Hamilton sobre controvérsias fora da pista na F1: "Até o momento não foram muito bem conduzidas"

Heptacampeão alega que transparência é fundamental nas investigações e que espera ver algum progresso nos próximos dias

Lewis Hamilton, da equipe Mercedes-AMG F1, é entrevistado após a qualificação

Andy Hone / Motorsport Images

Entre as alegações de má conduta do chefe da Red Bull, Christian Horner, e investigações internas envolvendo o presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, as atenções estão voltadas aos acontecimentos fora das pistas na Fórmula 1.

Autosport questionou se Lewis Hamilton estava incomodado com o fato de os eventos fora da pista estarem dominando o campeonato mundial que ele disputou nos últimos 17 anos, Hamilton, sete vezes vencedor do título, deixou claro que está preocupado com o impacto deles.

"Como alguém que ama o esporte, é definitivamente decepcionante ver o que está acontecendo agora", disse o piloto da Mercedes.

Leia também:

"Acho que é um momento muito, muito importante para o esporte mostrar e manter seus valores, responsabilizando-nos por nossas ações. Acho que é um momento muito, muito importante para o esporte, em termos do que projetamos para o mundo e como lidamos com isso. E, até o momento, não foi muito bem conduzido", criticou.

"A transparência é realmente fundamental. E eu realmente espero ver algum progresso daqui para frente. Espero que não seja um ano que continue com isso. Mas isso destaca alguns dos problemas que também temos no esporte", argumentou.

Christian Horner, Team Principal, Red Bull Racing, Mohammed bin Sulayem, President, FIA, talk in the pit lane

Christian Horner, chefe de equipe da Red Bull Racing, e Mohammed bin Sulayem, presidente da FIA, conversam nos boxes

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

"E quando estamos falando de diversidade, inclusão, essa inclusão, por exemplo, e fazer com que as pessoas se sintam confortáveis nesse ambiente, é fundamental. E claramente não é o caso", declarou.

Mais tarde, Hamilton acrescentou que os fãs "precisam confiar em nós, eles precisam ser capazes de confiar no esporte".

Perguntado se estava acostumado com esse tipo de comportamento depois de tantos anos, ele disse: "Sim, mais ou menos. Eu realmente não sei o que dizer. Essa não é a parte do esporte que eu amo. Mas você encontra essas coisas, eu acho, nos negócios. Sem dúvida, é um momento interessante".

Com relação ao possível impacto da saga de Horner na Red Bull, Hamilton fez algumas observações intrigantes sobre seu tempo na McLaren e, especificamente, sobre a ruptura que ocorreu quando a liderança de Ron Dennis foi questionada.

"Por experiência própria, obviamente, passei por algo semelhante na época em que estava na McLaren, no sentido de que nosso líder estava em questão e passava por um momento difícil. E isso afetou todo mundo", relembrou.

"Lembro-me de quando perdemos Ron, por exemplo, as coisas pelas quais Ron estava passando e as medidas que tivemos de tomar afetaram a todos nós. Um líder é muito importante porque ele define o tom, garante que a equipe se atenha aos valores fundamentais do esporte e à integridade", destacou.

"E, embora haja muitas pessoas mais abaixo que são igualmente importantes, acho que essa liderança é fundamental para o destino que você está buscando".

Ron Dennis, Team Principal, McLaren Mercedes, and Lewis Hamilton, McLaren MP4-23 Mercedes, congratulate each other on a world championship success

Ron Dennis, diretor de equipe da McLaren Mercedes, e Lewis Hamilton, da McLaren MP4-23 Mercedes, parabenizam-se mutuamente pelo sucesso no campeonato mundial

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Quando perguntado sobre o que ele ama na F1, Hamilton deixou claro que ainda gosta da competição e da busca contínua para ser mais competitivo.

O piloto de 39 anos está entrando no último ano de sua passagem de 11 anos pela Mercedes antes de se juntar à Ferrari em 2025.

"O que eu adoro no esporte é o elemento equipe, é a competição, é todo mundo trabalhando para ser o melhor possível", refletiu Hamilton.

"É todo mundo dentro de uma equipe remando na mesma direção e perseguindo algo que é quase inatingível, que é a perfeição, a inovação e a conquista do campeonato mundial. É uma coisa incrível. Depois, batalhas acirradas. É isso que queremos ver mais em nosso esporte", disse o heptacampeão.

"Tivemos o domínio de Schumacher, vocês tiveram o domínio da minha era, isso acontece o tempo todo. E acho que não podemos tirar nada da Red Bull. Eles fizeram um trabalho incrível. Quero dizer, tudo o que eles fizeram como equipe é realmente fantástico. E eles realmente elevaram muito o nível, por isso estamos todos nos esforçando para chegar lá. Seria ótimo se todos nós estivéssemos em uma batalha mais acirrada. Mas acho que é isso que está sendo trabalhado.", finalizou.

Motorsport Business #11 – Ivo Jucá, da EZZE Seguros, explica como chegou à Stock após Corinthians

Podcast #272 – Qual papel de Verstappen na crise da Red Bull?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Hamilton sobre Jos Verstappen: "Não é parte da equipe. Não ajuda"
Próximo artigo F1: A reunião de Horner com o empresário dos Verstappen antes do GP da Arábia Saudita

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil