Conteúdo especial

Onde Vettel está na lista dos maiores pilotos da F1?

Com fim da carreira do alemão, descobrir onde ele se encaixa na maior ordem de todos os tempos é uma decisão difícil e subjetiva, com a ajuda de estatísticas, atributos e história, veja como o tetracampeão mundial se posiciona no debate

Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB7 Renault, celebrates pole

Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB7 Renault, celebrates pole

Andrew Ferraro / Motorsport Images

Sebastian Vettel se aposentou da Fórmula 1 após fazer sua última corrida em Abu Dhabi, nesta temporada, com 53 vitórias e 57 pole positions em 299 largadas no campeonato, levando consigo quatro títulos mundiais.

Leia também:

Essas estatísticas o colocam automaticamente no grupo da elite de grandes pilotos – é impossível ter apenas sorte para chegar a esse nível de sucesso – mas onde exatamente ele se senta no panteão das lendas da F1?  Agora que a ilustre carreira do alemão chegou ao fim - a menos que Lewis Hamilton esteja certo sobre o retorno de Vettel um dia! – parece o momento certo para olhar para sua década e meia no auge do esporte, seu impacto e pontos fortes e fracos.

Vettel will be remembered as one of the F1 greats, but where does he stack up?

Vettel will be remembered as one of the F1 greats, but where does he stack up?

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

As estatísticas básicas

As 53 vitórias de Vettel o colocam em terceiro lugar na lista de vitórias de todos os tempos, atrás apenas de Hamilton e Michael Schumacher, enquanto suas 57 poles o colocam em quarto lugar, com Hamilton, Schumacher e Ayrton Senna tendo mais. A contagem de quatro títulos mundiais de Vettel só foi superada por Schumacher, Hamilton (ambos com sete) e Juan Manuel Fangio (cinco), colocando-o ao lado de Alain Prost.

É claro, carreiras (e as temporadas) são mais longas agora – Fangio começou apenas 51 corridas  – então a taxa aproveitamento fornece uma maneira melhor de comparar pilotos em diferentes épocas.

Excluindo as 500 milhas de Indianápolis, que contaram pontos de 1950 a 1960, apenas 15 pilotos alcançaram até agora uma taxa de vitórias de 15% ou mais no campeonato. Vettel é um deles, mas está mais abaixo na lista em relação à contagem de vitórias:

Piloto

Vitórias

Começos

Aproveitamento

Juan Manuel Fangio

24

51

47.1%

Alberto Ascari

13

31

41.9%

Jim Clark

25

72

34.7%

Lewis Hamilton

103

310

33.2%

Michael Schumacher

91

306

29.7%

Jackie Stewart

27

99

27.3%

Alain Prost

51

199

25.6%

Ayrton Senna

41

161

25.5%

Stirling Moss

16

66

24.2%

Max Verstappen

35

163

21.5%

Damon Hill

22

115

19.1%

Sebastian Vettel

53

299

17.7%

Nigel Mansell

31

187

16.6%

Tony Brooks

6

38

15.8%

Giuseppe Farina

5

33

15.2%

Mesmo a taxa de aproveitamento não conta a história completa. Não é possível se levar em conta o tempo gasto em carros não competitivos ou a força das épocas em que os pilotos competiram, então outros fatores precisam ser considerados.

Como o Motorsport.com revelou anteriormente, a F1 foi mais competitiva durante partes da era Cosworth DFV na década de 1970 e durante a década de 2000, antes dos regulamentos turbo-híbridos, particularmente durante o congelamento do motor em 2007. Isso fortalece os casos de Jackie Stewart, Hamilton e Vettel.

Por outro lado, as diferenças (tanto entre carros quanto entre pilotos) eram muito maiores na década de 1950, enfraquecendo os argumentos de Fangio e Alberto Ascari. Isso não quer dizer que eles não devam estar no debate – você só pode vencer quem está lá – mas vale a pena considerar ao olhar para suas incríveis taxas de aproveitamento. 

Alonso and Hamilton stand out as Vettel's biggest rivals and talents in his generation

Alonso and Hamilton stand out as Vettel's biggest rivals and talents in his generation

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Benchmarks de época

Quando a Motorsport.com considerou a questão do maior piloto de todos os tempos para as comemorações do nosso 70º aniversário, olhamos para os pilotos que definiram a era. Esses são os artistas que, por meio de estatísticas e opiniões de seus colegas e figuras-chave, estabelecem o padrão.

Desde o início do campeonato mundial em 1950, esses pilotos são: Fangio, Stirling Moss, Jim Clark, Stewart, Niki Lauda, ​​Prost, Senna, Schumacher e Hamilton. Max Verstappen parece o candidato mais provável a entrar nesta lista nos próximos anos.

Este parece um ponto de partida sensato ao discutir o maior de todos os tempos, com a ressalva de que alguns outros pilotos – principalmente Ascari, Gilles Villeneuve e Fernando Alonso – também precisam ser considerados na hierarquia durante suas carreiras.

Vettel não igualou Hamilton e Alonso em seu período na F1, embora você possa argumentar que ele é o terceiro piloto mais forte de sua geração. Faz sentido selecionar esses três porque, até a ascensão de Verstappen, eles haviam conquistado todos os títulos, exceto três, desde o final da era Schumacher – Kimi Raikkonen, Jenson Button e Nico Rosberg sendo os intrusos. Vettel deve ser colocado acima deles, mesmo que qualquer um dos três possa vencê-lo no dia.

Embora um pouco inexperiente em 2009 e enfrentando muitas tarefas para alcançar o líder Button, Vettel aproveitou suas oportunidades na Red Bull depois disso, conquistando quatro títulos consecutivos. Seu domínio sobre o companheiro de equipe Mark Webber se estendeu ao longo do tempo enquanto a Red Bull se reunia ao seu redor, a ponto de Vettel vencer 13 corridas contra zero de Webber em 2013, e ele se adaptou bem ao estilo de direção contra-intuitivo necessário para tirar o melhor proveito do conceito de difusor soprado.

Do lado negativo, Vettel foi mais incomodado por seus companheiros de equipe do que Hamilton ou Alonso. Após a disputa pelo título, ele lutou ao lado de Daniel Ricciardo durante 2014, no primeiro ano da era híbrida. Vettel então superou Raikkonen confortavelmente quando ambos estavam na Ferrari (embora talvez não tão extensivamente quanto Alonso em 2014) antes de Charles Leclerc conquistar a posição preeminente em 2019-20.

As derrotas de companheiros sofridas por Hamilton (para Button em 2011, Rosberg em 2016 e George Russell em 2022) e Alonso (para Button em 2015 e Esteban Ocon nesta temporada) não são tão pesadas quanto as de Vettel em 2014 e 2020.

As listas dos 10 melhores pilotos do Motorsport.com são uma tentativa de criar uma classificação objetiva a cada ano, dadas as limitações do maquinário de cada piloto. Olhando para 2008-21 (olhe para a lista de 2022 em breve!), a época em que Vettel disputou temporadas completas na F1, nos dá outra maneira de ver a era:

 

Fora do top 3

Hamilton

8

3

1

1

Alonso

1

1

6

4

Vettel

2

1

2

9

Deve-se notar que Alonso não estava na F1 em 2019-20 e que tanto ele (2005 e 2006) quanto Hamilton (2007) lideravam a lista antes da chegada de Vettel, reforçando suas reivindicações como os principais pilotos pós-Schumacher. Robert Kubica (2008) e Ricciardo (2014 e 2016) são os únicos outros pilotos a liderar a lista neste período, com Verstappen sendo uma força crescente nos últimos anos, à medida que lidera a próxima geração.

Hamilton teve claramente o melhor desempenho durante o período. Alonso também foi muito mais consistente do que Vettel, com oito participações entre os três primeiros em seus 12 anos, em comparação com as cinco de Vettel em 14, embora Sebastian tenha liderado a lista uma vez na prorrogação. Ao longo de suas carreiras, Hamilton liderou a lista nove vezes, Alonso três e Vettel duas.

While Vettel did set F1 records, he was also prone to mistakes, such as his Hockenheim 2018 lapse

While Vettel did set F1 records, he was also prone to mistakes, such as his Hockenheim 2018 lapse

Photo by: Motorsport Images

Forças e fraquezas

Todos os maiores nomes da F1 têm grandes pilotagens em seu currículo e Vettel não é exceção. Ele pode não ter tantos momentos fanfarrões quanto Alonso, por exemplo, ou viradas em corridas como Hamilton, mas vitória do alemão no GP da Itália em 2008, pela Toro Rosso se destaca como uma das grandes atuações em tempo úmido e ele também foi capaz de esmagar a dominação, como no GP da Índia em 2013.

Vettel ainda tem uma vantagem sobre Hamilton, pois venceu por três times diferentes, em oposição aos dois do britânico. Embora forjar um relacionamento de longo prazo e galvanizar uma equipe tenha se tornado cada vez mais a norma para os pilotos da F1, mostrar capacidade de trabalhar com novas pessoas e máquinas e continuar vencendo certamente conta a favor de Vettel.

Uma fraqueza no combate roda a roda às vezes era uma crítica injusta dirigida a Vettel durante sua passagem na Red Bull. Ele mostrou em várias ocasiões, talvez a mais memorável em sua recuperação indo de 24º para o terceiro no GP de Abu Dhabi de 2012, que ele é capaz de lutar pelo pelotão. Ele também deve ser considerado como parte da geração – junto com Alonso, Button, Hamilton e Raikkonen – que melhorou a qualidade do combate na pista após alguns movimentos duvidosos de alguns de seus antecessores.

No entanto, quando Vettel ficou roda a roda com Hamilton em suas lutas pelo título de 2017 e 2018, foi o piloto da Mercedes que geralmente se saiu melhor e o tetracampeão passou muito da última temporada enfrentando o caminho errado.

Vettel também cometeu um erro de julgamento no início do GP de Singapura de 2017, provocando um acidente com vários carros, e mostrou uma fraqueza ao abandonar enquanto liderava o GP da Alemanha de 2018 em um dia em que começou liderando o campeonato e estava 13 lugares à frente de Hamilton na grid.

Houve alguns momentos de névoa vermelha também, onde sua percepção geralmente sólida foi pela janela. Tanto o confronto no GP da Turquia de 2010 com o companheiro de equipe Webber quanto o contato com Hamilton atrás do safety car no GP do Azerbaijão de 2017 foram desnecessários – e caros.

Em tempos mais recentes, ele provou ser capaz de se recuperar de seu conturbado período final na Ferrari com algumas boas manobras na Aston Martin. E manteve a calma diante de provocações significativas, como a jogada do seu parceiro Lance Stroll na sprint de Interlagos.

Vettel has been a leading voice on environmental issues in the final few years of his F1 career

Vettel has been a leading voice on environmental issues in the final few years of his F1 career

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

Encontrando seu lugar

Pouquíssimos pilotos podem afirmar que mudaram o jogo. Moss e Stewart pontuam por aumentar o nível de profissionalismo, Lauda, ​​Prost e Senna trouxeram ética e análise de trabalho incríveis, algo que Schumacher continuou, além de elevar o nível de condicionamento físico.

Vettel não tem algo equivalente, embora ser o primeiro piloto a vencer corridas e a conquistar títulos pela Red Bull lhe dê um lugar especial na história da F1. Como Hamilton, sua crescente maturidade e confiança para defender o que acredita no final de sua carreira também pode significar que ele tem um impacto em assuntos mais amplos do que o automobilismo.

Na pista, o alemão não foi exatamente o piloto que definiu sua época. Isso imediatamente o coloca no grupo que se posiciona atrás dos nove grandes listados acima. Verstappen está em uma trajetória que certamente o colocará à frente também.

Alonso também deve ser posicionado de maneira significativa na lista de todos os tempos, colocando Vettel em terceiro lugar em sua geração. Isso significa lutar contra nomes como Jack Brabham, Nelson Piquet e Nigel Mansell entre o segundo e o terceiro melhores de suas épocas.

Comparar ao longo do tempo é sempre complicado e altamente controverso, não importa quão objetiva seja a tentativa. De certa forma, comparar os pilotos em segundo e terceiro de seus períodos requer ainda mais nuances do que os pilotos de ponta, exigindo uma avaliação das lacunas entre eles e os benchmarks, bem como uma olhada na competitividade geral da época. O primeiro provavelmente machuca Vettel neste debate, enquanto o último o levanta.

Considerando tudo o que foi dito acima, Vettel provavelmente está entre os 20-30 melhores pilotos de F1 de todos os tempos.

Isso não deve, de forma alguma, ser visto como algo 'pequeno'. Quase 800 pilotos iniciaram um campeonato mundial, 113 venceram e apenas 34 conquistaram o campeonato mundial. Isso nem leva em conta as pontuações de pilotos que tentaram, mas falharam.

Vettel é um fã agradavelmente experiente do esporte - quantos outros pilotos de F1 arrasariam com seu próprio carro como Vettel fez em Silverstone com um Williams FW14B? Seu lugar na história da categoria está garantido e, uma vez que ele tirou um tempo para refletir sobre Abu Dhabi, adoraríamos saber onde ele acha que deveria estar na lista dos melhores pilotos…

Where would you rank Vettel in the list of greatest F1 drivers?

Where would you rank Vettel in the list of greatest F1 drivers?

Photo by: Sutton Images

VÍDEO: Ricciardo será sombra para Pérez na Red Bull?

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate 'treta' entre Verstappen e Pérez no GP de São Paulo

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior F1: Ferrari hesitou em aceitar saída de Binotto, mas sondou Horner; saiba bastidores
Próximo artigo F1: Com Sargeant, Williams emula situação que prejudicou brasileiro; relembre

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil