Fórmula 1 GP da Grã-Bretanha

F1: Mercedes se diz aberta a fornecer motores para Alpine em 2026

Escuderia alemã vê vantagens em ter franceses como equipe cliente, caso Renault decida cancelar seu programa

Toto Wolff, diretor da equipe e CEO da Mercedes-AMG F1 Team, Flavio Briatore, consultor executivo da Alpine F1

Toto Wolff diz que a equipe de Fórmula 1 da Mercedes "gosta da ideia" de fornecer motores para a Alpine em 2026, ao invés da Aston Martin, que fechou parceria com a Honda.

A Alpine está considerando abandonar seu próprio programa de unidades de potência da Renault F1 para os regulamentos de 2026 e passar a ser uma equipe cliente, tendo a Mercedes como fornecedora de motores mais provável para a equipe sediada em Enstone.

Com a Aston Martin, atual cliente da Mercedes, pronta para iniciar seu acordo com a Honda a partir de 2026, a capacidade ociosa na HPP (High Performance Powetrains; divisão de motores de alto desempenho, em inglês) da escuderia alemã em Brixworth poderia ser liberada para assumir uma linha de clientes diferente.

Wolff indicou que a Mercedes estaria interessada em fazer isso, já que mais unidades de potência no grid aumentariam sua taxa de desenvolvimento de acordo com os novos regulamentos.

"Essa é uma situação complicada, porque gostamos da ideia de substituir a Aston Martin por outra equipe, por causa do grande aprendizado que estamos fazendo", disse Wolff antes do Grande Prêmio da Inglaterra, em Silverstone.

"Acho que somos uma organização que, quanto mais unidades de potência, melhor é em termos de acelerar o desenvolvimento e a confiabilidade. A conversa não foi além do ponto de troca de opiniões ou de discussões", acrescentou.

"A Alpine [precisa] tomar uma decisão: quer continuar com seu programa de motores de Fórmula 1 ou não? E somente quando eles tiverem tomado essa decisão estratégica, nós olharemos para os nossos acordos. Mas estamos com a mente aberta, e foi isso que dissemos a eles", completou.

Esteban Ocon, Alpine A524, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W15

Esteban Ocon, Alpine A524, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W15

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

A McLaren, atual cliente da Mercedes, também não teria nenhum problema em compartilhar as unidades de potência dos alemães com a Alpine, disse o CEO Zak Brown.

"O que é bom para a HPP é bom para a McLaren, no que nos diz respeito", acrescentou Brown. "Eles têm sido um parceiro incrível com quem trabalhar, então, se isso agregar valor à sua proposta de unidades de potência, estamos todos a favor."

Wolff disse que seria irreal esperar que a Alpine tomasse uma decisão final antes das férias de verão, porque é algo "muito complicado, duradouro e impactante" para ser definido em um prazo tão curto.

Mas, como a integração entre as unidades de potência de 2026 e as novas regulamentações de chassi é crucial, a Williams, também cliente da Mercedes, destacou que ter uma definição em breve sobre a situação do motor seria extremamente benéfico.

"Do nosso ponto de vista, estamos trabalhando com a HPP para acertar o conceito para 2026 já há muitos, muitos meses. Portanto, seja o que for que fizermos, estaremos de seis a 12 meses atrás das outras três equipes", disse o chefe de equipe da Williams, James Vowles.

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Russell lidera 1-2 da Mercedes no treino antes de quali em Silverstone
Próximo artigo F1: Russell faz a pole 'em casa' e lidera primeira fila da Mercedes para o GP da Grã-Bretanha

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil