FIA acaba com brecha no teto orçamentário da F1; entenda

Órgão suspeitava que uso de divisão de projetos especiais fora da categoria estavam sendo usados para ajudar a encontrar desempenho

Start action

A FIA acabou com uma potencial brecha no regulamento do teto de gastos da Fórmula 1 para impedir que as equipes usem pessoas fora da restrição de gastos, conforme apurou o Motorsport.com.

Leia também:

Como parte do que as fontes sugeriram ser um esforço intensificado do órgão regulador do automobilismo para garantir o cumprimento das regras de limite de custo, ele agora interveio em relação ao uso de divisões de projetos especiais fora das equipes de F1 que alguns suspeitavam que estavam sendo usadas para ajudar a encontrar ganhos de desempenho.

Nos últimos anos, tem sido comum as equipes de F1 empregarem técnicos sênior para trabalhar em divisões separadas para explorar o conhecimento adquirido nas corridas e vendê-lo para o mundo dos negócios em geral.

Como exemplos, a Red Bull tem sua divisão de Tecnologia Avançada, a McLaren tem Tecnologias Aplicadas, a Mercedes tem Ciência Aplicada e a Aston Martin tem Tecnologias de Performance. Todos tiveram sucesso e trabalharam em vários projetos envolvendo carros de passeio, iates da America's Cup, bicicletas e outros designs.

Mas, na esteira das suspeitas de que alguns talvez estivessem manipulando o sistema e usando essas divisões para aprofundar o conhecimento da F1 fora do limite de custo, antes de repassar essas informações de volta para suas equipes gratuitamente, a FIA interveio.

Em uma diretriz técnica originalmente redigida no início deste ano, mas recentemente revisada e colocada em vigor, a FIA deixou claro para as equipes que não terão permissão para transferir nenhuma propriedade intelectual de projetos executados fora de suas operações de F1 ao plantel sem que esse trabalho caia no limite de custos.

O TD45, como é conhecido, afirma que, embora as equipes permaneçam livres para executar essas divisões de projetos especiais, qualquer propriedade intelectual delas usada pelas equipes de F1 deve ser contabilizada no limite de custo, portanto, não pode vir de fontes gratuitas dentro da mesma empresa.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, George Russell, Mercedes F1 W14, Esteban Ocon, Alpine A523, the rest of the field at the start

Max Verstappen, Red Bull Racing RB19, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, George Russell, Mercedes F1 W14, Esteban Ocon, Alpine A523, the rest of the field at the start

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

O conhecimento da F1 ainda pode ser repassado livremente para as divisões técnicas, portanto, pode continuar a ser utilizado em interesses comerciais externos.

Não houve nenhuma declaração formal da FIA sobre o assunto e, quando abordadas pelo Motosport.com, várias equipes com tais divisões técnicas insistem que cumpriram integralmente as regras e agradecem o esclarecimento.

No entanto, uma importante fonte da F1 com bom conhecimento da situação disse que o TD45 já havia desencadeado mudanças.

"Isso teve um impacto", disse a fonte. “Alguns foram forçados a agir porque perceberam que o que estavam fazendo não é mais permitido."

“Mas a parte difícil é que eles estão fazendo isso desde 1º de janeiro (quando o TD declarou um ponto de corte), então eles tiveram um gasto até este ponto que agora precisam resolver e de alguma forma recuperar.”

As suspeitas sobre as equipes que exploram o uso de funcionários direcionados para operações externas prevalecem desde o início do limite de custos. O chefe da equipe Alpine, Otmar Szafnauer, disse no início deste ano que equipes maiores encontraram maneiras de empregar funcionários que não contassem para o teto de custos.

“Acho que algumas das outras equipes estão fazendo agora, as equipes maiores, estão procurando explorar ou ter uma melhor compreensão de onde há algumas brechas ou algumas mudanças organizacionais que você pode fazer para realmente colocar mais pessoas sob esse limite de orçamento," ele disse. “E ainda não chegamos lá."

“Eles estão pensando: ‘me livrei de 100 pessoas, mas agora quero contratá-los de volta’. Eles podem encontrar lugares para eles, onde não contam como uma pessoa inteira ou fazem algum marketing ou o que quer que seja, ou trabalham em um barco por algum tempo."

A chegada do TD45 ocorre no contexto do que várias fontes disseram ser um esforço muito mais completo da FIA para investigar os gastos da equipe este ano.

Entende-se que o corpo diretivo visitou as fábricas da equipe nas últimas semanas para análise forense de suas finanças, sugerindo que o último questionário do corpo diretivo sobre compliance agora totaliza mais de 100 perguntas – muito mais do que 12 meses atrás.

No ano passado, a Red Bull foi multada em US$ 7 milhões e recebeu uma redução no tempo de desenvolvimento do túnel de vento por gastos excessivos durante 2021.

VÍDEO: Rico Penteado aponta quem desbancaria Verstappen na Red Bull?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate se já há como comparar Verstappen e Senna na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Diretor da FIA crava que fim do domínio da Red Bull é “uma questão de tempo”
Próximo artigo Hamilton: Verstappen pode "com certeza" quebrar meus recordes na F1

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil