Fórmula 1 GP da Arábia Saudita

F1 precisa discutir futuro do GP da Arábia Saudita, dizem equipes

Times da categoria acham que precisa haver discussões após ataque a uma instalação de petróleo próxima à pista

Lando Norris, McLaren MCL36

O ataque com mísseis do movimento político armado Houthi (conhecido como Houthis) em uma instalação de petróleo perto da pista de Jeddah durante os treinos livres de sexta-feira levantou dúvidas sobre se a segunda etapa do campeonato de Fórmula 1 deve ou não acontecer.

Leia também:

Embora os chefes de equipe tenham concordado em continuar correndo depois de receberem garantias de segurança das autoridades sauditas, os pilotos não se convenceram tão facilmente.

No final, a Associação de Pilotos de GPs (GPDA) concordou coletivamente que eles participariam da classificação e da corrida após promessas que receberam sobre segurança no evento.

Mas enquanto as equipes continuam convencidas de que seguir em frente com o GP da Arábia Saudita deste fim de semana é a coisa certa a fazer, alguns pensam que as conversas precisam ocorrer com os chefes da F1 posteriormente.

O chefe da Williams, Jost Capito, disse: "Não somos responsáveis pelo calendário, mas a situação aqui é de muitos anos."

"Acho que houve um ataque com mísseis durante a corrida da F-E no início do ano passado, e não houve preocupações em vir aqui no final do ano passado. Portanto, a situação para este fim de semana não mudou nada."

"Acho que a discussão deveria ter sido feita antes. E agora será depois, mas não durante o evento. Desde que tenhamos a confirmação de que a segurança existe, então estamos seguros."

O chefe da Haas, Gunther Steiner, disse: "Não é o momento de discutir se é certo ou errado estar aqui. Acho que isso será discutido no futuro. A FIA e a FOM vão analisar e então será decidido o que será feito."

"Mas acho que, no momento, precisamos nos concentrar no evento neste fim de semana e levá-lo até o fim e depois começar de novo."

O chefe da Aston Martin, Mike Krack, acrescentou: "Certamente, haverá muitas discussões após este evento. Mas, novamente, só posso repetir. Não são as equipes que fazem o calendário."

"A FIA e a F1 fazem o calendário. E obviamente daremos uma opinião se nos perguntarem e depois seguimos em frente."

O chefe da McLaren, Andreas Seidl, insistiu, no entanto, que a F1 precisava visitar lugares como a Arábia Saudita para ajudar a agir como uma força para o bem.

Questionado pelo Motorsport.com se os benefícios financeiros que a F1 obteve com a taxa de realização da corrida superaram a negatividade das críticas que o esporte enfrentou neste fim de semana, Seidl disse: "Para ser honesto, para mim esse não é o ponto."

“Sinto-me confortável em fazer parte da Fórmula 1 como um esporte global, ser membro de uma equipe e ter a chance de realmente ajudar a mudanças positivas nos países para onde estamos indo, onde, por exemplo, existem diferentes culturas."

"Esse é para mim o ponto desta discussão e acho que também não devemos recuar, nos isolar desses países por causa das críticas que estamos recebendo."

"Vejo a chance única que temos como esporte de compartilhar essa paixão pela Fórmula 1 e também impulsionar essa mudança positiva. E não apenas na economia, por exemplo, para o país, mas também em termos de mudanças positivas na sociedade."

“Portanto, novamente, eu disse antes que me sinto confortável com a decisão que a Fórmula 1 está tomando em termos de corrida."

O chefe da Ferrari, Mattia Binotto, disse que, embora tenha havido preocupações no paddock após o ataque na sexta-feira, ele acha que não seria certo a F1 fazer as malas e ir embora.

"Todos nós estávamos preocupados, porque não são fatos normais que acontecem perto do circuito", disse ele.

"Nós, como equipe, recebemos garantias da F1, das autoridades do governo saudita e das agências de segurança de que tudo estaria seguro sob o controle deles. Acho que isso precisava ser explicado aos pilotos."

"Explicamos a eles a situação e os fizemos entender que, de fato, estamos seguros e protegidos. E acho que depois dessas longas discussões eles simplesmente entenderam e apoiaram o fato de que é importante ficar, permanecer e continuar o fim de semana e guiar aqui na Arábia neste fim de semana."

"De certa forma, acho que deixar o país não teria sido simplesmente a escolha certa. E acho que não havia razão certa, estando aqui, para deixar o país com as garantias que recebemos", concluiu.

F1 2022: Leclerc LIDERA TLs, mas Verstappen CELEBRA na Arábia em meio a CAOS em Jeddah; Hamilton 5º

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #169 - TELEMETRIA: Rico Penteado aponta o que GP na Arábia terá de diferente

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Chefes da F1 revelam conversas com pilotos por GP da Arábia Saudita: "Continuam preocupados"
Próximo artigo F1: Equipes se dizem tranquilizadas por explicação "crível" dos sistemas de defesa sauditas

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil