F1: Renault quer postura mais dura da FIA ao permitir ajustes de motores em 2023

Fabricante quer que entidade mantenha transparência em ajustes que podem resultar em ganho de desempenho de concorrentes

Fernando Alonso, Alpine A522

A Renault espera que a FIA seja mais dura com os fabricantes de motores da Fórmula 1 para garantir que as atualizações de confiabilidade não aumentem o desempenho.

Como a F1 entra no segundo ano de congelamento da unidade de potência que dura até o final de 2025, agora existem limites estritos sobre quais elementos dos motores podem ser alterados.

Leia também:

Ajustes de hardware destinados exclusivamente a fornecer aumento de potência não são permitidos, mas a FIA pode aprovar alterações destinadas a resolver problemas genuínos de confiabilidade.

No entanto, tais ajustes podem causar controvérsia se, como consequência da resolução de problemas, houver um aumento no desempenho.

A questão tem sido um ponto de discussão neste inverno europeu em meio a sugestões de que a Ferrari conseguiu dar um passo à frente com sua própria unidade de potência como consequência de ser capaz de resolver os problemas de confiabilidade que marcaram sua temporada de 2022.

O chefe de motores da Renault na F1, Bruno Famin, acha que até agora a FIA lidou bem com o processo com questões de confiabilidade, mas avalia que agora as coisas precisam ser rígidas com as equipes que tiveram um ano para entender melhor suas unidades de potência.

"Acho que o processo em 2022 com a FIA e os outros fabricantes foi muito bom. Pelo menos foi transparente, então todo mundo estava ciente do pedido dos outros, e isso é muito bom. Foi bem administrado pela FIA, eu acho.

Jack Doohan, Alpine A522

Jack Doohan, Alpine A522

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

“Tem sido bastante tolerante em 2022. Acho que foi bastante normal porque todos foram afetados por problemas de confiabilidade: não apenas nós, claro, porque acho que tivemos 30/40/50/60/70 pedidos de diferentes fabricantes, então todos foram afetados por esse tipo de problema.

"Espero que a FIA seja um pouco mais forte no futuro, mas não tenho informações."

Famin reconhece que a questão é complicada de lidar porque há alguns elementos da unidade de potência em que é difícil separar desempenho e confiabilidade.

"O que é um problema de confiabilidade pura e genuína?" ele disse. “É uma pergunta que não podemos responder porque, por trás do problema de confiabilidade, muitas vezes há um ganho potencial de desempenho, é claro. O limite nem sempre é muito claro.

“Se você tiver um problema com a bomba d’água como tivemos em 2022, acho que está claro que é um problema de confiabilidade pura: não há nada a ganhar em ter uma bomba d’água diferente.

"Mas se você precisar trocar o material dos anéis do pistão, poderá ter algo mais forte, ter mais batida, ter mais desempenho, então onde está o limite? Não é óbvio."

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast #212 – Polêmica: as verdades inconvenientes sobre a F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Alpine acusa rivais de explorar "buracos" no regulamento do teto de gastos
Próximo artigo F1: Novo chefe diz que não fará da Williams uma “mini-Mercedes”

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil