F1: Steiner defende modelo de entretenimento aplicado no GP de Miami em circuitos tradicionais

Chefe da Haas alega que a categoria está fazendo um bom trabalho neste aspecto, mas enfatiza que corridas "clássicas" precisam acompanhar os novos eventos populares

Guenther Steiner, Team Principal, Haas F1 Team, in the team principals Press Conference

O GP de Miami elevou o nível em termos de ação fora da pista e espera-se que o GP inaugural de Las Vegas, em novembro, leve as coisas a outro patamar na Fórmula 1

Leia também:

Steiner diz que, na era moderna, os fãs precisam ver mais do que apenas o GP em si, especialmente nos EUA, onde as expectativas são maiores para quem participa de grandes eventos.

"Acho que o entretenimento aqui melhorou muito em relação aos velhos tempos", disse Steiner. "Antigamente, fazíamos corridas, corridas padronizadas. Fazíamos uma corrida, fazíamos a próxima e não fazíamos nada em torno dela. Fazíamos corridas para os fãs de automobilismo."

"O esporte, antes da chegada da Liberty Media, não era bem-sucedido nos EUA. Eu vim para os EUA e entendi melhor quando me mudei para cá, porque não entendia antes. Mas você precisa morar aqui para entender. As pessoas querem entretenimento constante, não apenas ficar sentadas esperando três horas até a próxima vez que os carros saírem. Elas querem algo para fazer, algo para consumir."

"As outras coisas que estão acontecendo são shows, áreas de entretenimento. Se você tem crianças com você, você quer entretê-las, não quer ficar sentado em uma arquibancada ou em uma colina. Tente dizer a uma criança de 12 anos que agora temos que esperar duas horas até que os carros voltem a andar. Isso é muito difícil."

Kevin Magnussen, Haas VF-23

Kevin Magnussen, Haas VF-23

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Steiner citou o GP de Singapura como um bom exemplo de um evento que combinou com sucesso a ação na pista com outras atrações, como música ao vivo. No entanto, ele enfatizou que era importante que o GP permanecesse sempre como o foco principal do fim de semana.

"Acho que a F1 está fazendo um trabalho muito bom nesse sentido", disse ele. "Eles começaram a colocar mais entretenimento ao lado. Eles fazem isso em Singapura, em muitas dessas corridas.

"Acho que o que eles fizeram muito bem foi que o esporte ainda é o ponto central de tudo. É a corrida de F1, e você tem dois shows de alto nível na sexta e no sábado à noite. Não é como se houvesse o show e, a propósito, no domingo, a corrida. É o oposto. E acho que eles se saem muito bem. E aqui [em Miami] eles estão sempre se destacando."

Ele acrescentou: "Acho que há uma boa chance de o que chamamos de corrida clássica, em que vamos correr e nada mais, alcançar isso. Estamos em 2023, e as pessoas querem mais entretenimento, querem mais."

"Elas não querem apenas ver uma corrida de carros. E a F1 fez um trabalho muito bom nos últimos cinco anos para levar isso ao consumidor, para que eles gostem de vir aqui, porque há mais do que uma corrida de F1, mas o ponto central ainda é a corrida de F1."

"Eles sempre têm isso em mente, porque esse é o valor desse evento, a corrida de F1, não é o show ou o DJ. Quero dizer, eles estão acrescentando, e são muito importantes, mas não são o ponto central."

Steiner, que tem vínculos estreitos com a NASCAR e participou da recente corrida no Circuito das Américas, acredita que a F1 aprendeu lições sobre como tornar o paddock mais acessível para os convidados.

"Acho que eles estão fazendo coisas muito semelhantes", observou. "Acho que a NASCAR não ofereceu tanto entretenimento quanto nós, no momento, e eles estão um pouco atrasados em relação a isso. Mas acho que o que a F1 aprendeu com a NASCAR é dar mais acesso às pessoas também."

"Quero dizer, no paddock, temos muito mais gente do que antigamente, há muito mais gente aqui com a possibilidade de vir aqui para encontrar parceiros, patrocinadores e coisas do gênero, o que era muito mais difícil antes.

"E a NASCAR também faz isso, com o hot pass e todas essas coisas. Então, acho que foi isso que eles viram ser feito melhor."

ANÁLISE: Qual o 'tamanho' do 2023 de Alonso?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Engenheiro ex-F1, Rico Penteado comenta cancelamento de Ímola e relembra calamidades:

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Mudança no teto orçamentário visando sustentabilidade pode ajudar Mercedes com 'pulo do gato'
Próximo artigo F1: McLaren revela pintura celebrando a Tríplice Coroa do Automobilismo para os GPs de Mônaco e da Espanha

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil