 'banho de água fria' para Hamilton justamente após mais novidades serem introduzidas em Barcelona após o grande pacote de atualizações que chegou em Mônaco.

Antes, porém, vale destacar a notícia positiva para a Ferrari: ao que tudo indica, a degradação de pneus diminuiu, inclusive no trecho em que se usaram com compostos 'de teste' que servirão como base para a nova construção de gomas que estreará em Silverstone, no GP da Grã-Bretanha

Tal fato por si só já é positivo para Maranello, mas o principal alento ferrarista remete às simulações de corrida com os 'sapatos' macios. Sainz ficou particularmente feliz, também por ter aprovado as atualizações instaladas pela Ferrari em resposta às novidades da Mercedes.

Carlos Sainz, da Scuderia Ferrari, na garagem com o pai analisa os tempos do vermelho

Carlos Sainz, da Scuderia Ferrari, na garagem com o pai analisa os tempos do vermelho

Foto por: Mark Sutton / Motorsport Images

“Muitas peças novas para testar e estivemos envolvidos em várias mudanças de configuração para analisar as diferenças entre os vários componentes durante as sessões. Também guiamos com três compostos, então, completamos um bom dia de preparação para o resto do fim de semana”, disse.

Leclerc, por sua vez, percorreu 15 voltas com macios, confirmando tempo médio de 1min20s231: um valor um pouco pior que o de Sainz, mas Charles usou o SF-23 de especificação 'antiga' de manhã, instalando as atualizações à tarde, precisando de mais voltas para encontrar ritmo. E a Mercedes?

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14

Photo by: Jake Grant / Motorsport Images

Ainda que o companheiro e compatriota de Hamilton, George Russell, não tenha sido pessimista na proporção de heptacampeão, o primeiro dia do 'carro revisitado' em um autódromo convencional foi difícil.

Além do trabalho dedicado à correlação entre o que se projetou em Brackley e o que se viu na pista, processo leva tempo e por enquanto não resultou em uma perspectiva positiva de ritmo de corrida, os tempos de volta rápida foram tímidos. Resultado: Russell apenas oitavo e Hamilton 11º.

Entretanto, o próprio George projeta uma evolução do sábado em diante. O discurso do jovem inglês é ecoado por Alonso, ainda que o bicampeão da categoria máxima do automobilismo mundial tenha mostrado otimismo. De todo modo, o veterano espanhol de 41 anos fez um alerta.

Fernando Alonso, Aston Martin AMR23

Fernando Alonso, Aston Martin AMR23

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

“É preciso muito pouco para você se encontrar em uma posição de largada completamente diferente [do que projetava]. Não acho que o resultado de sexta seja muito claro, até porque os programas de trabalho têm sido diferentes em alguns casos”, pontuou, fazendo menção implícita a Mercedes e Ferrari. Além disso, a antiga escuderia de Fernando também pode ser um player importante: Esteban Ocon, francês que foi terceiro em Mônaco e quarto no TL2 catalão, tem animado bastante a Alpine.

Aston-Honda na F1 2026: Detalhes, impacto para RBR/Mercedes e o fator Alonso

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #232 - É o 'fim da linha' para o GP de Mônaco na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Horários e previsão do tempo do sábado de classificação do GP da Espanha
Próximo artigo F1 AO VIVO: Acompanhe o terceiro treino livre para o GP da Espanha em Tempo Real

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil