F1 planeja mudança da regra do DRS para corridas sprint em 2023

Após largada e relargada, corridas aos sábados terão permissão de uso do dispositivo antecipada

Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18

A Fórmula 1 deve fazer um teste em 2022, permitindo que o DRS seja usado mais cedo nas corridas sprint, em uma tentativa de manter o pelotão muito mais próximo.

Desde que o auxílio à ultrapassagem foi introduzido no início da temporada de 2011, os pilotos só puderam ativá-lo no início da segunda volta após uma largada ou relargada.

Leia também:

Muitos acreditam que permitir o uso imediatamente após as luzes se apagarem poderia desencadear o caos e possíveis acidentes quando o grid estiver muito próximo.

Mas com os pilotos capazes de escapar da zona DRS de um segundo em duas voltas, a F1 quer ver se o espetáculo pode ser melhorado com uma volta mais cedo do que agora.

Durante uma reunião da Comissão da F1 em Abu Dhabi nesta sexta-feira, foi acordado que os experimentos ocorreriam nas corridas sprints do próximo ano.

Para as seis sprints de 2023, a ativação do DRS após a largada ou reinício do safety car agora começará após uma volta de ação, em vez de duas.

Todos os outros aspectos das regras do DRS, incluindo o limite de detecção de um segundo, permanecerão como estão atualmente.

George Russell, Mercedes W13, Lewis Hamilton, Mercedes W13, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18

George Russell, Mercedes W13, Lewis Hamilton, Mercedes W13, Max Verstappen, Red Bull Racing RB18, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Se os experimentos forem bem-sucedidos em melhorar o show sem causar problemas, a ideia é introduzi-lo totalmente na F1 a partir de 2024.

A F1 há muito espera que eventualmente possa se livrar do DRS, mas ainda sente que o dispositivo é necessário para ajudar a tornar as corridas emocionantes.

Também foi acordado que para as corridas sprint no próximo ano, uma estrutura diferente será introduzida para lidar com o pagamento de danos causados ​​por acidentes que as equipes sofrem.

Em vez de as equipes reivindicarem reparos, agora será permitido um valor fixo por equipe por evento.

Isso significa que, para cada sprint, as equipes receberão um subsídio dentro do limite de custo de US$ 300.000, em oposição ao limite atual de US$ 150.000. Todos os outros subsídios para compensação de danos menores e materiais serão removidos dos regulamentos.

A Comissão da F1 também está analisando possíveis ajustes nas regras atuais do parque fechado para fins de semana de corrida para simplificar as coisas, onde as configurações são corrigidas a partir da sessão de qualificação de sexta-feira.

SEXTA-LIVRE: Veja debate das sessões práticas inaugurais em Abu Dhabi

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate 'treta' entre Verstappen e Pérez no GP de São Paulo

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: FIA fala sobre investigar batida de Pérez no quali de Mônaco
Próximo artigo F1: Sainz sugere punições 'anti-trapaça' e FIA mira em motores

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil