Fórmula 1 GP de Mônaco

Pilotos criticam regra que "arruinou" Mônaco e cobram F1 por mudanças

Mesmo quem se beneficiou da 'parada livre', como Albon, também criticou o formato atual do regulamento

Um marechal agita a bandeira vermelha após um acidente envolvendo Sergio Perez, da Red Bull Racing, Kevin Magnussen, da Haas F1 Team, e Nico Hulkenberg, da Haas F1 Team, na volta inicial

O GP de Mônaco do último domingo pode não ter trazido muita ação na pista, mas a prova acabou esquentando os bastidores da Fórmula 1. O acionamento da bandeira vermelha acabou mudando a dinâmica da corrida, "arruinando" o GP segundo pilotos como Max Verstappen e Fernando Alonso, que cobraram a categoria por mudanças no regulamento para evitar novos episódios como este.

A corrida de domingo, com 78 voltas pelas ruas de Mônaco, foi prejudicada por um forte acidente na primeira volta envolvendo Sergio Pérez e os pilotos da Haas, Kevin Magnussen e Nico Hulkenberg.

Leia também:

Sob a bandeira vermelha resultante, todos os pilotos foram autorizados a trocar os pneus, eliminando a necessidade de paradas obrigatórias nos boxes mais tarde.

A regra beneficia os pilotos que não fizeram o pit stop antes de uma bandeira vermelha, durante a corrida, mas ter uma interrupção do tipo na primeira volta em um circuito como Mônaco, onde a ultrapassagem é quase impossível e os pneus podem durar a corrida inteira, acabou decorrendo em efeitos colaterais indesejados.

Isso não só prejudicou os pilotos que optaram por tentar algo diferente e largar com os pneus duros, forçando-os a completar a distância total da corrida com os médios, mas também eliminou qualquer risco que pudesse surgir da execução do pitstop e da estratégia em geral.

Em Mônaco, é muito provável que o pole vença, mas pitstops malfeitos ou erros de estratégia já custaram vitórias no passado a pilotos como Daniel Ricciardo e Charles Leclerc, injetando a chance de algum drama em uma corrida chata.

De ponta a ponta, os pilotos lamentaram que a bandeira vermelha na primeira volta tenha acabado com qualquer tipo de planejamento estratégico.

"Depois da bandeira vermelha, nossa estratégia foi arruinada, pois tivemos que colocar o pneu médio até o final, já que todos tiveram uma parada livre, e isso fez com que que tivéssemos que economizar muito", disse Verstappen, que largou e terminou em sexto.

George Russell, Mercedes W15

George Russell, Mercedes W15

Foto de: Erik Junius

"Eu só tentei seguir George [Russell] e estávamos muito fora do ritmo tentando gerenciar os pneus. Foi muito chato, ter que pilotar literalmente com meia aceleração em alguns pontos".

O quarto colocado, Lando Norris, concordou com Verstappen, dizendo: "Não há nada que você possa fazer, especialmente com a bandeira vermelha no início, acho que isso arruinou qualquer outra oportunidade que poderia ter surgido com a estratégia e a economia de pneus, então é uma pena".

Até mesmo Alex Albon, da Williams, que se beneficiou com o pitstop gratuito por ter largado com pneus médios, reconheceu que as regras atuais não faziam muito sentido.

"Sim, precisamos descobrir o que está acontecendo. Acho que, se for uma bandeira vermelha na primeira volta, ainda assim é preciso ter um pitstop obrigatório ou algo assim. Para ser justo, funcionou a nosso favor, então não vou reclamar muito...".

Alex Albon, Williams FW46

Alex Albon, Williams FW46

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

No GP da Arábia Saudita de 2021, Norris já havia criticado o que ele chamou de "possivelmente a pior regra já inventada", depois de ter feito o pit-stop sob o safety car, logo antes de a corrida ser interrompida pela bandeira vermelha devido a um incidente. Isso fez com que ele caísse da sexta para a 14ª posição, enquanto observava todos à sua frente fazerem uma parada livre.

Alonso, piloto da Aston Martin, esperava que o domingo trouxesse a questão de volta à pauta, depois que as discussões anteriores sobre a regra não deram em nada.

"O único ponto de interesse em uma corrida em Mônaco são os pitstops que você tem que fazer", disse ele. "Se você remover a emoção de um pitstop, ele não se tornará nada. Talvez isso reabra as conversas sobre quando há uma bandeira vermelha, não trocar os pneus ou ser obrigado a ter o mesmo pneu ou algo assim, porque se não, há certas ocasiões em que a corrida fica comprometida".

Quando perguntado pelo Motorsport.com se ele tinha esperança de que a regra fosse revisada desta vez, ele respondeu:  "Eu não sei. Há muitas coisas que não foram alteradas, provavelmente porque eles não ouvem os pilotos".

Newey NÃO VAI À FERRARI e 2 EQUIPES estão MAIS PERTO de contratá-lo: REVIRAVOLTA IMPORTANTE na F1!

Faça parte do Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube

Podcast Motorsport.com debate: Verstappen e RBR ameaçados em 2024?

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Falsa promessa? CEO da RB coloca Lawson de 'escanteio' para 2025
Próximo artigo Depois de vencer a Indy 500 pela 2ª vez consecutiva, Newgarden manda 'indireta' para pilotos de F1

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil