F1: Zak Brown não acha que motores barulhentos afastariam patrocinadores

Chefe da McLaren acredita que o caminho para a categoria e seus investidores é ser sustentável, e não silenciosa

F1: Zak Brown não acha que motores barulhentos afastariam patrocinadores

O CEO da McLaren, Zak Brown, não acha que a Fórmula 1 enfrentaria um êxodo de patrocinadores se o esporte voltasse aos motores "gritantes" no futuro. A Red Bull está liderando um esforço para que a categoria se mova em direção a unidades mais barulhentas e emocionantes a partir de 2025, quando novas regras serão introduzidas.

A equipe quer o abandono dos atuais híbridos silenciosos e econômicos em favor de algo mais empolgante, que funcione com combustível ecologicamente sustentável.

Leia também:

O chefe da escuderia austríaca, Christian Horner, acredita que a ideia atenderia às credenciais verdes da F1 em termos de gasolina e seria mais emocionante para os fãs.

No entanto, nem todos estão convencidos. O mandatário da Mercedes, Toto Wolff, teme que os principais investidores podem não ficar felizes em estar associados a um esporte não considerado totalmente benéfico ao meio ambiente.

Brown, que teve um longo envolvimento no automobilismo como guru dos patrocinadores antes de ingressar na McLaren, não tem tanta certeza de que eles ficariam insatisfeitos com o que a Red Bull propôs.

"O mais importante é que a Fórmula 1 seja sustentável", disse o dirigente. "Você pode chegar lá de várias maneiras diferentes e não acho que os financiadores se preocupem em como chegar à esse objetivo."

“Portanto, se for uma unidade ICE (em inglês: Motor de Combustão Interna) com combustíveis ecológicos, elétrica ou híbrida, o importante é que a categoria tenha tecnologia de ponta e que a sustentabilidade seja extremamente importante para o esporte e para o mundo.”

O chefe da equipe de Woking suspeita que a postura de Wolff pode ser influenciada pelo fato de sua equipe estar empenhada em trabalho completo, com fabricantes de carros de rua enfrentando diferentes desafios em relação ao meio ambiente, tanto a curto quanto a longo prazo.

“Acho que o que você ouviu foi mais uma visão de um OEM (em inglês: Fabricante Original do Equipamento) que provavelmente deseja que o elemento de sustentabilidade seja consistente com a forma como eles chegam ao mercado. O importante para os parceiros corporativos é isso."

“Não acho acho que fãs e parceiros corporativos abandonariam a F1 se fosse sustentável em uma direção de tecnologia que talvez fosse diferente da indústria automotiva, mas temos que levar em consideração os fabricantes, porque são uma grande parte do esporte, contribuidores, nós precisamos deles."

MARIANA BECKER (2): F1 na Globo estava LIMITADA e gerava FRUSTRAÇÃO; categoria está FELIZ com a BAND

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Como Verstappen se encaixa entre rivais históricos de Hamilton?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
ANÁLISE: A F1 já aumentou uma punição após um protesto?

Artigo anterior

ANÁLISE: A F1 já aumentou uma punição após um protesto?

Próximo artigo

F1 - Alpine: "Alonso calou a boca de quem duvidou de seu retorno"

F1 - Alpine: "Alonso calou a boca de quem duvidou de seu retorno"
Carregar comentários